Estar com a Irmã Maria Domingos

| 17 Fev 2021

Dança da Paz, Pablo Picasso

“Desfiando a partilha dos seus gostos, apontou para a reprodução emoldurada de Picasso – a Dança da Paz – e o postal dos amigos de Emaús…”

 

À saída, acompanhava-me quase sempre para lá da porta do mosteiro. Pisava a rua e era nessa altura que, habitualmente, me contava algumas das suas aventuras em busca do Amor, desde a adolescência, à passagem pelo mosteiro em Fátima, onde iniciou a vida de monja, até ao mosteiro em França, lugar de que me falava com entusiamo sobre descobertas que considerava fundamentais: viver o silêncio, a escuta (obediência) e o despojamento (pobreza) e a vida contemplativa como uma janela escancarada ao mundo e à vida de cada pessoa concreta. Uma forma de viver a vida em Jesus.

Não escondia a sua relação com os afetos, e interrogava-me sobre os meus – fossem eles ligados a fragilidades e feridas, ou de tonalidade mais serena e alegre. Nestas conversas aprendi com ela a descobrir a riqueza espiritual de José Augusto Mourão e de Mateus Peres.

E pude partilhar a energia de um caminho numa comunidade de mulheres (a Louise; a Mary John; a Teresa) que de forma resiliente e persistente, na relação com várias pessoas e instâncias da Igreja, procurou, com humildade e determinação, afirmar uma maneira de estar e de acolher vidas de pessoas transportando todo o tipo de vivências, as mais inesperadas que fossem. Numa conversa onde lhe contei das minhas inquietações e desafios e de como era importante ter presente a tentação do poder, do domínio, nas relações humanas e, em especial na relação médico-doente, abordou com solenidade e olhar sereno a questão de ser mulher procurando com discrição a autonomia da Palavra que dialogava com as exigências de mundos em que as vertentes de poder, nomeadamente eclesiais, eram difíceis de ultrapassar.

Um tempo antes, tínhamos percorrido o Jardim, lugar onde permaneceu até ao limite das suas forças, cuidando das flores, da cor e das cores, numa harmonia de respiração para os corações encantados e sombrios que ali passavam.

Sentadas no banco do jardim, ouvi-a discorrer sobre os comportamentos das tulipas, das violetas… e do imenso trabalho e dos “segredos” para as cuidar, tal como se sentia cuidada, com carinho, pelas suas irmãs e por tantos… Chorou a morte da Louise, como Jesus chorou a morte do amigo Lázaro. E aí falou-me do Mistério e disse: “de Deus não sabemos nada…”, “mas é, como dizia Frei Mourão, na ’soleira do instante”’, feito de luz e obscuridade “que floresce o reino / e os seus fiéis de amor se encontram”.

Ainda houve tempo para estarmos na casinha dos doces, dos ícones e quadros, dos postais e dos livros. Aí, a Irmã Maria Domingos falou-me da alegria que era a presença assídua do então padre Tolentino Mendonça, a sua ajuda para a comunidade prosseguir o caminho de abertura ao mundo, permanecendo fiel ao cuidar de tantos e “rasgando” horizontes, fazendo pontes entre isso, o silêncio, a escuta e o despojamento. Desfiando a partilha dos seus gostos, apontou para a reprodução emoldurada de Picasso – a Dança da Paz – e o postal dos amigos de Emaús. Expressou a sua afeição pela irmã Mary John e, de forma particular pela irmã Teresa e meteu-me na mão para eu ler O Vidente de Manoel de Barros. Por troca… deixo-lhe aqui outro poema do mesmo autor que lembra no meu coração a vida em abundância de Deus, da irmã Maria Domingos.

Livro de Nada

Não é por me gavar mas eu não tenho esplendor.
Sou referente pra ferrugem mais do que referente pra fulgor.
Trabalho arduamente para fazer o que é desnecessário.
O que presta não tem confirmação, o que não presta, tem.
Não serei mais um pobre-diabo que sofre de nobrezas.
Só as coisas rasteiras me celestam.
Eu tenho cacoete pra vadio.
As violetas me imensam.”

Lisboa, 17/2/2020

Emília Leitão é médica psiquiatra

 

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador novidade

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim

Testemunho de uma vítima

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

Alter do Chão recebe recital de voz e piano

Festival Terras sem Sombra

Alter do Chão recebe recital de voz e piano novidade

O Cineteatro de Alter do Chão acolhe este sábado, 2 de julho, pelas 21h30, um recital da soprano Carla Caramujo e da pianista Lígia Madeira, no âmbito do Festival Terras sem Sombra (FTSS). Intitulado “O Triunfo da Primavera: Canções de Debussy, Poulenc, Fragoso, Lacerda, Schubert e Wolf”, o concerto promete levar o público a diferentes geografias musicais, do século XIX ao período contemporâneo.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This