Ex-cardeal Becciu suspeito de financiar acusações contra George Pell na Austrália

| 22 Out 2020

cardeal angelo becciu, Foto Vatican Media

Mais uma suspeita recai sobre o ex-prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, Angelo Becciu. Foto: Vatican Media.

 

 

Angelo Becciu, que no passado mês de setembro foi obrigado a renunciar ao cargo de prefeito da Congregação para a Causa dos Santos e aos direitos do cardinalato, terá transferido 700 mil euros para uma conta bancária na Austrália, com a intenção de financiar o processo de acusação do cardeal George Pell por abusos sexuais.

De acordo com a agência EFE, citada pelo Religión Digital, a polícia australiana confirmou esta quarta-feira, 21, ter recebido informação da parte do organismo de controlo de delitos financeiros em relação a presumíveis transferências de fundos do Vaticano durante o julgamento contra Pell, e admitiu estar a trabalhar no caso juntamente com a Comissão Independente de Anticorrupção do estado de Victoria, onde foi julgado o ex-responsável pelas Finanças do Vaticano.

Recorde-se que Angelo Becciu é suspeito de envolvimento em diversos escândalos financeiros pela utilização indevida de fundos do Vaticano, os quais remontam a 2014, altura em que era o número dois da Secretaria de Estado. Quando, em 2016, a Secretaria para a Economia, então liderada por Pell, pediu uma auditoria externa às contas de todos os departamentos do Vaticano, esta terá sido cancelada por Becciu, sem autorização do Papa.

Foi precisamente em 2016 que surgiram as acusações que levariam George Pell a ser condenado, em 2019, a seis anos de prisão. Ao fim de 405 dias detido por alegados crimes de pedofilia, Pell acabaria, no entanto, por ser absolvido pelo Supremo Tribunal da Austrália, tendo o coletivo de juízes considerado não haver evidências suficientes que provassem a ocorrência dos crimes dos quais era acusado.

Na sua primeira grande entrevista depois de ter saído da prisão, em abril deste ano, Pell admitiu a hipótese de as acusações terem surgido para impedir que a sua luta contra a corrupção no Vaticano prosseguisse.

 

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

A “nuvem escura que nunca larga” as vítimas de abusos sexuais

338 casos já validados

A “nuvem escura que nunca larga” as vítimas de abusos sexuais novidade

17 casos já entregues ao Ministério Público, todos de padres que podem estar ainda no activo; 338 testemunhos validados, com um peso importante de situações ocorridas no confessionário. Uma maioria de vítimas que, ainda assim, continua a considerar-se como católica. Após quase seis meses de trabalho, a Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa fez um novo balanço. E apresentou três depoimentos de vítimas que querem ajudar a que outras como elas também falem e que pedem à Igreja um gesto de reparação.

Lápide gaélica foi proibida num cemitério inglês — e ganhámos uma bela canção

Novo disco dos Fontaines D.C.

Lápide gaélica foi proibida num cemitério inglês — e ganhámos uma bela canção novidade

A Igreja de Inglaterra proibiu uma inscrição em irlandês numa lápide fúnebre, em Coventry, argumentando que a frase teria de ser traduzida para inglês para que as pessoas não a confundissem com uma declaração política. A família de Margaret Keane foi para tribunal e ganhou – e os irlandeses Fontaines D.C. fizeram desta história uma belíssima canção.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This