Estranho Mundo

| 31 Jul 20

Chegou o Verão. Como todos os anos apetece ir de férias, descansar, parar, encontrar os que nem sempre estão perto, cruzar corações que se querem bem, quem sabe, até viajar.

Apetece sonhar com a liberdade de não ter de cumprir horários; desfrutar momentos simples, mas encantadores; descontrair sem medir todos os gestos e sem controlar todos os afetos que se querem exprimir e se inibem pelo melhor de cada um.

Refletir sobre tudo isto e identificar barreiras a cada passo. Sorrir sem ver as bocas, desinfetar as mãos momento a momento, esfregar os pés em tapetes desinfetantes, não poder caminhar, para nós mulheres, em espaços interiores, de maquilhagem visível…

Enfim este é o mundo tal como hoje se nos apresenta.

Ao mesmo tempo surgem as festas ilegais com centenas de pessoas, danças e bebidas sem restrições e sem proteções. Como se tudo estivesse a acontecer tal e qual era antes, como se a vida pudesse ser igual, sem as almejadas descobertas de vacinas.

Não gostamos de estar assim. É certo. Não supomos o que será da nossa vida se prosseguirmos escondidos atrás de objetos que nos encobrem boa parte das nossas feições. E, por isto, todos somos chamados a ser responsáveis. A cumprir o que nos dizem ser certo e protetor.

É difícil imaginar porque tantos negam a gravidade do momento atual. Sim. Pode ser uma defesa, conhecida aliás, ativada com a intenção de o desdramatizar. Contudo, não podemos perder de vista o horizonte de um futuro que queremos que seja melhor.

Estamos a assistir a casos graves de covid-19 em todas as idades. Os mais novos parecem ter deixado de estar protegidos dos riscos deste terrível vírus. E, então, porque será que essas iniciativas de maior risco são, sobretudo, desenvolvidas pelas camadas jovens? Porque se sentem eternas? Porque a sua forma de negação é mais intensa do que a dos outros? Ou porque a disciplina é algo que custa respeitar, nas quatro dimensões que, no dizer de Scott Peck, a integram?

E quais são elas?

– Capacidade de adiar a gratificação: confiar que primeiro tem de existir o esforço e só depois se alcança o benefício;

– Sentido da responsabilidade: exigência que, neste contexto, para ser eficaz, tem de ser coletiva e consistente, informada e persistente;

– Coragem da verdade: enfrentar o que muitos escondem, alguns com intenções politicamente incorretas, mas julgadas legítimas pelos que, mesmo em tempos pandémicos, querem comprar votos ou salvaguardar cargos e prestígio;

– Equilíbrio: respeito pelo centro das coisas; não adoção de atitudes extremas ou de comportamentos limite.

Neste estranho mundo que nos é dado viver é urgente sermos novos no pensar e no sentir, termos coragem de não nos deixarmos resvalar para o mais primário que há em nós, descobrirmos os meios de que dispomos para alcançarmos a melhor versão possível do nosso ser e do nosso existir…

Enfim, fazermos, no que estiver ao nosso alcance, aquilo a que poderíamos chamar a nossa parte. De facto, não me canso de insistir neste apelo.

Não restam dúvidas de que só com o contributo de todos nos tornaremos mais humanos, mais seguros, mais esperançosos. Não temos dúvidas que não nos sobram alternativas ao empenhamento, no desempenho saudável dos nossos atuais papéis. Não ficam dúvidas que tudo isto decorre de sermos os outros dos outros, pois, para os outros, os outros somos nós ou até, melhor dito – não há dúvidas que, para este vírus, talvez nunca vão existir outros.

Queremos ser rápidos na saída deste mundo estranho que nos é, atualmente, dado atravessar. Contudo, para isso, precisamos de ser serenos no caminho que fazemos.

Não teremos pressa de viver; não teremos desejo de inventar para além do permitido; não teremos dúvidas sobre o que nos cabe fazer se nos mantivermos informados e nos permitirem ser esclarecidos.

Devemos querer comprometer-nos.

Faz-nos falta liberdade; por isso, para já, temos de nos restringir. Faz-nos falta espontaneidade; por isso, para já, temos de nos conter. Faz-nos falta sair de nós; por isso, para já, precisamos de ficar dentro das regras, dentro de algumas portas, dentro das nossas fronteiras individuais e coletivas.

Muito se tem escrito sobre a importância de nos livrarmos do medo e, claro, esse caminho que não se escolhe, mas se consegue construir, é o trajeto certo e reconhecidamente valioso. Ainda assim, há limites para essa construção que tem de ser lúcida e responsável, talvez trocada por uma boa avaliação de riscos.

Que as máscaras que temos de usar não sirvam para evidenciar o que elas permitem ver. Não mostramos sorrisos; não pomos a descoberto a sensualidade dos lábios; nós, mulheres, deixamos os batons nas gavetas porque também não fica bem colocá-los já sentadas nas mesas dos restaurantes ou em qualquer outro espaço público. Mas, com máscara, o sorriso não se vê, embora as lágrimas possam correr bem visíveis. Por isso, façamos a nossa parte para evitar essa denúncia do mais triste que pode emergir em nós. Protejamo-nos e protejamos os nossos sem perder e sem abdicar da genuína e desejável vontade de viver.

 

Margarida Cordo é psicóloga clínica, psicoterapeuta e autora de vários livros sobre psicologia e psicoterapia.

 

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: Campanha terminada, objetivos superados!

Campanha 15.000 euros para o 7M: Campanha terminada, objetivos superados!

Neste contexto penoso que estamos a viver, temos uma excelente notícia para dar: a campanha que o 7MARGENS empreendeu no início de Junho para garantir a sua sustentabilidade a curto prazo superou significativamente os resultados que era necessário alcançar. 215 doadores contribuíram com 19.510 euros, mais 4.510 euros do que aquilo que tinha sido pedido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Primeira tradução ecuménica da Bíblia editada no Brasil

Uma ampla equipa de biblistas, exegetas e estudiosos de diversas confissões cristãs e do judaísmo esteve envolvida no projeto inédito de tradução ecuménica da Bíblia para a língua portuguesa, que chega agora às livrarias brasileiras através das Edições Loyola.

Projeto do Papa na Ucrânia ajudou um milhão de pessoas

Chegou ao fim o projeto “Papa da Ucrânia”, lançado em 2016 naquele país, depois de um investimento de 15 milhões de euros, que permitiu ajudar a melhorar a qualidade de vida a um milhão de pessoas. Aquecimento, medicação, roupas, alimentos, artigos de higiene e apoio psicossocial foram algumas das ajudas prestadas à população ucraniana nos últimos quatro anos.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão

O Governo do Sudão prossegue o seu programa de reformas ao código penal do país, tendo anunciado que vai eliminar a pena de morte por apostasia (neste caso, a recusa por parte dos cristãos em converter-se ao islamismo) e despenalizar o consumo de álcool para os mesmos. A criminalização da mutilação genital feminina irá também avançar, depois de ter sido aprovada no passado mês de maio.

É notícia

Cáritas lança programa educativo para combater trabalho infantil no Congo novidade

A Cáritas Congo, em parceria com a Cáritas Noruega, lançou na semana passada um programa de acesso à educação para crianças e jovens residentes no noroeste da República Democrática do Congo, com o objetivo de reduzir a taxa de trabalho infantil nas duas minas daquela região: Mwenga e Wamba. A iniciativa irá permitir que 7.500 jovens com idades compreendidas entre os 12 e os 19 anos tenham os seus estudos assegurados ao longo dos próximos quatro anos.

Financeiro espanhol nomeado secretário-geral da economia do Vaticano novidade

Maximino Caballero, 60 anos, natural da cidade espanhola de Mérida e a residir nos Estados Unidos da América desde 2007, foi o escolhido pelo Papa Francisco para número dois da Secretaria para a Economia da Santa Sé. Casado e pai de dois filhos, Caballero tem uma vasta experiência na área financeira. Trabalhou em diferentes multinacionais e ocupava neste momento um cargo de elevada responsabilidade na empresa de produtos hospitalares e farmacêuticos Baxter International, sedeada em Illinois. O desafio para trabalhar no Vaticano foi-lhe lançado pelo padre Juan Antonio Guerrero, atual prefeito da Secretaria para a Economia, de quem é amigo de infância.

Suspensa construção de templo hindu no Paquistão, por oposição de grupos muçulmanos

Os trabalhos de construção de um templo hindu no Paquistão foram abruptamente interrompidos devido à oposição de alguns líderes religiosos e grupos muçulmanos. “É um direito fundamental de todo o cidadão paquistanês pregar e professar livremente a sua religião, tal como prescrito pela Constituição. Condenamos veementemente o movimento de indivíduos e grupos fundamentalistas que se opuseram à construção do templo Shri Krishna em Islamabad”, disse o activista dos direitos das minorias cristãs, Sabir Michael.

Ortodoxos russos contra contracepção

O presidente da comissão do Patriarcado (ortodoxo) de Moscovo para os assuntos familiares, arcipreste Dimitry Smirnov acredita que é possível às famílias limitar o número de filhos que desejam ter, mas sem usar contracepção. Em entrevista ao jornal Prikhozhanin (“Paroquiano”), o padre diz que uma família ortodoxa pode tentar limitar o número de filhos que gostaria de ter, “mas apenas através da abstinência, em vez do uso de contracepção”.

Depois da Ucrânia, a Rússia: Mil bebés esperam pelo afeto dos pais

Mil bebés nascidos de “barrigas de aluguer” a partir de fevereiro, quando começou a emergência devida ao coronavírus, aguardam em cidades russas a reabertura de fronteiras, que permitirá aos pais que recorreram à denominada gestação de substituição levá-los com eles.

Entre margens

A dialéctica do racismo

Qualquer pessoa de boa-fé reconhece a existência de um racismo estrutural na sociedade portuguesa. Negá-lo é pretender negar uma evidência. Por que razão um homem branco de 70 anos, se falar com um outro homem branco, de 40 anos, o trata por você, mas se se dirigir a um negro da mesma idade já o trata por tu?

Pobreza, vergonha de todos nós

O que hoje é novo na nossa situação de pobreza é a falta de autonomia económica e o elevado número de novos casos no país. Quem não ouviu já referir na comunicação social que mesmo pessoas da classe média e, por vezes alta, se encontram a receber apoios do Banco Alimentar, à procura do pão nosso de cada dia para quem, de um momento para o outro, tudo faltou, pelas mais diversas razões das suas vidas?

Plano de recuperação sem recuperação do plano?

Os planos de desenvolvimento económico e social, previstos nos artºs. 90º.-91º. da Constituição da República, nunca se efetivaram, embora sejam aprovadas anualmente as grandes opções… do plano…  No I Governo constitucional, a prof. Manuela Silva, na qualidade de Secretária de Estado responsável  pelo planeamento, elaborou, com a sua equipa, um projeto de plano, mas não conseguiu a necessária aprovação.

Cultura e artes

Sopas do Espírito Santo dão a volta ao mundo em novos selos de correio

Um “teatro”, um bodo e uma coroa para a circulação de âmbito nacional; foliões, um “balho” e uma pomba para a Europa; e uma bênção do bodo, as sopas e uma rosquilha de massa sovada para o resto do mundo. O culto do Paráclito, ou seja, “aquele que ajuda, conforta, anima, protege, intercede” está desde a última quinta-feira, 30 de Julho, representado numa emissão filatélica dos Correios de Portugal, dedicada às festas do “Senhor Espírito Santo”, como é habitualmente designada nos Açores a terceira pessoa da Santíssima Trindade cristã.

Hagia Sophia, música de uma sublime respiração

“Lost Voices of Hagia Sophia” (“Vozes perdidas da Divina Sabedoria”) é um disco ideal para tempos em que nos confinamos a viver afectos e contactos de forma receosa, com uma proposta inédita: recriar digitalmente o som daquela que já foi basílica e mesquita (a partir de 1453), hoje (ainda) monumento património da humanidade e que uma decisão do actual presidente turco pretende voltar a tornar mesquita.

Filmar o desejo como quem pinta

Retrato da Rapariga em Chamas é um filme magnificamente feminino que coloca ao espectador – talvez ainda mais ao espectador crente – algumas questões que dão que pensar. Penso que não é um filme ideológico a fazer a apologia da homossexualidade feminina ou do aborto, mas um retrato sofrido, sobretudo das três protagonistas.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco