Ex-bispo de Pemba acusa Governo de Moçambique de o ter ameaçado de morte

| 14 Abr 21

luiz fernando lisboa, bispo de pemba, site missionarios combonianos

Luiz Fernando Lisboa, que foi bispo de Pemba. Foto © site Missionários Combonianos


O ex-bispo de Pemba (Moçambique), Luiz Fernando Lisboa, acusa o Governo de Moçambique de o ter ameaçado de expulsão, apreensão de documentos e de morte, por ter falado sobre a situação de atentados terroristas em Cabo Delgado.

Numa entrevista ao jornal italiano La Repubblica, publicada no último domingo, 11, o bispo, que em Fevereiro deixou a diocese e regressou ao Brasil por insistência do Papa, diz que o Governo negou desde o início a importância do que se passou. Quando o conflito e o perigo se tornaram evidentes, o Executivo proibiu que se falasse sobre o assunto, diz.

“Impediu que os jornalistas fizessem seu trabalho. Um repórter está desaparecido desde Abril do ano passado. Ele trabalhava para uma rádio comunitária e falava sobre a guerra. Na sua última mensagem, disse que havia sido cercado pela polícia”, recorda o bispo na entrevista. “A Igreja era a única que falava sobre a situação. E isso não agradava ao Governo. Acima de tudo, não tolerava que saíssem notícias sobre o Estado” acrescenta Luiz Fernando Lisboa.

O bispo insiste que aquele não é um conflito de matriz religioso, mas económico, no triângulo “recursos, multinacionais e guerras”. E acrescenta que “quando há um ano a Conferência Episcopal condenou o que estava a acontecer num documento, as autoridades reagiram mal, começando a jogar lama sobre mim”.

A entrevista à jornalista Raffaella Scuderi foi traduzida para o português pelo Unisinos Instituto Humanitas Unisinos, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Rio Grande do Sul, Brasil), em cuja página pode ser lida na íntegra.

 

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This