Eutanásia e liberdade individual

| 11 Fev 20

Muitas das reflexões sobre a legalização da eutanásia terminam defendendo a importância de se estender o acesso a cuidados paliativos. Notícias dos últimos dias davam conta de que 70% dos portugueses não acedem a este tipo de cuidados. Ora, eu começo por aí, defendendo o mesmo. Acrescento que, se a eutanásia for legalizada, receio que venham a incidir olhares oblíquos sobre quem denuncie a falta de investimento em cuidados paliativos e apele para que essa seja uma prioridade. Apontar-se-ão, então, em silêncio ou mesmo verbalizando, outras soluções, no caso, politicamente priorizadas em nome da liberdade individual.

Leio e ouço em discursos espontâneos, na roda de amigos, entre colegas e na família, muitas coisas da vida de cada um, das suas realidades e preocupações que, não versando diretamente o tema da eutanásia, para ele convergem – ou, pelo menos, em algum momento, com ele se cruzam. Falar da vida é sempre falar da morte. Estamos na vida conscientes da morte e vivemos, por isso, com a morte no horizonte. Daí a relevância que este debate sobre a eutanásia assume, as possibilidades que discutimos em demanda de uma justa medida (legalização: sim ou não?) a partir dos vários pontos de vista, médico, religioso, social, político.

Sem a pretensão de situar o meu humilde contributo em nenhum destes domínios em particular, entendo que é sobretudo quando não se está a falar sobre a eutanásia que melhor se entende o debate sobre a sua legalização. Ouço, pois, o que tantos ouvimos e dizemos: Não quero dar trabalho aos meus filhos. Têm a sua vida. Trabalham muito. O sofrimento é que me custa… Quero morrer de um momento para o outro, adormecer e não acordar. Quando eu cá não estiver a fazer nada, porquê continuar a viver? Não quero ficar a vegetar, sem consciência de mim, dos outros e do mundo. A estes fragmentos de conversas comuns, às vezes verdadeiramente pungentes, se ligam outros sobre a liberdade de cada um, sobre o direito a decidir. São o desespero e a incerteza que em nós falam, tateando e esbracejando, diante de uma fragilidade irredutível, só essa irredutibilidade justificando que coloquemos a hipótese de assumirmos nós, por conseguinte, as rédeas do que de tal maneira nos escapa.

Entendo muito bem, pois, este grito por se assumir de forma consciente o termo da própria vida. Vivo neste tempo e nesta sociedade e sinto as mesmas angústias, pondero as mesmas questões. Não quero o sofrimento, nem desejo vir a definhar exposta aos olhos dos meus, fazendo-os sofrer, ou ao cuidado de estranhos. E prezo a minha liberdade. Mas dou por mim a perguntar: o que me leva a considerar que a minha liberdade se joga na possibilidade que tenha de determinar o termo da minha vida? Isto é, a jusante deste debate, de que liberdade podemos nós falar? Que liberdade é essa que reclamamos para pôr fim à nossa vida?

Voltando aos retalhos de conversas, uma amiga, avó ainda na “vida ativa” (assim o dizemos), contava que o que valia era a outra avó estar disponível para os netos. De outro modo, seria impossível que a filha – “trabalham ambos imenso” – tivesse aqueles dois adoráveis netinhos, luz dos seus olhos, alegria da família. Prosseguia falando da sua mãe, aos cuidados num lar porque “trabalho imenso e ela entende isso muito bem”.

Praticamente todos, crianças, mulheres e homens deste início do século XXI na sociedade portuguesa, integramos uma história assim, encarnando alguma destas figuras. É esta condição que me faz interrogar: o que nos leva a considerar que a liberdade de cada um se joga na possibilidade que tenha de determinar o termo da sua vida? Que liberdade nos falta quando ponderamos se a nossa vida é ou não digna de ser vivida chegando ao ponto de reclamarmos o direito de lhe pôr termo?

O facto é que algo verdadeiramente nos falta. Numa “sociedade do desempenho” (Byung-Chul Han assim se lhe refere em A Sociedade do Cansaço, da Relógio d’Água), em que somos sujeitos de desempenho e de produção, empresários de nós mesmos e produtos com valor de mercado variável, impende sobre nós, em virtude disso, uma violência subtil, que se exerce coerciva e internamente. Somos oprimidos a partir de dentro, sentimo-nos ora capazes ora incapazes de mais, com mais ou menos mérito individual e por isso justificados no “sucesso” ou no “insucesso”.

As alternativas tendem a ser produzir e consumir ou, na impotência para tal, deprimir ou, no limite, eutanaziar-se quando a vida já não vale, já não tem valor para ser vivida. É neste quadro que somos conduzidos a propor a valoração das condições de vida de alguém, da nossa. E fazemo-lo alegando o valor supremo da “dignidade”, para decidir se vale ou não vale a pena estar vivo, exercendo, por isso, uma violência sobre nós mesmos, na radical solidão da liberdade individual que nos assiste.

Uma intuição que civilizacionalmente ganhou expressão nas tradições sapienciais e religiosas – com reflexo, aliás, na forma de as nossas sociedades se organizarem – foi a de que a Vida ninguém a dá nem ninguém a tira (quem é mãe ou pai sabe-o bem, experimenta-o com espanto). A Vida é para além. Se se apaga, o seu grito permanece sob a forma de uma presença silenciosa, transformada. Somos a espécie que construiu uma consciência de si exatamente por isso, pela permanência, a transcendência de si. Daí, alguma parcimónia com a vida e com a morte. Eu diria, daí a verdadeira dignidade que lhe reconhecemos, que celebramos de tantas formas, que inclusivamente ritualizamos.

Confrontados com hipóteses como a da legalização da eutanásia, temos que valer-nos exatamente da capacidade de nos transcendermos, de transcendermos a contingência das pressões que uma sociedade ultra-capitalista nos impõe e defendermo-nos de nós próprios. Protegermo-nos de nós próprios, das pressões que nos auto-infligimos, da nossa pouca generosidade e docilidade para com a vida que incondicionalmente em nós pulsa, passa pelo cuidado de uns pelos outros e por nós mesmos; passa pela corresponsabilidade, pela solidariedade entre as gerações, pelo exercício da compaixão e a atenção aos mais fracos. Essa é a revolução urgente de que a nossa sociedade precisa e de que depende o exercício da nossa liberdade individual e o respeito pela dignidade humana. Mas disso a legalização da eutanásia é precisamente um sinal contrário, que não me conformarei que seja dado às gerações mais novas e mais velhas que temos agora ao nosso cuidado.

 

Helena Topa Valentim é professora universitária e membro do Graal, movimento internacional de mulheres, de inspiração cristã

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo novidade

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico novidade

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos” novidade

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco