Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

| 13 Out 20

mark zuckerberg facebook, Foto Wikimedia Commons _ Anthony Quintano

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, tomou a decisão depois de ter visto “dados que mostram um aumento na violência antissemita” online. Foto © Anthony Quintano/Wikimedia Commons.

 

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: perante o crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

De acordo com Bickert, só entre abril e junho deste ano, o Facebook removeu 22 milhões de exemplos de discurso de ódio contra os judeus e baniu mais de 250 organizações antissemitas. “O anúncio de hoje marca mais um passo no nosso esforço para combater o ódio nos nossos serviços”, afirmou, citada pelo Jewish News.

Zuckerberg confessou, por seu lado, ter lutado “com a tensão entre defender a liberdade de expressão e os danos causados por minimizar ou negar o horror do Holocausto” e admitiu ter tomado a decisão depois de ter visto “dados que mostram um aumento na violência antissemita”. “Traçar a linha entre o que é e o que não é aceitável não é simples, mas perante o estado atual do mundo, acredito que este é o equilíbrio certo”, afirmou.

A partir de agora, informaram ainda os responsáveis da rede social, qualquer pessoa que efetue uma pesquisa sobre o Holocausto no Facebook será “direcionada para fontes confiáveis, de modo a obter informações fidedignas” acerca do tema.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This