Eutanásia e vida autenticamente humana

| 9 Fev 2023

Pormenor de obra de Enrique Mirones, monge do mosteiro cisterciense de Sobrado dos Monxes, na Galiza. “Acredito que mesmo quem assuma a vida como uma dádiva gratuita com um sentido inerente não terá necessariamente de recusar liminarmente a eutanásia.” Foto © Paulo Bateira, cedida pelo autor

 

Há, com certeza, várias maneiras de interpretar o significado da vida humana.

Porém, é possível simplificar este problema reduzindo as várias perspetivas a apenas dois pontos de vista. O primeiro interpreta a vida humana como uma mera ocorrência natural sem nenhum sentido especial nem nenhum desígnio particular. O segundo – no âmbito de uma visão religiosa do mundo – interpreta-a como uma dádiva divina eivada de sentido original e dirigida para um fim.

Tradicionalmente, estas duas compreensões da vida conduziram a posições opostas a respeito do problema da legalização da eutanásia. Quero, no entanto, problematizar a distância que se tem cavado entre os dois pontos de vista.

Acredito que mesmo quem assuma a vida como uma dádiva gratuita com um sentido inerente não terá necessariamente de recusar liminarmente a eutanásia. Na visão cristã tradicional, a eutanásia – tal como o suicídio – seria um ato de ingratidão face a um dom divino que urge manter e valorizar até ao último momento. A morte procurada direta ou indiretamente constituiria, portanto, uma recusa da vida que Deus pôs à disposição de cada ser humano. Constituiria, assim, um ato de oposição a essa inestimável dádiva de Deus e, portanto, à sua vontade. Sem dúvida, um pecado gravíssimo: “A eutanásia voluntária, quaisquer que sejam as formas e os motivos, é um homicídio. É gravemente contrária à dignidade da pessoa humana e ao respeito pelo Deus vivo, seu Criador.” (Catecismo da Igreja Católica, 2324)

Mas será este o único ponto de vista possível, mesmo para um crente? Não creio que o seja. Na verdade, de uma forma geral, a pessoa que prefere morrer antes de lhe sobrevir a morte natural não o faz porque rejeita a vida, mas exatamente porque rejeita a situação de morte existencial em que se encontra. O suicídio e a eutanásia não são, em geral, uma recusa da vida, mas uma recusa da forma indigna de que a vida biológica se reveste em determinado momento.

A vida humana não é apenas nem sobretudo uma questão de natureza biológica, é um problema existencial. Viver humanamente não é só nem sobretudo estar biologicamente vivo, é poder apreciar esse dom inestimável, saboreá-lo, fruir dele. Por isso, alguém pode estar biologicamente vivo, mas existencialmente morto. É essa indignidade, essa vida meramente biológica que já não vale a pena ser vivida que o requerente da eutanásia (e também o suicida) querem rejeitar. Na verdade, não é morrer que eles desejam, é viver com sentido e, uma vez que a vida biológica que lhes é concedida não lhes permite viver em sentido autenticamente humano, preferem pôr fim ao ciclo de morte com que se debatem.

Para os não crentes, aquilo que procuram é a não existência, que lhes parece mais desejável do que uma vida desprovida de todo o sentido; para os crentes, aquilo que procuram é exatamente a vida em plenitude que os espera e a libertação definitiva do sofrimento atroz – psíquico ou físico – em que se encontram, que lhes nega a possibilidade de ver na vida um conjunto de oportunidades para a realização pessoal.

Para mim que sou crente, é minha convicção de que Deus nos deu a vida e de que este dom é inestimável. Mas essa vida não é, de modo algum, um dom acabado que devemos apenas preservar sem mais. Recordemos a parábola dos talentos: o servo que fez um buraco na terra e aí escondeu o seu talento é fortemente repreendido pelo senhor por não ter posto a render o talento que lhe fora dado. A vida não é um tesouro intocável que possamos guardar em lugar seguro sem criativamente a refazermos todos os dias com as nossas decisões, as nossas opções e os nossos comportamentos. A vida é também uma responsabilidade que nos é posta nas mãos para dela fazermos o que considerarmos relevante. Foi exatamente por isso que Deus nos criou livres. Toca a cada um discernir em cada situação da vida qual a melhor opção, a que faz mais sentido para si, a que melhor serve a Vida.

A biologia é a base informe a partir da qual construímos a vida humana, construindo-nos a nós próprios a partir dos valores que considerarmos adequados. Amar a vida não é simplesmente amar a existência biológica até ao limite. É amar a vida enquanto projeto que a nossa liberdade é chamada a construir, a vida com sentido. E quando a sua degradação impede a fruição das suas potencialidades, qual a melhor resposta a dar? Não há receitas acabadas, nem decisões absolutamente boas ou absolutamente más. Toca a cada um ler a sua existência e tomar a decisão que melhor serve a Vida, sem ficar simplesmente refém daquilo que a superfície biológica lhe reserva.

É exatamente isso que faz do ser humano um ser livre: ergue-se acima do substrato biológico que lhe foi concedido, mudando-o, alterando-o, criando a partir dele novas oportunidades ou negando-o quando já não serve a plenitude de uma vida com sentido. Porque negar a vida biológica também pode significar a entrega definitiva nos braços da plenitude da Vida.

 

Jorge Paulo é católico e professor do ensino básico e secundário.

 

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança

Um ano depois do naufrágio

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança novidade

Passou precisamente um ano desde aquela trágica noite em Cutro, no sul de Itália, em que um barco que saíra da Turquia com cerca de 200 migrantes a bordo colidiu com um banco de areia a cem metros da praia. O acidente custou a vida a 94 pessoas, 35 delas crianças. “Que o Senhor nos dê a força para entender e chorar”, disse então o Papa. E das lágrimas derramadas no luto surgiu uma ideia: transformar um pedaço daquele barco, símbolo de morte, num apelo à esperança. Assim nasceu o genuflexório que esta semana foi oferecido a Francisco.

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This