Experimentar a comunidade

| 8 Abr 19 | Entre Margens, Últimas

Capa do livro “Padre Alberto – Testemunhos de uma voz incómoda”, editado pouco tempo depois da morte de Alberto Neto, recolhendo textos do próprio e testemunhos de quem o conhecera

“O bailado desagregador e subversivo da Festa”*

Não era só aos domingos que o meu coração batia de Alegria, também comecei a ir lá em algumas tardes da semana.

A porta era verde e não muito grande e estava quase sempre aberta. Durante a semana havia algumas atividades, mas era sobretudo a possibilidade de encontrar gente da minha idade e outros mais velhos, saboreando ideias e construindo teias de ajuda, que me fazia ir até lá.

“Ups… cheguei em cima da hora! Já não vou ter lugar sentada, mas hei de arranjar um lugar entre os amigos nas coxias e sentamo-nos no chão. Acho que vou gostar! …”

Tudo isto era a minha relação com a Capela do Rato, em Lisboa. Lá, o Padre Alberto Neto parecia não ter medo do que dizia e fazia. Dava um sentido claro e direto aos textos da Bíblia que íamos ouvindo, sabia acolher, agitar o nosso sono e fazer a Festa. Cantava-se e sentíamos como a arte andava por lá a cuidar de cada pequeno e grande detalhe.

Lá, ninguém ficava indiferente e cada um tinha o seu lugar.

A partir dali o sentido de comunidade criou em mim raízes e não mais me abandonou.

Era um lugar de encontro de jovens onde na minha envergonhada adolescência (entre 1968 e 1974) aprendi o sentido maior da pertença a uma comunidade.

Nas aulas de canto coral no liceu nunca me senti bem, mas cantar na Capela do Rato era algo que envolvia tudo e todos. Não me lembro de canção sem a participação da comunidade. De resto, toda a liturgia era cuidadosamente preparada em cada gesto para que em todos os momentos compreendêssemos o seu sentido.

As homilias, preparadas pelo Padre Alberto com um grupo de leigos falavam-nos dos textos sagrados cruzando com as realidades dos dias e iluminavam a nossa fé fazendo-a presente e atuante nas nossas vidas. A Alegria do encontro cruzava-se com a seriedade da Palavra que ouvíamos e nos chamava a atuar. Ficavam connosco palavras e gestos que falavam de um Jesus que nos acolhia, esperando sempre mais de nós.

E lembro-me como esses momentos ficavam comigo durante toda a semana como um alerta para me tornar mais atenta e responsável.

É desta Igreja e deste sentido de comunidade que sinto falta! A Igreja Católica revela hoje pouca capacidade para se renovar. Começa logo pela confiança que não sabe ter nem viver com quem a procura. Temos medo de quem? De quê?… Apesar de tudo também sou parte desta Igreja!

Mais do que nunca, precisamos hoje de uma Igreja que não ande por aí meio adormecida e que, ao contrário, esteja disponível para cuidar dos mais pobres, que não tenha medo de se questionar e de reinventar modos diversos de acolher.

O Padre Alberto foi morto quando ainda podia dar muito. A tristeza de sua falta não tem limites, mas fica a clara certeza da sua Ressurreição que sabemos presente pela sua herança nos imensos gestos de Amor que inspirou.

(*em carta de 1976 do Padre Alberto Neto)

Lisboa, 19 de março de 2019

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Um posto de saúde para os mais pobres na Praça de São Pedro

O Vaticano inaugurou um posto de saúde na Praça de São Pedro para ajudar os mais pobres e necessitados. O posto é composto por oito ambulatórios e, segundo um comunicado do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, citado pelo Vatican News, serão disponibilizadas consultas médicas com especialistas, cuidados especiais, análises clínicas e outros exames específicos.

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

As cartas de D. António Barroso…

“António Barroso e o Vaticano”, de Carlos A. Moreira de Azevedo (Edições Alethêia, 2019), revela 400 cartas inéditas, onde encontramos um retrato de corpo inteiro de uma das mais notáveis figuras da nossa história religiosa, que catalisa a rica densidade da sua época.

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Cultura e artes

O pensamento nómada do poema de Deus novidade

Uma leitura de “Uma Beleza que Nos Pertence”, de José Tolentino de Mendonça.

O aforismo, afirma Milan Kundera na sua Arte do romance (Gallimard, 1986), é “a forma poética da definição” (p. 144). Esta, prossegue o grande autor checo, envolvendo-se reflexivamente numa definição da definição, é o esforço, provisório, “fugitivo”, aberto, de dar carne de visibilidade àquelas palavras abstratas em que a nossa experiência do mundo se condensa como compreensão.

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco