Eugénio de Andrade: a mística do corpo

| 13 Jun 20

Eugénio de Andrade. Obra de Artur Bual

Eugénio de Andrade. Obra de Artur Bual na casa Eugénio de Andrade na Póvoa de Atalaia (Fundão), terra natal do poeta. Foto © António Marujo

 

Só através do corpo nos podemos erguer à divindade
(Eugénio de Andrade, Rosto Precário)

Eugénio de Andrade, pseudónimo de José Fontinhas (Póvoa de Atalaia, Fundão, 19 de Janeiro de 1923 – Porto, 13 de Junho de 2005), um dos mais prestigiados e traduzidos poetas portugueses; nasceu numa família de camponeses, prosseguiu os seus estudos em Castelo Branco, Lisboa e Coimbra. Integrado na Inspecção de Serviços Médico-Sociais, viveu os últimos 50 anos da sua vida no Porto. Morreu faz agora 15 anos.

Na sua poesia, os elementos da Natureza – Ar, Água, Terra, Fogo – são possuídos de um espírito ou força cósmica, consubstancializando-se no poema. É esta a tradição da nossa poesia, nas Cantigas de Amigo galaico-portuguesas dos trovadores medievais, cantadas por jograis. Daí a repetição, a musicalidade. As forças da natureza constituem símbolos do amor; tornam-se íntimas de um sujeito feminino que as interroga sobre o “amigo” ausente ou que tarda ao encontro amoroso.

Na obra Rosto Precário, comenta o poeta: (…) “É a partir do homem ‘da carne e dos sentidos’ que ascendemos à brancura rarefeita de uma neve, que sobre nós, cai nupcial. Com mais coração que cabeça, mais sensíveis ao elemento da alma que ao rigor do espírito (…).”

“A luz/ a luz trazida/ pelos rosados pés dos pombos/ dos confins da alegria// – quem pudera levá-la/ à boca e dormir apaziguado. (in O Sal da Língua).

“Ó manhã, manhã/ manhã de setembro/ invade-me os olhos/ inunda-me a boca/ entra pelos poros/ do corpo, da alma/ até ser ti,/ sem peso e memória/ um acorde só/ do vento e da água/ uma vibração…” (in Ostinato Rigore).

O universo despojado da infância, movido pela Natureza e a figura tutelar da Mãe abraçam-se num amor intemporal:

“Um sorriso abre-se então/ num verão antigo./ E dura, dura ainda.” (in Os lugares do Lume).

Póvoa de Atalaia. Eugénio de Andrade,

Póvoa de Atalaia (Fundão), terra natal de Eugénio de Andrade: “Um sorriso abre-se então/ num verão antigo./ E dura, dura ainda.” Foto © Isabel Duarte.

 

Mesmo para além da morte:

“Não sei como vieste/ mas deve haver um caminho/ para regressar da morte.// Estás sentada no jardim/ as mãos no regaço cheias de doçura/ os olhos poisados nas últimas rosas (…) Deixa-te estar assim /ó cheia de doçura/ sentada, olhando as rosas,/ e tão alheia/ que nem dás por mim.” (Pequena Elegia de Setembro, in Antologia Breve).

A água, corre liberta, sonora como a música, (“os álamos,// essa música/ de matutina cal…) associada também ao eros, ao cosmos: “Água, água/ Porosa água da alegria/ do pão na mesa/. Águas de Li Bai ébrias/ de S. João da Cruz abrasadas/ de amor (…) Ó antiquíssima água das estrelas/ próximas distantes matinais./ Oculta água dada a beber / num só olhar.” (in Os Sulcos da Sede).

Falamos da Água, do Fogo, do Eros – a sua ascensão e declínio que “(…)  não pode reduzir-se meramente à sexualidade (…) como estranhar-se, entre nós, a (…) a melodia do Eros? Que poeta português pode negar-lhe a face sem negar ao mesmo tempo o próprio coração?” (in Rosto Precário):

“A boca,// onde o fogo/ de um verão/ muito antigo// cintila, // a boca espera//  (que pode uma boca/ esperar/senão outra boca?) // espera o ardor/ do vento/ para ser ave, // e cantar.” (in Obscuro Domínio)

“(…) no limiar da minha boca, / onde te demoras a dizer adeus// Escuto um rumor: é só silêncio.” “Ó pureza apaixonadamente minha: terra toda nas minhas mãos acesa// (…) Seria a morte esta carícia/ onde o desejo era só brisa?» (in Ostinato Rigore). 

Depois, vem a decadência:

 “Agora a mão; que não sabe voar; / nem sequer converter/ a pedra em nascente; mão/ cheia de nada…” (in Branco no Branco)

Muitos poemas recordam fragmentos da poesia de Safo que o poeta traduziu e por isso foi elogiado por Maria Helena da Rocha Pereira: é “um desses raros fenómenos de convergência artística (…)”:

“Com o sopro da manhã e o aroma/ das frésias eu sonhava longamente.” (in Ostinato Rigore)

“Que terror te ergueu/ pétala a pétala/ para eu desfolhar/ ó manhã de oiro!” (idem).

