Experimentar a comunidade

| 8 Abr 19 | Entre Margens, Últimas

Capa do livro “Padre Alberto – Testemunhos de uma voz incómoda”, editado pouco tempo depois da morte de Alberto Neto, recolhendo textos do próprio e testemunhos de quem o conhecera

“O bailado desagregador e subversivo da Festa”*

Não era só aos domingos que o meu coração batia de Alegria, também comecei a ir lá em algumas tardes da semana.

A porta era verde e não muito grande e estava quase sempre aberta. Durante a semana havia algumas atividades, mas era sobretudo a possibilidade de encontrar gente da minha idade e outros mais velhos, saboreando ideias e construindo teias de ajuda, que me fazia ir até lá.

“Ups… cheguei em cima da hora! Já não vou ter lugar sentada, mas hei de arranjar um lugar entre os amigos nas coxias e sentamo-nos no chão. Acho que vou gostar! …”

Tudo isto era a minha relação com a Capela do Rato, em Lisboa. Lá, o Padre Alberto Neto parecia não ter medo do que dizia e fazia. Dava um sentido claro e direto aos textos da Bíblia que íamos ouvindo, sabia acolher, agitar o nosso sono e fazer a Festa. Cantava-se e sentíamos como a arte andava por lá a cuidar de cada pequeno e grande detalhe.

Lá, ninguém ficava indiferente e cada um tinha o seu lugar.

A partir dali o sentido de comunidade criou em mim raízes e não mais me abandonou.

Era um lugar de encontro de jovens onde na minha envergonhada adolescência (entre 1968 e 1974) aprendi o sentido maior da pertença a uma comunidade.

Nas aulas de canto coral no liceu nunca me senti bem, mas cantar na Capela do Rato era algo que envolvia tudo e todos. Não me lembro de canção sem a participação da comunidade. De resto, toda a liturgia era cuidadosamente preparada em cada gesto para que em todos os momentos compreendêssemos o seu sentido.

As homilias, preparadas pelo Padre Alberto com um grupo de leigos falavam-nos dos textos sagrados cruzando com as realidades dos dias e iluminavam a nossa fé fazendo-a presente e atuante nas nossas vidas. A Alegria do encontro cruzava-se com a seriedade da Palavra que ouvíamos e nos chamava a atuar. Ficavam connosco palavras e gestos que falavam de um Jesus que nos acolhia, esperando sempre mais de nós.

E lembro-me como esses momentos ficavam comigo durante toda a semana como um alerta para me tornar mais atenta e responsável.

É desta Igreja e deste sentido de comunidade que sinto falta! A Igreja Católica revela hoje pouca capacidade para se renovar. Começa logo pela confiança que não sabe ter nem viver com quem a procura. Temos medo de quem? De quê?… Apesar de tudo também sou parte desta Igreja!

Mais do que nunca, precisamos hoje de uma Igreja que não ande por aí meio adormecida e que, ao contrário, esteja disponível para cuidar dos mais pobres, que não tenha medo de se questionar e de reinventar modos diversos de acolher.

O Padre Alberto foi morto quando ainda podia dar muito. A tristeza de sua falta não tem limites, mas fica a clara certeza da sua Ressurreição que sabemos presente pela sua herança nos imensos gestos de Amor que inspirou.

(*em carta de 1976 do Padre Alberto Neto)

Lisboa, 19 de março de 2019

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Criança no centro? novidade

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres novidade

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco