Europeias 2019: Não nos tires as tentações

| 16 Mai 19 | Entre Margens, Newsletter, Últimas

A Europa vista de satélite. Foto NASA

 

Em 1995, Carl Sagan escreveu assim, em Um Mundo Infestado de Demónios: “A sociedade de hoje é uma civilização global em que os elementos fundamentais – transportes, comunicações, indústrias, agricultura, medicina, educação, divertimento, ambiente, e até a instituição democrática fundamental das eleições – depende profundamente da ciência e tecnologia. Contudo, as coisas estão organizadas de tal forma que quase ninguém as entende, e isto é a receita para a catástrofe. Mais cedo ou mais tarde, esta mistura explosiva de ignorância e poder vai rebentar-nos na cara.”

Em 2018, a premonição de Sagan parecia já mais real do que nunca. Em novembro, o Eurobarómetro indicava que menos de metade dos portugueses (46%) se afirmava capaz de identificar notícias falsas ou deturpadoras da realidade (a média na UE é de 58%). Descartes ficaria aterrorizado, certamente, ao perceber que a sociedade científica e racionalista que batizou (ironicamente na ânsia de se libertar do teocentrismo) daria origem a uma realidade onde a verdade é altamente questionável.

No ano em que se realizam no país três atos eleitorais em território nacional, a situação é preocupante. E Portugal é um caso: apesar de os portugueses acusarem uma “quebra de confiança nos partidos políticos, no Governo e no Parlamento”, continuam a acreditar na União Europeia, ao contrário de vários países europeus. Só que, apesar disso, apenas 3% dos jovens portugueses diz ser “extremamente provável” ir votar nas eleições para o Parlamento Europeu. Desculpem-me a pergunta, mas: em que ficamos, gente?

Bertrand Russel responderia (já em 1949) que, quando um indivíduo não entende a sociedade onde vive, tende a dois tipos de fuga: a alienação ou a radicalização. Portugal parece ter optado pela primeira enquanto se generaliza pela Europa uma onda de populismo, que procura certezas desenfreadamente. (A reflexão sobre a atitude lusa fica para outra altura.)

Há dois anos, o Papa Francisco disse aos líderes da União Eeuropeia, reunidos no Vaticano por ocasião do 60º aniversário do Tratado de Roma, que a Europa “corria o risco de morrer” se não reencontrasse os seus ideais fundadores. O antigo vice-presidente da Comissão Europeia, Étienne Davignon, salientou que o debate europeu estava confuso, minado de dúvidas, medo e desencanto. Parece que, em 2019, o diagnóstico se complicou mais um pouco.

Vivemos eleições históricas. E sem querer tirar mérito às legislativas: é Portugal que vai responder aos perigos das alterações climáticas? Da Inteligência Artificial e proteção de dados? Aos desafios da engenharia genética? Aos riscos de uma guerra nuclear? “Coletes” amarelos, Brexit’s e Viktor Orbán’s? Como pode um projeto visionário, que levantou a Europa após a II Guerra Mundial, passar por tempos tão difíceis?

Arrisco-me a dizer que seja porque há muita gente com crises existenciais (o que é legítimo). O populismo é uma facada na democracia, como a guerra o é no coração da humanidade. Enquanto o sangue marca a pele, a tolerância, a cooperação, a abertura de fronteiras parecem sempre a melhor ideia. No entanto, parece que o mundo tem memória curta e se recusa a aprender que, apesar de ser o mais difícil, dar as mãos é o mais simples e eficaz.

Estamos em crise, sim. Coisa que millennialde respeito, como eu, não se atreveria a viver sem. Afinal, não sabemos o que é crescer sem ela. A questão é que isso não é necessariamente mau, por muito que o fado português insista. Na etimologia grega, temos uma Europa em “luz e oportunidade”. E se há oportunidade para a Europa, há oportunidade para nós porque nós somos a Europa.

Estamos em crise, sim. Que bom. Porque é tempo de escolher e definir caminhos. Ao que parece, a última braçada de bruços perdeu balanço e é a nossa vez de dar o próximo impulso. Com a liberdade de questionar o inquestionável, herdámos o peso da responsabilidade. Mas desde quando desligar o automático é mau? (Só quando não há literacia política, cultura científica e educação para os media – fica a dica).

É que tudo isto não é sobre “tira-nos as tentações”, mas sim sobre o “não nos deixes cair em tentação”. Porque momentos destes testam fortalezas. E isso é um privilégio que temos de honrar nas mesas de voto.

 

Mónica Ribau é jornalista e doutoranda em Alterações Climáticas e Políticas de Desenvolvimento Sustentável no Instituto de Ciências Sociais da Univ. Lisboa. Especialista em incerteza e problemas complexos, a religião e a ciência são parceiros antigos no caminho pela verdade; foto da autora: © Diana Tinoco

Artigos relacionados

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Vemos, ouvimos e lemos…

O centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen é especial, muito para além de mera comemoração. O exemplo de cidadania, de talento, de ligação natural entre a ética e estética é fundamental. De facto, estamos perante uma personalidade extraordinária que é lembrada como referência única, como um exemplo que fica, que persiste.

Cultura e artes

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Teatro: À espera de um jogo de espelhos em Goga

Entra-se e estão as 23 personagens no palco. Em rigor, esse número inclui as personagens e os seus espelhos. Estão fixas, rígidas. São um quadro que se deve olhar, de modo a reparar em todos os pormenores. Porque está o corcunda Teobald de livro na mão? Porque há um homem e uma mulher com malas?

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Mai
20
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – III – A justiça e a equidade, e a solidariedade entre as gerações @ Centro Nacional de Cultura
Mai 20@18:30_20:00

Participam Alice Vieira, escritora e jornalista; Carla Ganito, docente em Ciências da Comunicação na Universidade Católica Portuguesa; e Ana Barata; jovem licenciada em serviço social.

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Fale connosco