Europa: 22% dos crimes de ódio em 2019 foram contra judeus

| 30 Nov 2020

antissemitismo judeus Foto Jewish Funders Network

De um total de 5.954 crimes de ódio na Europa, Rússia e Ásia central, 1.311 foram contra judeus. Foto © Jewish Funders Network.

 

 

 

O antissemitismo esteve na origem de 22% dos crimes de ódio registados na região pan-europeia em 2019, apesar de os judeus corresponderem a apenas 1% da população que ali reside. Os dados constam do relatório do Gabinete para as Instituições Democráticas e Direitos Humanos (ODIHR) da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), e foram divulgados este domingo, 29 de novembro, pelo jornal britânico Jewish News.

De um total de 5.954 crimes de ódio relatados pelos governos e observatórios da Europa, Rússia e Ásia Central, 1.311 foram contra judeus. O antissemitismo surge assim como a categoria com o segundo maior número de incidentes, depois dos 2.371 registados na categoria mais geral de racismo e xenofobia.

Em terceiro lugar, surgem os crimes motivados pelo género ou orientação sexual (com 1.277 casos), seguidos dos crimes praticados contra cristãos (573) e muçulmanos (507).

O relatório, que inclui os relatos dos incidentes registados, refere situações como a de uma mulher a quem puxaram o cabelo enquanto falava hebraico no autocarro em Berlim (Alemanha), ou de um muçulmano iraquiano que tentou entrar numa sinagoga em Antuérpia (Bélgica) com várias facas escondidas, tendo sido intercetado por forças policiais depois de proferir insultos antissemitas contra judeus.

Os números do relatório não são ainda definitivos e podem ser consultados no site do ODIHR.

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This