Este país ainda não é para velhos

| 28 Out 20

A pandemia só veio tornar evidente o abandono social dos mais velhos. Colocar um familiar num lar de idosos tornou-se potencialmente perigoso, por isso há que apostar num novo modelo de respostas sociais para os seniores.

Foto Misericórdia de Bragança - covid-19; Idosos

Foto Misericórdia de Bragança – covid-19; Idosos. Foto: Misericórdia de Bragança

 

Se esta pandemia provou alguma coisa foi que o sistema dos lares de idosos está desenquadrado da realidade e precisa urgentemente de uma revolução. O sistema de saúde chiou mas tem-se aguentado e respondido às necessidades, o ensino adaptou-se, assim como o sector dos serviços, do comércio e a indústria, embora com perdas significativas. Mas tem havido uma razia entre os mais velhos que se encontram institucionalizados e com um estado de saúde mais frágil ou vulnerável.

Como é previsível que as pandemias se venham a tornar mais frequentes, caso os seres humanos não ganhem juízo na sua relação com o ambiente e os recursos naturais, é bom que as sociedades se preparem para o pior, pois ficou claro que a forma como temos lidado com os mais velhos não responde às necessidades. Colocar uma pessoa de família num lar de idosos tornou-se potencialmente perigoso. Sabe-se hoje que dois em cada cinco mortos residiam em lares, pelo que essa resposta social regista 40% dos óbitos por covid-19 em Portugal.

Já não bastava o fenómeno do idadismo, isto é, a discriminação de cidadãos em função da idade mais avançada, que leva a desconsiderá-los, tratando-os como um peso morto da sociedade, em especial depois de abandonarem a vida activa. Foi no tempo da troika, de má memória, que se promoveu tal injustiça, quando se passou a considerar as cãs brancas como uma chatice e um entrave à afirmação dos jovens no mercado de trabalho. Entretanto, S. Paulo dizia ao seu discípulo Timóteo: “Não repreendas asperamente o ancião, mas admoesta-o como a um pai (…) As mulheres idosas, como a mães” (1 Timóteo 5:1,2).

A cegueira do mundo ocidental é atroz, quando noutras sociedades os mais velhos são considerados repositórios de sabedoria, uma espécie de guias da comunidade. Não esqueçamos que as cidades da antiguidade eram dirigidas normalmente por um colectivo de anciãos, que se reunia habitualmente junto às portas, de entrada de modo a receberem em primeira mão as novas trazidas pelos viajantes e mercadores que ali chegavam.

Cerca de quarenta organizações em todo o mundo lançaram a Old Lives Matter contra o idadismo, pois a vida dos idosos também importa, vale como todas as vidas. A Sociedade Francesa de Geriatria e Gerontologia já veio dizer que o idadismo é “a discriminação mais universal e aumentou durante a pandemia, sobretudo pela ausência de diálogo com os interessados e as suas famílias quanto às medidas tomadas, em particular no quadro das instituições. Acrescentam os investigadores que os mais velhos discriminados vivem, em média, menos sete a oito anos.”

A pandemia só veio tornar evidente o abandono social dos mais velhos. Temos hoje, como resposta social mais significativa, os lares de idosos, muitos deles ilegais e outros que não dispõem dos recursos humanos mínimos para responder às necessidades. Nem todos dispõem de médico, enfermeira, massagista, nutricionista ou de uma técnica de animação social que dinamize as muitas horas de ócio e tristeza que os utentes passam, inertes e absortos, sem nada para fazer.

Há que apostar num novo modelo de respostas sociais para os seniores, desde um apoio domiciliário muito mais generalizado, de modo a manter os utentes nas suas casas, sempre que possível, até à cedência de quartos de pessoas idosas que vivam sozinhas, a jovens estudantes do ensino superior, resolvendo assim dois problemas – a falta de residências universitárias e a solidão dos idosos. Mas também as aldeias seniores, que ajudam a preservar a autonomia e a privacidade, mas que oferecem todos os serviços necessários, de modo a que as pessoas se sintam parte da comunidade e combatam a solidão e o desenraizamento. E com alguma imaginação o modelo das aldeias seniores pode e deve ser reproduzido nos centros urbanos.

Se a solidão é um problema comum e geral do nosso tempo, nos mais velhos pode tornar-se uma verdadeira doença. Um estudo concluiu que pessoas cujos cônjuges morreram têm uma maior probabilidade de morrer nos três primeiros meses seguintes.

Os serviços de segurança social carecem frequentemente de flexibilidade. Dificilmente revelam imaginação para esboçar novas respostas sociais. Mas porque a sociedade está a mudar rapidamente, tudo tem que mudar. Acontece até o caricato de a Segurança Social rejeitar apoio a projectos válidos que lhe são apresentados, apenas porque não se enquadram nas valências já existentes, mas depois as suas técnicas de serviço social contactam essas instituições que se recusaram antes a apoiar, a pedir soluções para os seus utentes, visto não encontrarem respostas dentro do sistema…

É de esperar que as verbas que virão da UE sirvam para lançar uma revolução inovadora na forma como o Estado trata os seus idosos. Se não for agora, quando será?

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Jovens portugueses recebem símbolos da JMJ

Uma dezena de jovens portugueses estarão no Vaticano, no próximo domingo, 22 de Novembro, dia em que a Igreja Católica celebra a liturgia de Cristo Rei, para receber os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ): a cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani – informou o comité local da JMJ.

Rita Valadas nomeada como nova presidente da Cáritas Portuguesa

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) nomeou neste sábado, 14 de Novembro, uma nova presidente para a Cáritas Portuguesa: Rita Valadas, que já integrou a direcção da instituição num dos últimos mandatos, sucede no cargo a Eugénio Fonseca, anunciou a CEP no final da sua assembleia plenária, que decorreu em Fátima desde quarta-feira.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Como acompanhar A Economia de Francesco

O encontro A Economia de Francesco, que junta em videoconferência cerca de 2000 jovens, entre esta quinta-feira e sábado próximos, pode ser acompanhado no canal YouTube da iniciativa. O encontro começa às 13h (hora de Lisboa), com um curto filme com o título Ouvi o grito dos pobres para transformar a terra, preparado pelo movimento ATD Quarto Mundo.

O Papa mandará condolências pela morte do cardeal acusado de abusos?

Com 30 horas de diferença, entre os dias 15 e 16, morreram dois cardeais idosos e doentes: o equatoriano Eduardo Vela e o polaco Henryk Gulbinowicz. Nesta terça-feira, o Papa Francisco enviou à Igreja e ao povo do Equador um telegrama de condolências, mas até final da tarde do mesmo dia não fizera o mesmo com o antigo bispo polaco de Breslávia (Wroclaw).

Biden aumenta limite de refugiados nos EUA de 15 mil para 125 mil

O Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, anunciou que irá aumentar exponencialmente o número limite de entradas de refugiados no país. Os 15 mil estabelecidos por Donald Trump para o ano de 2021 (que correspondiam ao número mais baixo de sempre) passarão a 125 mil, assegurou Biden numa mensagem de vídeo dirigida ao Serviço Jesuíta para os Refugiados, que assinalou na passada quinta-feira, 12 de novembro, o seu 40º aniversário.

Milhares de católicos manifestaram-se em França pelo regresso das missas

Bordéus, Nantes, Nice, Marselha, Toulouse, Versalhes. Estas foram apenas algumas das cidades francesas nas quais milhares de católicos saíram à rua na manhã deste domingo, 15 de novembro, para protestar contra a suspensão das missas durante o segundo período de confinamento decretado pelo Governo. Nessa mesma tarde, o primeiro ministro, Jean Castex, agendou um encontro com os líderes religiosos para esta segunda-feira, durante o qual informou que as celebrações públicas não serão retomadas antes do dia 1 de dezembro.

Entre margens

Bater o coração com novas músicas de Abril novidade

Sempre sonhei acordada: como seria se eu tivesse nascido e vivido antes do 25 de Abril? O que faria, que personagem era, quem seria eu dentro de um estado onde parte das minhas liberdades, direitos e garantias eram reduzidos ou inexistentes, se não tivesse a liberdade de conversar com quem eu queria, sobre o que queria? Ou ouvir qualquer tipo de música que me agrada e me faz pensar, ler os livros que bem entendo, dar a minha opinião acerca do que me rodeia?

Gonçalo – o jardineiro de Deus

Gonçalo Ribeiro Telles foi um católico inconformista e determinado. Subscreveu em 1959 e 1965 três importantes documentos de católicos em denúncia da ausência de liberdade, da censura, e da repressão, arcando com as consequências de uma tal ousadia. Os textos de 1959 intitulavam-se significativamente: “As relações entre a Igreja e o Estado e a liberdade dos católicos” e “Carta a Salazar sobre os serviços de repressão do regime”; ambos tinham como primeiros subscritores os Padres Abel Varzim e Adriano Botelho.

Ignorância útil

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento está nas escolas portuguesas desde 2018. No entanto, foi há cerca de dois meses que se levantou uma grande polémica em relação à obrigatoriedade da mesma, colocando em causa o papel do Estado na educação de matérias da responsabilidade educativa das famílias, tais como a Educação para os Direitos Humanos, a Educação Rodoviária, a Educação para a Igualdade de Género, a Educação Financeira, entre outras. 

Cultura e artes

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Bonhoeffer, teólogo e resistente ao nazismo

O autor desta obra, escritor e historiador italiano, descreve pormenorizadamente o processo espiritual de um homem religioso do luteranismo alemão, Dietrich Bonhoeffer (1906-1945). Viveu na trágica situação da Europa antes da II Guerra Mundial, a ascensão do nazismo e do racismo anti-semita que colocou como objectivo final o extermínio total dos judeus: cerca de seis milhões de judeus foram massacrados; ciganos sinti e rom – entre 250 a 500 mil, além de muitos milhares de outros homens e mulheres.

O Espírito surpreende-nos

Este livro não tem índice. Não tem nem precisa. Seria redundante. É uma coleção de diários. Todos os dias, de 24 de março a 29 de maio. Um exercício de diálogo com a Palavra, com os acontecimentos do dia – dos mais próximos e pessoais, aos mais longínquos e de todos conhecidos –, com as inquietações, as esperanças e as alegrias de cada dia.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco