Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

| 13 Out 2020

mark zuckerberg facebook, Foto Wikimedia Commons _ Anthony Quintano

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, tomou a decisão depois de ter visto “dados que mostram um aumento na violência antissemita” online. Foto © Anthony Quintano/Wikimedia Commons.

 

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: perante o crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

De acordo com Bickert, só entre abril e junho deste ano, o Facebook removeu 22 milhões de exemplos de discurso de ódio contra os judeus e baniu mais de 250 organizações antissemitas. “O anúncio de hoje marca mais um passo no nosso esforço para combater o ódio nos nossos serviços”, afirmou, citada pelo Jewish News.

Zuckerberg confessou, por seu lado, ter lutado “com a tensão entre defender a liberdade de expressão e os danos causados por minimizar ou negar o horror do Holocausto” e admitiu ter tomado a decisão depois de ter visto “dados que mostram um aumento na violência antissemita”. “Traçar a linha entre o que é e o que não é aceitável não é simples, mas perante o estado atual do mundo, acredito que este é o equilíbrio certo”, afirmou.

A partir de agora, informaram ainda os responsáveis da rede social, qualquer pessoa que efetue uma pesquisa sobre o Holocausto no Facebook será “direcionada para fontes confiáveis, de modo a obter informações fidedignas” acerca do tema.

 

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos novidade

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This