Europeias 2019: Não nos tires as tentações

| 16 Mai 19

A Europa vista de satélite. Foto NASA

 

Em 1995, Carl Sagan escreveu assim, em Um Mundo Infestado de Demónios: “A sociedade de hoje é uma civilização global em que os elementos fundamentais – transportes, comunicações, indústrias, agricultura, medicina, educação, divertimento, ambiente, e até a instituição democrática fundamental das eleições – depende profundamente da ciência e tecnologia. Contudo, as coisas estão organizadas de tal forma que quase ninguém as entende, e isto é a receita para a catástrofe. Mais cedo ou mais tarde, esta mistura explosiva de ignorância e poder vai rebentar-nos na cara.”

Em 2018, a premonição de Sagan parecia já mais real do que nunca. Em novembro, o Eurobarómetro indicava que menos de metade dos portugueses (46%) se afirmava capaz de identificar notícias falsas ou deturpadoras da realidade (a média na UE é de 58%). Descartes ficaria aterrorizado, certamente, ao perceber que a sociedade científica e racionalista que batizou (ironicamente na ânsia de se libertar do teocentrismo) daria origem a uma realidade onde a verdade é altamente questionável.

No ano em que se realizam no país três atos eleitorais em território nacional, a situação é preocupante. E Portugal é um caso: apesar de os portugueses acusarem uma “quebra de confiança nos partidos políticos, no Governo e no Parlamento”, continuam a acreditar na União Europeia, ao contrário de vários países europeus. Só que, apesar disso, apenas 3% dos jovens portugueses diz ser “extremamente provável” ir votar nas eleições para o Parlamento Europeu. Desculpem-me a pergunta, mas: em que ficamos, gente?

Bertrand Russel responderia (já em 1949) que, quando um indivíduo não entende a sociedade onde vive, tende a dois tipos de fuga: a alienação ou a radicalização. Portugal parece ter optado pela primeira enquanto se generaliza pela Europa uma onda de populismo, que procura certezas desenfreadamente. (A reflexão sobre a atitude lusa fica para outra altura.)

Há dois anos, o Papa Francisco disse aos líderes da União Eeuropeia, reunidos no Vaticano por ocasião do 60º aniversário do Tratado de Roma, que a Europa “corria o risco de morrer” se não reencontrasse os seus ideais fundadores. O antigo vice-presidente da Comissão Europeia, Étienne Davignon, salientou que o debate europeu estava confuso, minado de dúvidas, medo e desencanto. Parece que, em 2019, o diagnóstico se complicou mais um pouco.

Vivemos eleições históricas. E sem querer tirar mérito às legislativas: é Portugal que vai responder aos perigos das alterações climáticas? Da Inteligência Artificial e proteção de dados? Aos desafios da engenharia genética? Aos riscos de uma guerra nuclear? “Coletes” amarelos, Brexit’s e Viktor Orbán’s? Como pode um projeto visionário, que levantou a Europa após a II Guerra Mundial, passar por tempos tão difíceis?

Arrisco-me a dizer que seja porque há muita gente com crises existenciais (o que é legítimo). O populismo é uma facada na democracia, como a guerra o é no coração da humanidade. Enquanto o sangue marca a pele, a tolerância, a cooperação, a abertura de fronteiras parecem sempre a melhor ideia. No entanto, parece que o mundo tem memória curta e se recusa a aprender que, apesar de ser o mais difícil, dar as mãos é o mais simples e eficaz.

Estamos em crise, sim. Coisa que millennialde respeito, como eu, não se atreveria a viver sem. Afinal, não sabemos o que é crescer sem ela. A questão é que isso não é necessariamente mau, por muito que o fado português insista. Na etimologia grega, temos uma Europa em “luz e oportunidade”. E se há oportunidade para a Europa, há oportunidade para nós porque nós somos a Europa.

Estamos em crise, sim. Que bom. Porque é tempo de escolher e definir caminhos. Ao que parece, a última braçada de bruços perdeu balanço e é a nossa vez de dar o próximo impulso. Com a liberdade de questionar o inquestionável, herdámos o peso da responsabilidade. Mas desde quando desligar o automático é mau? (Só quando não há literacia política, cultura científica e educação para os media – fica a dica).

É que tudo isto não é sobre “tira-nos as tentações”, mas sim sobre o “não nos deixes cair em tentação”. Porque momentos destes testam fortalezas. E isso é um privilégio que temos de honrar nas mesas de voto.

 

Mónica Ribau é jornalista e doutoranda em Alterações Climáticas e Políticas de Desenvolvimento Sustentável no Instituto de Ciências Sociais da Univ. Lisboa. Especialista em incerteza e problemas complexos, a religião e a ciência são parceiros antigos no caminho pela verdade; foto da autora: © Diana Tinoco

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Alemanha: número de crimes contra judeus é o mais elevado desde 2001 novidade

A Alemanha registou no ano passado o número mais elevado de crimes motivados pelo antissemitismo desde que os mesmos começaram a ser contabilizados, em 2001. Os líderes da comunidade judaica daquele país prevêem que a situação continue a piorar com o surgimento de uma nova vaga de “teorias da conspiração” associadas aos judeus, na sequência da pandemia de covid-19.

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Afinal, quem são os evangélicos? novidade

A maior parte dos que falam de minorias religiosas como os evangélicos nada sabem sobre eles, incluindo políticos e jornalistas. Em Portugal constituem a maior minoria religiosa, e a Aliança Evangélica Mundial conta com mais de 600 milhões de fiéis em todo o mundo.

Um planeta é como um bolo novidade

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Violência contra as Mulheres: origens

Olhando para os dados neste contexto de pandemia, mais uma vez dei por mim a pensar de onde virá a persistência estrutural do fenómeno da violência doméstica e de género, esta violência que assenta num exercício de poder exacerbado, descontrolado, total, de alguns homens em relação às suas companheiras, em que elas não são mais do que um objeto de posse sobre o qual se pode tudo.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco