“Praedicate evangelium” em vigor

Evangelização, lugar aos leigos e estrutura de serviço na nova Constituição da Cúria

| 5 Jun 2022

Praça de S. Pedro. Foto © Sean Ang | Unsplash

Praça de S. Pedro. Foto © Sean Ang | Unsplash

 

A constituição que regula o funcionamento da Cúria Romana, que simplifica a sua estrutura, abre a possibilidade de qualquer baptizado (homem ou mulher) dirigir um dicastério e dá prioridade absoluta à evangelização entrou em vigor neste domingo, 5 de Junho, festa litúrgica de Pentecostes, uma das mais importantes do calendário cristão e católico.

Na semana passada, quando anunciou a nomeação de novos cardeais, o Papa Francisco disse também que convocou todo o Colégio Cardinalício a Roma, para uma reunião depois do consistório destinada a debater a nova Cconstituição Praedicate evangelium (PE, “Anunciai o Evangelho”), publicada em 19 de Março último.

Na página do vaticano, o texto continua apenas disponível em italiano. O novo documento concretiza um dos projectos do actual pontificado, desenhado nas reuniões pré-conclave de 2013, quando os cardeais manifestaram o desejo de que a estrutura da Cúria fosse renovada. Esse projecto foi concretizado pelo Papa com a ajuda do conselho de cardeais por ele criado. Agora, a PE prevê que os mandatos dos responsáveis dos dicastérios (o novo nome dos organismos da Cúria, substituindo congregações e conselhos pontifícios) sejam normalmente limitados a cinco anos, só excepcionalmente renováveis, e que a lógica do seu funcionamento passe a ser mais o serviço à Igreja universal e ao mundo do que uma estrutura de governo e de poder.

A Cúria deve passar também a reflectir a necessidade de os membros da Cúria serem menos governantes tecnocratas e mais agentes de evangelização, colaboração mútua e proximidade com os que mais sofrem. Um objectivo definido logo no início do texto: “Anunciai o Evangelho: esta é a tarefa que o Senhor Jesus confiou aos seus discípulos. Este mandato constitui o primeiro serviço que a Igreja pode prestar a cada pessoa e a toda a humanidade no mundo de hoje.”

Nesse sentido, uma das mudanças mais importantes é a criação do novo Dicastério para a Evangelização, presidido directamente pelo próprio Papa e que, na lista, surge antes do Dicastério para a Doutrina da Fé. A Secretaria de Estado, mesmo se não perde importância, passa a ser definida como “secretaria papal” com a função de coadjuvar de perto o Papa, no exercício da sua missão.

O novo Dicastério para o Serviço da Caridade aparece em terceiro lugar na lista e como que substitui a actual Esmolaria Apostólica: “Partindo da opção pelos pobres, os vulneráveis e os excluídos, exerce em qualquer parte do mundo a obra de assistência e ajuda-os em nome do Romano Pontífice, o qual, nos casos de particular indigência ou de outra necessidade, disponibiliza pessoalmente as ajudas a serem destinadas.”

 

Comunhão, sinodalidade e serviço – palavras-chave
Procissão de entrada com bispos no Vaticano. Foto © Direitos Reservados

Procissão de entrada com bispos no Vaticano. Foto © Direitos Reservados

 

Comunhão, sinodalidade e serviço são palavras-chave no documento: “Esta vida de comunhão dá à Igreja a face da sinodalidade”, lê-se no texto, no qual se prevê uma estrutura composta pela Secretaria de Estado, 16 dicastérios, três organismos de justiça, seis organismos económicos, três departamentos, um registo de advogados e nove instituições ligadas à Santa Sé (entre as quais o Arquivo e a Biblioteca apostólicos, actualmente dirigidos pelo cardeal português José Tolentino Mendonça).

Por seu turno, o Dicastério para a Doutrina da Fé passa a incluir e tutelar a Comissão para a Proteção de Menores, criada em 2013, que terá autonomia de funcionamento, com um presidente e secretário nomeados pelo Papa.

Outras notas do documento são a sua proposta de uma “saudável descentralização”, sugerindo que cada bispo resolva todas as questões que não impliquem a “doutrina, disciplina e comunhão da Igreja”, e a importância da “cuidadosa atenção à escolha e formação do pessoal, bem como à organização do trabalho e ao crescimento pessoal e profissional de cada indivíduo” que trabalhe na Cúria Romana. “Integridade pessoal e profissionalismo”, bem como “vida espiritual, boa experiência pastoral, sobriedade de vida e amor pelos pobres, espírito de comunhão e serviço, competência nas matérias que lhes são confiadas e capacidade de discernir os sinais dos tempos” são características apontadas aos seus responsáveis, que devem também manifestar a “catolicidade da Igreja”, incluindo “colaboradores qualificados de diferentes culturas”.

Um livro-entrevista do cardeal Rodríguez Maradiaga, arcebispo de Tegucigalpa (Honduras) e coordenador do Conselho de Cardeais, analisa as reformas que o documento implica, os nove anos de trabalho para chegar a esta Constituição e as resistências encontradas durante a sua elaboração.

No prefácio ao livro, com o título Praedicate Evangelium – Uma nova Cúria para um novo tempo, o Papa escreve que as mudanças de estrutura são necessárias, mas “realmente importante é a renovação das mentes e dos corações das pessoas”. E esta reforma, em concreto, continua a ter o Concílio Vaticano II como “bússola”. Nas reuniões pré-conclave de 2013, lê-se ainda no texto, citado pela Ecclesia, Francisco recorda que “o futuro Papa foi fortemente convidado a implementar uma nova reforma da Cúria, vista como algo urgente e necessário”.

Sobre outra das mudanças, a do lugar da Comissão Pontifícia para a Proteção dos Menores, que passa a estar integrada no Dicastério para a Doutrina da Fé, o cardeal Sean Patrick O’Malley, que a preside, diz que “pela primeira vez, o Papa Francisco fez da tutela e protecção dos menores uma parte fundamental da estrutura do governo central da Igreja”.

O também arcebispo de Boston (EUA) entende que este é um “passo significativo para valorizar o papel e o mandato da comissão, que só pode levar a uma cultura mais forte da tutela na Cúria e em toda a Igreja”.

“Ao manter o seu estatuto de órgão separado dentro do dicastério, que tem acesso directo ao Santo Padre e com sua própria personalidade e liderança, a renovada e reconfirmada Comissão Pontifícia desempenhará um papel cada vez mais incisivo, para garantir que a Igreja seja um lugar seguro para as crianças e as pessoas vulneráveis”, diz O’Malley.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This