Ex-bispo de Pemba acusa Governo de Moçambique de o ter ameaçado de morte

| 14 Abr 2021

luiz fernando lisboa, bispo de pemba, site missionarios combonianos

Luiz Fernando Lisboa, que foi bispo de Pemba. Foto © site Missionários Combonianos


O ex-bispo de Pemba (Moçambique), Luiz Fernando Lisboa, acusa o Governo de Moçambique de o ter ameaçado de expulsão, apreensão de documentos e de morte, por ter falado sobre a situação de atentados terroristas em Cabo Delgado.

Numa entrevista ao jornal italiano La Repubblica, publicada no último domingo, 11, o bispo, que em Fevereiro deixou a diocese e regressou ao Brasil por insistência do Papa, diz que o Governo negou desde o início a importância do que se passou. Quando o conflito e o perigo se tornaram evidentes, o Executivo proibiu que se falasse sobre o assunto, diz.

“Impediu que os jornalistas fizessem seu trabalho. Um repórter está desaparecido desde Abril do ano passado. Ele trabalhava para uma rádio comunitária e falava sobre a guerra. Na sua última mensagem, disse que havia sido cercado pela polícia”, recorda o bispo na entrevista. “A Igreja era a única que falava sobre a situação. E isso não agradava ao Governo. Acima de tudo, não tolerava que saíssem notícias sobre o Estado” acrescenta Luiz Fernando Lisboa.

O bispo insiste que aquele não é um conflito de matriz religioso, mas económico, no triângulo “recursos, multinacionais e guerras”. E acrescenta que “quando há um ano a Conferência Episcopal condenou o que estava a acontecer num documento, as autoridades reagiram mal, começando a jogar lama sobre mim”.

A entrevista à jornalista Raffaella Scuderi foi traduzida para o português pelo Unisinos Instituto Humanitas Unisinos, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Rio Grande do Sul, Brasil), em cuja página pode ser lida na íntegra.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This