Esta semelhança articula-se também com o gosto do haiku: a contenção, o paradoxo, a plenitude do instante, o silêncio:

“Era um amieiro/ uma azenha/ e junto/ um ribeiro// Tudo tão parado/ – que deveria fazer?/ Meti tudo no bolso/ para não os perder.” (in Ostinato Rigore).

Conclui o poeta: “O futuro do homem é o homem (…) Mas o homem do futuro não nos interessa desfigurado. (…) é contra a ausência do homem no homem que a palavra do poeta se insurge (…). Ecce Homo, parece dizer cada poema. Eis o homem, o seu efémero rosto feito de milhares e milhares de rostos, esplendidamente respirando na terra, separados por mil e uma diferenças, unidos por mil e uma coisa comum (…). É a tal rosto que cada poeta está religado. (…) Fidelidade ao homem e à sua lúcida esperança de sê-lo inteiramente; fidelidade à terra onde mergulha as raízes mais fundas; fidelidade à palavra que no homem é capaz da verdade última do sangue, que é também verdade da alma.” (in Rosto Precário).

“Como se recusa o amor? Perguntavas,/ O sorriso brincando ao sol com as romãs.”

“Estive sempre sentado nesta pedra/ escutando, por assim dizer, o silêncio (…) Estou onde sempre estive: à beira de ser água./ Envelhecendo no rumor da bica/ por onde corre apenas o silêncio.” (in Os Sulcos da Sede).

Fonte. Póvoa de Atalaia. Eugénio de Andrade,

Fontanário na Póvoa de Atalaia (Fundão), terra natal de Eugénio de Andrade. Foto © Isabel Duarte

 

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Já só faltam €875 para alcançarmos a meta dos €15.000 que vos propusemos como objetivo para esta campanha de recolha de fundos em favor do 7MARGENS. Estamos muito perto de chegarmos ao montante desejado, mas, tal como na maratona, os últimos metros são sempre os mais difíceis!

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Leigo nomeado líder pastoral de paróquia alemã

Pela primeira vez, foi atribuída a um leigo a gestão pastoral de uma paróquia, por decisão da diocese de Münster, na Alemanha. A medida, aplicada à paróquia de St. Georg en Saerbeck, surge na sequência da saída do pároco anterior e da impossibilidade de o substituir, devido ao reduzido número de padres, avança o jornal ABC.

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão novidade

O Governo do Sudão prossegue o seu programa de reformas ao código penal do país, tendo anunciado que vai eliminar a pena de morte por apostasia (neste caso, a recusa por parte dos cristãos em converter-se ao islamismo) e despenalizar o consumo de álcool para os mesmos. A criminalização da mutilação genital feminina irá também avançar, depois de ter sido aprovada no passado mês de maio.

É notícia

Entre margens

Oração do silêncio novidade

O cristianismo tem uma longuíssima experiência da oração silenciosa ou meditação ou contemplação ou oração de Presença ou do Coração que, no Ocidente, se foi esfumando até quase desaparecer. O Concílio Vaticano II exprimiu a importância desta oração nos leigos, mas não pegou muito. Agora, surgem livros sobre o assunto e há mais prática desta oração. Há um livro que achei muito interessante: Pequeno Tratado da Oração Silenciosa, de Jean-Marie Gueullette, OP (2016, Paulinas Editora).

A sustentável leveza do jugo de Jesus

É incontestável o facto de que cada um de nós experimenta, uns mais do que outros e de formas variadas, o peso da vida. E esse peso manifesta-se de múltiplas maneiras, seja a depressão e solidão, a tensão e a ansiedade, a angústia e medo, a dor e a hostilidade. Carregamos até, voluntariamente ou não, os pesos de outros.

Desafia-te a viver positiva(mente)!

Assim, viver positivamente deverá impulsionar-nos a transcender essa visão ontológica do ser humano que tende a acentuar mais aquilo que é negativo ou que não funciona, procurando antes focar o olhar naquilo que cada circunstância oferece como aprendizagem, caminho necessário à mudança e ao crescimento, assim como naquilo que no mundo e no ser humano há de melhor.

Cultura e artes

Hagia Sophia, música de uma sublime respiração novidade

“Lost Voices of Hagia Sophia” (“Vozes perdidas da Divina Sabedoria”) é um disco ideal para tempos em que nos confinamos a viver afectos e contactos de forma receosa, com uma proposta inédita: recriar digitalmente o som daquela que já foi basílica e mesquita (a partir de 1453), hoje (ainda) monumento património da humanidade e que uma decisão do actual presidente turco pretende voltar a tornar mesquita.

Filmar o desejo como quem pinta

Retrato da Rapariga em Chamas é um filme magnificamente feminino que coloca ao espectador – talvez ainda mais ao espectador crente – algumas questões que dão que pensar. Penso que não é um filme ideológico a fazer a apologia da homossexualidade feminina ou do aborto, mas um retrato sofrido, sobretudo das três protagonistas.

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Um exercício lento e sólido de teologia bíblica

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco