25 de Maio

Estudantes de Portimão propõem Dia Nacional dos Jardins para homenagear Ribeiro Telles

| 27 Mai 2021

Estudantes, Gonçalo Ribeiro Telles, Jardins

Os alunos (com o director de turma, Carlos Café, à esquerda) que lançaram a petição para declarar o Dia Nacional dos Jardins no aniversário de Ribeiro Telles, em visita à Piscina Atlântica, no início de Maio. Foto: Direitos reservados.

 

Uma turma do 10º ano de escolaridade de Portimão decidiu lançar uma petição pública a submeter ao Parlamento que consagre o dia 25 de Maio como Dia Nacional dos Jardins. A data foi escolhida por ser o dia de nascimento de Gonçalo Ribeiro Telles, que morreu no passado 11 de Novembro e que no próximo ano faria 100 anos.

“Encaramos esta petição e a criação do Dia Nacional dos Jardins como uma justa e merecida homenagem a uma pessoa a quem o País muito deve em termos de ideias inovadoras, obras ambientais de referência e boas práticas inspiradoras”, diz o texto do documento, que pode ser subscrito no seguinte endereço: https://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=DIA-NACIONAL-JARDINS.

O texto da petição dos alunos do 10º L da Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes recorda ainda que Gonçalo Ribeiro Telles foi um arquitecto paisagista “de eleição, premiado nacional e internacionalmente, um pensador visionário, um político generoso e empenhado e um cidadão exemplar”.

Por curiosa coincidência, a data proposta é também o aniversário da publicação, em 2015, da encíclica Laudato Si’, do Papa Francisco, sobre cuja aplicação em Portugal o 7MARGENS tem publicado (e publicará ainda) vários trabalhos.

A ideia da petição foi nascendo progressivamente, nos projectos da área de Cidadania e Desenvolvimento. O professor Carlos Café, que enquanto director de turma é responsável por essas aulas, conta ao 7MARGENS que utiliza muito a música como motivação no seu ensino. Numa ocasião, passou aos alunos o tema Heroes, de David Bowie que, a dada altura, canta We can be heroes, just for one day (Podemos ser heróis apenas por um dia).

 

“Ribeiro Telles tinha morrido na semana anterior e eu disse-lhes que cada um pode ser herói, deixando a sua marca. Falei dele, da sua obra, e dos jardins da Gulbenkian como referência maior”, conta o professor.

Depois da conversa inicial, os alunos começaram a recolher imagens, notícias, citações, com a ideia de ver, num segundo momento, o que fariam.

Mais tarde, Carlos Café contactou o professor universitário e pensador Viriato Soromenho-Marques, que falou da ideia dos alunos na sua coluna no Jornal de Letras. “Decidimos então avançar para a petição, envolvendo os encarregados de educação – incluindo um jurista, que ajudou”.

Entretanto, os alunos contam já com o apoio do Grupo Prainha (onde se situa a Piscina Atlântica, também concebida por Ribeiro Telles), a Câmara Municipal de Portimão e a Junta de Freguesia de Portimão e – “apoio de peso” – da Associação Portuguesa dos Arquitectos Paisagistas.

 

Sonhar com “um dia especial”
Piscina Atlântica, Gonçalo Ribeiro Telles, Prainha

Piscina Atlântica na Prainha, obra de Gonçalo Ribeiro Telles. Foto © Grupo Prainha

 

Para já, a iniciativa conseguiu levar à proposta da Assembleia Municipal de Portimão no sentido de criar o Dia Municipal dos Jardins, precisamente para 25 de Maio. No próximo ano, com ou sem dia nacional já consagrado – Carlos Café julga que não será difícil a ideia ter “um final feliz” –, a turma pensa promover alguma iniciativa que tenha os jardins não só como tema mas também como palco. E também já foram convidados a escolher um de três jardins de Portimão (dois que foram requalificados e um novo) para lhe ser atribuído o nome de Ribeiro Telles.

No imediato, segue-se a preparação de um livro electrónico sobre jardins, que recolherá desenhos de todas as escolas do agrupamento – desde o jardim de infância ao secundário e incluindo alunos de ensino especial –, um resumo da vida de Ribeiro Telles, citações suas e um texto introdutório de Soromenho-Marques – que é, aliás, o primeiro subscritor da petição.

O texto da petição diz que devemos ao arquitecto “o ter-nos mostrado que as cidades e as vilas são tanto mais humanas quanto mais verdes e sustentáveis forem”, bem como “o ter-nos ensinado que as cidades e as vilas não devem excluir-se da Natureza que as circunda, mas, pelo contrário, incluir a Natureza dentro delas de forma contínua e harmoniosa”.

Ribeiro Telles tinha “a ideia generosa de uma Natureza com pessoas dentro e de cidades e vilas com a Natureza dentro do seu coração e das suas artérias verdes”. Por isso “o jardim é uma metáfora feliz de tudo” o que ele ensinou.

“Os jardins são uma síntese com a marca da contemporaneidade”, acrescenta o texto, uma “síntese da cidade e do campo, do urbano e do bucólico, da ordem geométrica das árvores e sebes desenhadas e da irreverência surpreendente das flores campestres”. São ainda “lugares de encontros” para pessoas e também lugares “onde os animais se sentem em casa e os lugares que muitas aves escolhem para fazer a sua casa”.

Os alunos do 10ºL criaram já páginas no Instagram e Facebook (Jardins de Telles), além de terem gravado, na Piscina Atlântica da Prainha, um vídeo em que lêem a petição:

O documento contava, na noite desta quarta-feira, 26 de Maio, com 713 assinaturas. Para poder ser debatida na respectiva comissão parlamentar da Assembleia da República – que pode decidir fazer uma recomendação ao Governo –, precisa de chegar às mil assinaturas válidas (cidadãos com mais de 18 anos). Para ser levada a plenário tem de chegar aos quatro mil subscritores.

Se for aprovada a instituição do Dia Nacional, será uma forma de recordar o “generoso e paciente jardineiro do Reino da Natureza” e um dos “heróis do nosso tempo” que era Ribeiro Telles. E já se pode sonhar que esse pode ser “um dia especial, em que os idosos saiam dos lares e de suas casas para apanhar sol e conversar entre si”, em que “as crianças mais novas vão passar a manhã a brincar à apanhada, a andar de baloiço ou a jogar à bola” e em que as próprias “aulas sejam dadas ao ar livre, nos jardins das escolas e nos jardins e parques das vilas e cidades”.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This