Eutanásia ativa: não, não creio!…

| 18 Fev 20

É possível e desejável auscultar os eleitores através de referendo sobre se consideram, ou não, que o tema deva ser objeto de legislação por parte da Assembleia da República durante esta legislatura. Assim se garantirá ao Parlamento a total legitimidade de que necessita para regressar ao debate sobre este assunto.

Obra de Enrique Mirones, monge do mosteiro cisterciense de Sobrado dos Monxes, na Galiza. Foto © Paulo Bateira, cedida pelo autor

 

Muitas pessoas de quem sou amigo são a favor. Pessoas cuja opinião me habituei a estimar e a considerar defendem com vigor a eutanásia ativa. Eu tenho dúvidas. Muitas dúvidas. E embora procure discernir em cada argumento o que de bem fundado tem, estranho o enviesamento que deteto em alguns. Ponhamos de lado a eutanásia passiva (por exemplo, recusando prolongar indefinidamente a vida dos que estão “ligados à máquina” em estado vegetativo prolongado) ausente do atual debate. Concentremo-nos no que interessa. E o que interessa é terrivelmente complexo. Sei que não domino todos os aspetos envolvidos. O que não me impede de pensar sobre a questão.

Não, não creio que a pedra de toque deste assunto seja o respeito (ou o desrespeito) pela liberdade individual do sofredor. O que está primordialmente em causa é que resposta damos (enquanto sociedade organizada) ao que nos é pedido por aquele que sofre tão violentamente que apenas deseja morrer. Não se trata de aceitar, trata-se de agir. O que não convoca a tolerância, mas sim a concordância. Parecem-me coisas diferentes.

Na eutanásia ativa não está em causa apenas (nem principalmente) o respeito pela vontade (liberdade?) de quem quer pôr termo à sua vida. Nem se trata de lhe impor o meu modo de encarar a vida e a morte. Se há liberdade que aqui esteja em causa é a da pessoa que é solicitada a colaborar com o suicida. Dito de outro modo: para exercer o meu direito a pôr fim à minha vida vou obrigar alguém a colaborar comigo. Alguém que será obrigado, perante o meu pedido, a dizer “sim”, ou “não”. E que, em recusando-me tal pedido, poderá ser questionado, criticado, vilipendiado.

Há direito?

Não, não creio que o que move os defensores da eutanásia ativa seja o seu caso, a sua liberdade de escolher morrer. O que (n)os move é a impotência sentida perante o sofrimento de outros. O drama do sofrimento alheio, a dor (insuportável para nós) sofrida pelos que amamos, a intolerável visão da debilidade daqueles que conhecemos outrora saudáveis, fortes, plenos de vida – essa fratura que faz emergir em nós o perturbador desejo de que a morte leve depressa os que amamos –, essa é a impotência que pretendemos contornar com a prática da eutanásia.

Mas não será absolutamente terrível que à beira dos que sofrem de modo indizível, os nossos olhos deixem perpassar a sombra da pergunta: “Porque nos fazes sofrer? Porque não acabas depressa com o teu sofrimento que nos atormenta?”. Não será este o último nome do abandono, a consumação da nossa vida autorreferencial, a expressão máxima da incapacidade absoluta de sair de si para se abeirar do outro?

Obra de Enrique Mirones, monge do mosteiro cisterciense de Sobrado dos Monxes, na Galiza. Foto © Paulo Bateira, cedida pelo autor

Viver e morrer sem dor

Não, não creio que estejamos apenas diante da despenalização da eutanásia ativa. Estamos, mesmo se não é essa a disposição contida nas atuais propostas de lei, a abrir a porta à liberalização da eutanásia e a caminho da liberalização do suicídio assistido. Em termos práticos: depois de votada a lei, será possível convencer um qualquer cidadão de que, afinal, não tem direito a ser apoiado no seu desejo de pôr termo à vida? Não creio. Será pelo menos tão difícil quanto convencê-lo que se deve resignar a esperar pela “morte natural” ­– coisa que não sabemos o que seja!…

Não, não creio que a escolha societária que esta liberalização nos propõe seja interessante. Parto sem dor – vida sem dor – morte sem dor. Uma trilogia fantástica! Fácil de reduzir a slogan publicitário: quem comprar o ticket inscreve-se desde já no programa “vida totalmente indolor” e fica com reserva garantida para o próximo programa “vida eterna, morte nunca mais!”. Não, não creio que estas promessas anunciem nada de bom. Já muito – demasiado! – temos contemporizado com medidas e esquemas para retirar o sofrimento, o pobre, o “louco” e o “a-normal”  do espaço público. Não queremos ver, queremos esquecer… façamos de conta que não existe. Não é connosco, por favor alguém trate deles. A despenalização/liberalização parece-me mais um passo neste sentido.

Não, não creio que a nossa consciência possa aquietar-se perante a morte legalmente induzida a alguém que… afinal queria viver! E o risco de que tal aconteça é grande, demasiado enorme. O peso que o sofredor coloca nos ombros dos familiares pode fazê-lo querer morrer, ainda que o seu desejo seja viver… Não me serve de consolo saber que ajudámos algumas pessoas a morrer em paz quando já não suportavam as limitações e o sofrimento a que estavam condenados. A sociedade democrática sempre preferiu não correr o risco de condenar um inocente, mesmo sabendo que alguns desses procedimentos poderiam manter à solta criminosos empedernidos. Uma só morte não desejada basta-me para temer a despenalização da eutanásia ativa.

Mosteiro cisterciense de Sobrado dos Monxes, na Galiza. Foto © Paulo Bateira, cedida pelo autor

A questão do referendo

Não, não creio que este Parlamento tenha a legitimidade necessária para legislar de novo sobre esta questão. Ainda há pouco a iniciativa foi chumbada. O PS, no seu extenso programa eleitoral, nada referia sobre o tema. E mesmo que referisse: passa pela cabeça de alguém no seu perfeito juízo que o voto no BE signifique a adesão a todas e cada uma das centenas de propostas do respetivo programa eleitoral?

Não, não creio que se possa submeter a referendo uma lei da despenalização da eutanásia ativa. Este não é o instituto próprio para validar, certificar, para aquilatar da qualidade das leis e da sua consonância com a vontade da maioria dos cidadãos.

Sim, creio que é possível e desejável auscultar os eleitores através de referendo sobre se consideram, ou não, que o tema deva ser objeto de legislação por parte da Assembleia da República durante esta legislatura. Assim se garantirá ao Parlamento a total legitimidade de que necessita para regressar ao debate sobre este assunto. A questão é controversa. Extremamente controversa. Voltar a ela porque se afigura que agora, ao contrário de há dois anos, a lei será votada favoravelmente, não lhe imprime a dignidade que merece e exige.

Sim, na defesa de que não é chegado o tempo de o Parlamento voltar ao assunto estarei acompanhado por argumentos de que discordo e por algumas pessoas cujas opiniões não estimo nem considero. Sim, o debate público na expetativa de um referendo deste tipo será cheio de informação falsa, ou pouco rigorosa, muitos sentimentos e pouca racionalidade. Sim, é verdade. Mas não é sempre assim? Não é sempre com os pés mergulhados num misto de muita lama e algum perfume que os eleitores olham para o que se lhes apresenta e… decidem?

Obra de Enrique Mirones, monge do mosteiro cisterciense de Sobrado dos Monxes, na Galiza. Foto © Paulo Bateira, cedida pelo autor

 

Jorge Wemans é jornalista e membro da equipa editorial do 7MARGENS; o texto foi inicialmente publicado esta terça-feira, 18, no Público.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo novidade

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico novidade

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos” novidade

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco