Eternidade

| 4 Mar 2021

Mar e Céu

“Acredito que o sentido da vida está na construção de uma qualquer espécie de eternidade”. Foto © Tiago Gonçalves Paulino

 

Acredito que o sentido da vida está na construção de uma qualquer espécie de eternidade. Não está nas rotinas necessárias à sobrevivência material; não está nas atividades que servem para entreter e passar tempo; não está no que diverte e ajuda a esquecer.

Olhemos à nossa volta: uns ocupam-se, outros entretém-se, outros divertem-se, outros entendiam-se. Vivem porque a vida dura, como dizia Pessoa, mas nenhum deles sabe para que vive. Alguns julgam saber, porque todos buscam formas de justificar aquilo que no fundo não sabem justificar. Enfim, agarram-se a qualquer coisa, a qualquer rotina, a qualquer hábito ou vício, porque viver é mover-se e agitar-se, é uma pulsão para ser à qual todos sentem que é necessário responder, embora não saibam porquê nem para quê. Mas no fundo nunca estão satisfeitos nem felizes, porque toda essa atividade, toda essa agitação, começa e acaba em si mesma, quer dizer, esgota-se em si própria, sem que dela emirja algo que perdure, algo que exprima Beleza, Verdade.

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

Onde o tempo domina completamente, o Nada domina completamente, pois o tempo não tem em si próprio o seu fim; ele é apenas meio, apenas caminho. Em boa verdade, e em absoluto, o tempo não é; ele é tanto mais real e denso quanto mais pensamos nele, quanto mais nos deixamos envolver por ele, quanto mais nos tornamos dependentes dele; na realidade, o tempo não é senão um vazio, o nosso próprio vazio interior, projetado na realidade exterior, de tal maneira que é por vezes quando temos mais tempo que ele mais nos pesa. Quando o tempo domina completamente, tomam conta de nós o tédio, o absurdo, e mesmo o desespero.

Por isso, acredito que o sentido da vida está para além da vida, quer dizer, está na construção de qualquer coisa que não se esgota no tempo e no espaço de uma vida. Nas antigas civilizações construíam-se grandes templos; no Egipto construíam-se “moradas de eternidade”, templos dedicados a deuses e deusas, que reproduziam na terra as regras dos céus, a matemática e geometria das forças cósmicas, para que a eternidade tivesse um lugar entre os homens, para sempre. E todos quantos contribuíam com as suas curtas vidas para a edificação dessas obras de eternidade encontravam nelas o sentido para a sua própria finitude. E desse modo, encontravam o seu sentido.

Onde quer que, ao longo da história, homens ou mulheres tenham produzido obras de eternidade, quer seja pela arte, pela ciência, pela filosofia, pela literatura, pela espiritualidade, pela ética ou pelo amor, eles encontraram também a justificação e o sentido para as suas próprias vidas. Pelos seus contributos ou pelas suas obras singulares, superaram a sua finitude, venceram o tempo, e não apenas na medida em que as suas obras permaneceram muito para além das suas mortes físicas, mas porque pelo próprio ato de criar, trabalhar, construir, contemplar, pensar, amar, experienciaram a eternidade nas suas próprias vidas.

Com efeito, se o sentido pressupõe uma escatologia, não é necessário que essa escatologia corresponda, necessariamente, a uma meta a que se chega, a um fim que se atinge, a um auge que se conquista, a um tempo que se consuma no fim dos tempos.

O fim da vida não é a morte; o fim da vida é a superação da morte; o fim da vida é a imortalidade. Imortalidade no sentido de uma experiência que se vive, que se experiencia na medida em que de alguma forma se participa naquilo que é eterno, intemporal, absoluto. Porque não é possível edificar nada que participe da eternidade se o próprio ato de fazer, produzir e criar não mergulhar ele próprio na eternidade cuja imagem se procura reproduzir a partir da matéria do tempo e do espaço. E na medida em que se experiencia, num dado momento, a eternidade, conquista-se também o sentido, a finalidade, que já não é um algo que vem depois, a consumação de um tempo, mas um agora que é sempre, a anulação do tempo.

 

Ruben Azevedo é professor e membro do Ginásio de Educação Da Vinci – Campo de Ourique (Lisboa).

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This