Bispo dos Camarões

Europa deve ajudar a criar empregos em África, para travar migração

| 9 Nov 2023

É necessário criar oportunidades de formação profissional e de criação de emprego para jovens em África. FOTo Fundação AIS

“Os jovens representam um enorme potencial para o nosso continente, mas apenas se lhes pudermos dar as ferramentas e as oportunidades necessárias para prosperarem”, diz o bispo Bruno Ateba. Foto: Direitos reservados, via Fundação AIS.

 

É necessário que a Europa faça alguma coisa para ajudar a travar a crise migratória oriunda do continente africano, nomeadamente através da criação de empregos a nível local, para “estancar este problema na origem”, defende o bispo Bruno Ateba, responsável pela diocese de Maroua-Mokolo, situada no extremo norte dos Camarões.

“Se as pessoas tivessem acesso a empregos e oportunidades económicas nos seus países de origem, não sentiriam a necessidade de emigrar. Há uma ligação clara entre a realidade das pessoas deslocadas, a emigração e a falta de um futuro estável”, afirmou esta semana o prelado, em declarações à Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), quando regressava de uma visita ad limina a Roma, em que se encontrou com o Papa.

Na sua diocese, Bruno Ateba tem já em marcha um projeto que visa dar oportunidades de formação profissional e de criação de emprego a jovens deslocados internos. Trata-se de um centro de atividades localizado no campo de refugiados de Minawao, na paróquia de Zamay, “onde vivem 80 mil refugiados da vizinha Nigéria que fugiram do Boko Haram”.

Graças a este projeto, explica, os deslocados recebem atenção pastoral e ao mesmo tempo adquirirem competências em áreas tão diversas como a reparação de sapatos, de computadores, ou a costura. “Os jovens representam um enorme potencial para o nosso continente, mas apenas se lhes pudermos dar as ferramentas e as oportunidades necessárias para prosperarem”, refere.

Mas em muitos países africanos, como no caso dos Camarões, “ainda não há indústria, nem modelo económico. Muitos sentem-se obrigados a partir por falta de oportunidades. Se queremos mudar esta situação, temos de encontrar uma solução sustentável para travar o êxodo dos nossos jovens”.

O bispo insiste, por isso, que a comunidade internacional deve unir-se para apoiar as iniciativas de desenvolvimento. “A Igreja e organizações como a Fundação AIS continuam a desempenhar um papel crucial no apoio aos que são diretamente afetados pelas crises de segurança e migratória, mas a cooperação da comunidade internacional é essencial para se enfrentarem estes desafios e se encontrarem soluções a longo prazo”, conclui Bruno Ateba.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This