Eternidade

| 4 Mar 21

Mar e Céu

“Acredito que o sentido da vida está na construção de uma qualquer espécie de eternidade”. Foto © Tiago Gonçalves Paulino

 

Acredito que o sentido da vida está na construção de uma qualquer espécie de eternidade. Não está nas rotinas necessárias à sobrevivência material; não está nas atividades que servem para entreter e passar tempo; não está no que diverte e ajuda a esquecer.

Olhemos à nossa volta: uns ocupam-se, outros entretém-se, outros divertem-se, outros entendiam-se. Vivem porque a vida dura, como dizia Pessoa, mas nenhum deles sabe para que vive. Alguns julgam saber, porque todos buscam formas de justificar aquilo que no fundo não sabem justificar. Enfim, agarram-se a qualquer coisa, a qualquer rotina, a qualquer hábito ou vício, porque viver é mover-se e agitar-se, é uma pulsão para ser à qual todos sentem que é necessário responder, embora não saibam porquê nem para quê. Mas no fundo nunca estão satisfeitos nem felizes, porque toda essa atividade, toda essa agitação, começa e acaba em si mesma, quer dizer, esgota-se em si própria, sem que dela emirja algo que perdure, algo que exprima Beleza, Verdade.

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

Onde o tempo domina completamente, o Nada domina completamente, pois o tempo não tem em si próprio o seu fim; ele é apenas meio, apenas caminho. Em boa verdade, e em absoluto, o tempo não é; ele é tanto mais real e denso quanto mais pensamos nele, quanto mais nos deixamos envolver por ele, quanto mais nos tornamos dependentes dele; na realidade, o tempo não é senão um vazio, o nosso próprio vazio interior, projetado na realidade exterior, de tal maneira que é por vezes quando temos mais tempo que ele mais nos pesa. Quando o tempo domina completamente, tomam conta de nós o tédio, o absurdo, e mesmo o desespero.

Por isso, acredito que o sentido da vida está para além da vida, quer dizer, está na construção de qualquer coisa que não se esgota no tempo e no espaço de uma vida. Nas antigas civilizações construíam-se grandes templos; no Egipto construíam-se “moradas de eternidade”, templos dedicados a deuses e deusas, que reproduziam na terra as regras dos céus, a matemática e geometria das forças cósmicas, para que a eternidade tivesse um lugar entre os homens, para sempre. E todos quantos contribuíam com as suas curtas vidas para a edificação dessas obras de eternidade encontravam nelas o sentido para a sua própria finitude. E desse modo, encontravam o seu sentido.

Onde quer que, ao longo da história, homens ou mulheres tenham produzido obras de eternidade, quer seja pela arte, pela ciência, pela filosofia, pela literatura, pela espiritualidade, pela ética ou pelo amor, eles encontraram também a justificação e o sentido para as suas próprias vidas. Pelos seus contributos ou pelas suas obras singulares, superaram a sua finitude, venceram o tempo, e não apenas na medida em que as suas obras permaneceram muito para além das suas mortes físicas, mas porque pelo próprio ato de criar, trabalhar, construir, contemplar, pensar, amar, experienciaram a eternidade nas suas próprias vidas.

Com efeito, se o sentido pressupõe uma escatologia, não é necessário que essa escatologia corresponda, necessariamente, a uma meta a que se chega, a um fim que se atinge, a um auge que se conquista, a um tempo que se consuma no fim dos tempos.

O fim da vida não é a morte; o fim da vida é a superação da morte; o fim da vida é a imortalidade. Imortalidade no sentido de uma experiência que se vive, que se experiencia na medida em que de alguma forma se participa naquilo que é eterno, intemporal, absoluto. Porque não é possível edificar nada que participe da eternidade se o próprio ato de fazer, produzir e criar não mergulhar ele próprio na eternidade cuja imagem se procura reproduzir a partir da matéria do tempo e do espaço. E na medida em que se experiencia, num dado momento, a eternidade, conquista-se também o sentido, a finalidade, que já não é um algo que vem depois, a consumação de um tempo, mas um agora que é sempre, a anulação do tempo.

 

Ruben Azevedo é professor e membro do Ginásio de Educação Da Vinci – Campo de Ourique (Lisboa).

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Breves

Vida para lá da Terra? Respondem teólogos e astrónomos novidade

Ciência e Espiritualidade é o mote para um encontro organizado pela Faculdade de Teologia e pelo Departamento de Astronomia da Universidade de Genebra (Suíça). “O homem e o céu: do universo mítico ao universo científico” é o tema que procurará responder a perguntas como: O que é o universo? Vida, aqui e além? De onde vimos? Para que fim?

Seminário de Coimbra assinala Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com direto na cúpula da igreja

Uma conversa em cima do andaime montado na cúpula da igreja do Seminário Maior de Coimbra irá juntar, no próximo dia 19 de abril, pelas 18h, o padre Nuno Santos, reitor da instituição, e Luís Aguiar Campos, coordenador do projeto de conservação e restauro do seminário. A iniciativa pretende assinalar o Dia Mundial dos Monumentos e Sítios (que se celebra domingo, 18) e será transmitida em direto no Facebook.

Vaticano saúda muçulmanos no Ramadão

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé, enviou uma mensagem aos muçulmanos de todo o mundo, por ocasião do início do Ramadão, convidando todos os crentes a serem “construtores e reparadores” da esperança.

China quer que clérigos tenham amor pelo Partido Comunista

Novo decreto governamental é “mais uma medida totalitária para limitar a liberdade religiosa”, acusa organização de direitos humanso. O decreto aplica-se a todas as religiões, ou seja, lamas budistas, clérigos cristãos, imãs muçulmanos e outros líderes religiosos.

Aumentar valor das prestações sociais, sugere Pedroso nos 25 anos do RSI

O valor das prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção (RSI) deveria aumentar, pois já não responde às necessidades das pessoas mais vulneráveis. A ideia é defendida por Paulo Pedroso, que foi o principal responsável pela comissão que estudou o modelo de criação do então Rendimento Mínimo Garantido (RMN).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

A viagem do vestido de casamento novidade

O cerne da questão das cerimónias de casamento, na minha sociedade, é o vestido de noiva. A existência do vestido de noiva é antecedida pelo anúncio do casamento, que traz felicidade a alguns familiares, tanto da noiva, quanto do noivo. Digo alguns, porque um casamento, para além da graça que carrega, reúne em torno de si muita agrura. Casar e ter filhos ainda é das coisas mais importantes na minha sociedade. Existe muito pouco deleite acima disso.

Dois quadros de Caravaggio novidade

Há dois episódios que recentemente recordámos na liturgia que continuam a deixar-nos cheios de perplexidade. Falo da tripla negação de Pedro e da incredulidade de Tomé. Afinal, somos nós mesmos que ali estamos representados, por muito que isso nos choque. E o certo é que, para que não haja dúvidas, as palavras que pontuam tais acontecimentos são claríssimas. Pedro recusa terminantemente a tentação, quando Jesus lhe anuncia que ele O vai renegar. E nós sentimo-nos aí retratados.

Europa: um Pacto Ecológico para inglês ver?

“O Pacto Ecológico Europeu é … uma nova estratégia de crescimento que visa transformar a UE numa sociedade equitativa e próspera, dotada de uma economia moderna, eficiente na utilização dos recursos e competitiva, que, em 2050, tenha zero emissões líquidas de gases com efeito de estufa e em que o crescimento económico esteja dissociado da utilização dos recursos.” (Pacto Ecológico)

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

O regresso à escola má novidade

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This