Eutanásia: Para que os que não vêem, vejam…

| 18 Fev 20

Mosteiro cisterciense de Sobrado dos Monxes, na Galiza. Foto © Paulo Bateira

 

Foi elucidativo e frutuoso o diálogo entre a deputada Isabel Moreira, constitucionalista, e o padre José Nuno, porta-voz do Grupo Inter-Religioso Religiões-Saúde, levado a cabo pela TVI24, quinta-feira, 13 de Fevereiro, no Jornal das 8 (aqui um pequeno excerto; até às 20h do próximo dia 20 ainda é possível, para quem tem operador de televisão digital, ver o debate na íntegra).

Isabel Moreira limitou-se a esclarecer que esta iniciativa legislativa pretende aperfeiçoar e alargar os direitos contidos na legislação já existente, sempre no respeito pelo quadro constitucional vigente, pelo que esta iniciativa inclui um muito elevado número de “salvaguardas”, o que cria as condições para a aprovação de um dos textos mais restritivos de entre toda a legislação já aprovada em outros países.

O padre José Nuno – e retomo apenas algumas das suas últimas palavras, ditas a concluir o diálogo – enfatizou o oferecimento do sacrifício da dor (mesmo a dor atroz, insuportável) como bem civilizacional e educacional para as gerações vindouras, pois foi isso que todos herdámos da civilização humana que nos antecedeu e foi isso que nos constituiu como seres moralmente superiores (estas palavras não são citação).

José Nuno, ao cabo e ao resto, retomou o conceito de sacrifício (de cariz religioso da Antiguidade), mas como herança e legado civilizacional inegociável (porém, referendável!). Por isso, para ele, a eutanásia é um retrocesso, uma fortíssima machadada civilizacional, uma espécie de suicídio civilizacional… (Nota: estas palavras expressam apenas a forma como eu “li” e “recebi a mensagem” do padre José Nuno)

Obra de Enrique Mirones, monge do mosteiro cisterciense de Sobrado dos Monxes, na Galiza. Foto © Paulo Bateira

Teologia “estreitamente focada”

No plano teológico, considero que esta perspectiva se situa dentro do “contexto mais limitado” do próprio Antigo Testamento (AT). Nem os profetas do AT, que eram na verdade críticos de muitas práticas religiosas (“sacrifícios de vítimas inocentes aos deuses”), eram tão “estreitamente focados” na sua teologia: não criticavam apenas o culto sacrificial nos altares (a religião pela religião), mas criticavam a oferta, de vítimas expiatórias, desligada da justiça social e desligada ou indiferente à imoralidade dos comportamentos quotidianos mais banais (Oseias 6,4-11; Os 4, 8-14.18s; 6,9s; 8,5.11-14; 9,1; Amós 2,6-14). Para os Profetas, aquilo que tu fazes dentro de casa, no campo ou nas relações contratuais com os estrangeiros ou com os vencidos da guerra vale moralmente tanto como aquilo que tu realizas no “espaço sagrado” à volta dos altares… ou dentro dos templos.

Esta ideia acaba por sublinhar enfaticamente, sobretudo, o carácter expiatório e salutar do sofrimento esquecendo que foi precisamente contra a característica de “purificação” e de “reparação” sacrificial em termos abstractos, teóricos e desligada da vida relacional (social e política ou quotidiana), que Jesus se expôs e deu a sua vida. Para Jesus, muito mais do que a dimensão cultual (o “culto” que, precisamente para Jesus, ficará completamente na sombra … e que, por isso, lhe custará o epíteto de “blasfemo”; João 10, 36), ‒ previamente a tudo o que é ritual, p. ex. a Oração e o Culto (Missa e Oferendas; “os sacrifícios”) ‒ prevalece a compreensão do próximo no concreto da sua vida e a “reconciliação com o próximo” (Mateus 5, 23), ‘decretando’, assim, o relativismo total dos sacrifícios cultualistas do Templo (ao contrário daquilo que, precisamente ainda hoje, se pratica nos templos das igrejas católicas…).

Indo contra o exemplo de Jesus, São Paulo também considera o derramamento de sangue (de Cristo) ‒ ou seja, o “culto” em si ‒ um “sacrifício redencional e expiatório” (cf. Romanos 5,8; Efésios 1,7 e 2,13; Colossenses 1,20; 1Pedro 1,2.19). São Paulo prega ‒ o que, para mim, é chocante! ‒ que Cristo, pela sua morte, é a vítima imolada cujo sangue funda a Nova Aliança (1 Coríntios 11, 25), sangue através do qual são expiados todos os pecados e pelo qual (sangue) os homens se reconciliam com Deus… Esta formulação teológica, para mim, é inadmissível!

Obra de Enrique Mirones, monge do mosteiro cisterciense de Sobrado dos Monxes, na Galiza. Foto © Paulo Bateira

 

Tanto mais que Jesus diz: “Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus. Aquilo que nasce da carne é carne, e aquilo que nasce do Espírito é espírito.” (João 3, 5-6). A própria Eucaristia é-nos, domingo após domingo, apresentada como “sacrifício”, memorial vetero-testamentário, de costas completamente voltadas para o verdadeiro culto que só pode ser Amor Espiritual, e que, nos escritos joânicos, quer dizer: Vida Plena, Realização Plena da Vida que há em Nós todos, Felicidade Plena, Entrega Amorosa Plena, Espírito Pleno, Combate Pleno por causas Eternas: solidariedade, compaixão, partilha de tempo e de bens … até ao fim das nossas forças, dos nossos bens e do tempo da nossa passagem por esta Terra.

 

“Eu vim para que tenham vida…”

Em suma: para um católico (como eu) o que está em causa com o meu apoio ao “sim à descriminalização” é a realização plena de um Projecto de Vida não exclusivamente biológico, e nunca ‒ mas nunca, mesmo ‒ um esticar da “corda corporal” ao máximo, até bater todos os rankings estúpidos de resistência ao sofrimento, projecto próprio de uma mente doentia, autoflageladora, “sacrificial”… (recordo o chocante que, para mim, foi aquilo que chegaram a exigir ao quase moribundo Papa João Paulo II, arrastando-o até à janela vaticana com quilos e quilos de paramentos bordados a oiro e prata aos ombros…)

“Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (João 10, 10) – disse Jesus de Nazaré (não disse: “Vão até ao fim! Aguentem-se o melhor que puderem que depois vos compensarei…”).

Quanto aos que valorizam, sobretudo, a Vida em Cristo como “vitalidade orgânica e biológica” (um coração que ainda bate, um “EEG vivo”) ou como “princípio ontológico” (uma teoria escolástica desligada dos avanços médicos, técnicos e humanistas), aceito que se sintam desconcertados diante da eventualidade de vir a ser aprovada legislação descriminalizadora da morte assistida. O mesmo terão sentido aqueles a quem Jesus disse: “Não penseis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer a paz, mas a espada. Porque vim separar o filho do seu pai, a filha da sua mãe e a nora da sua sogra; de tal modo que os inimigos do homem serão os seus familiares.” (Mateus 10, 34-36) ou “Eu vim para proceder a um juízo de modo que os que não vêem vejam, e os que vêem fiquem cegos.” (João 9, 39)

Obra de Enrique Mirones, monge do mosteiro cisterciense de Sobrado dos Monxes, na Galiza. Foto © Paulo Bateira

 

Paulo Bateira é médico e leigo católico no Porto

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo novidade

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico novidade

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos” novidade

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco