Europeus querem prioridade à luta contra a pobreza. Portugueses são os que mais reivindicam

| 12 Fev 2021

Eurobarómetro, Pobreza, União Europeia

 

A luta contra a pobreza e as desigualdades sociais deve a ser uma prioridade política do Parlamento Europeu, segundo o inquérito anual do Eurobarómetro intitulado “O que pensam os europeus sobre a Europa”, cujos resultados foram apresentados em Lisboa, nesta sexta-feira, 12 de fevereiro.

Esta prioridade da agenda das questões sociais marca uma viragem relativamente aos anos anteriores, admitindo-se que esteja relacionada com os efeitos socioeconómicos da pandemia do novo coronavírus. Esta  sondagem do Eurobarómetro coloca-a como, de longe, a mais sufragada, com 48% dos 27.213 entrevistados (posicionam-se, a seguir, medidas para combater o terrorismo e o crime organizado, com 35%, e a melhoria do acesso a uma educação de qualidade para todos, com 33%).

Os respondentes portugueses são ainda mais enfáticos nesta redefinição da agenda europeia. De facto, Portugal, com 76% das respostas centradas neste indicador, não só se distancia significativamente da média europeia como consegue mesmo ser o que mais escolheu esta posição, longe de Chipre, o segundo classificado, com 66%.

Em termos comparativos, importa sublinhar que, nos anos anteriores, a prioridade das preocupações dos cidadãos da União Europeia se centravam em matérias como as alterações climáticas (a principal em 2019), a proteção dos direitos humanos, a igualdade entre homens e mulheres, a liberdade de expressão, a solidariedade entre os Estados-Membros da UE, a solidariedade internacional entre a UE e os países pobres do mundo e o diálogo intercultural ou inter-religioso (conferir aqui os dados de anos anteriores).

Num plano mais largo, este estudo evidencia um significativo crescimento (dez pontos percentuais) do número de europeus que têm uma imagem positiva da UE, quando comparado com o outono de 2019. Também aqui os portugueses têm uma imagem positiva (67%), valor apenas superado pela Irlanda, com 77%. Dois em cada três dos inquiridos estão otimistas em relação ao futuro da União Europeia.

Ao comentar estes dados, numa conferência de imprensa em que participou o 7MARGENS, quer Ana Isabel Xavier, especialista em questões europeias e professora da Universidade Autónoma de Lisboa, quer Pedro Magalhães, investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, fizeram questão de sublinhar o facto de os inquéritos terem decorrido em novembro e dezembro últimos, numa altura em que as expectativas da opinião pública, decorrentes da aquisição de vacinas por parte da Comissão Europeia, se encontravam em alta. E notaram igualmente haver, em vários países, uma opinião pública bastante reticente face à dimensão europeia.

Pedro Magalhães aludiu ainda a recentes dados do Eurobarómetro que indicam que, em Portugal, 22% dos cidadãos dizem não usar a internet em casa, um valor só ultrapassado pela Roménia, para chamar a atenção para as desigualdades que se estão a cavar na sociedade portuguesa, em tempo de teletrabalho e de ensino a distância.

Eurobarómetro, Pobreza, União Europeia

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This