Igreja está-lhe "profundamente grata"

Acácio Catarino, o homem que colocou o bem comum acima de tudo, sempre

| 3 Set 21

acácio catarino foto direitos reservados

Acácio Catarino era um entusiasta divulgador da Doutrina Social da Igreja e sobre isso escreveu várias vezes no 7MARGENS. Foto: Direitos reservados.

 

Liderou a Cáritas Portuguesa ao longo de 17 anos, foi presidente do Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado, esteve à frente da Comissão Coordenadora Nacional das Semanas Sociais, pertenceu à Comissão Nacional Justiça e Paz e a várias instituições sem fins lucrativos e grupos de trabalho de âmbito social e cooperativo. O “currículo” de Acácio Catarino dificilmente caberia numa notícia, mas todos os cargos que desempenhou e todos os projetos que desenvolveu se poderiam resumir a uma só missão: a busca do bem comum. Faleceu esta quinta-feira, aos 86 anos, vítima de doença prolongada, tendo manifestado a intenção de doar o corpo para a investigação científica.

Uma das primeiras reações à morte de Acácio Catarino foi a do presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e da Mobilidade Humana, José Traquina, que expressou à Agência Ecclesia, em nome da Igreja Católica em Portugal, “profunda gratidão” pelo trabalho por ele realizado. “Faleceu um homem bom, que nos deixa um grande testemunho da sua dedicação à causa do bem comum, da justiça social”, afirmou o bispo de Santarém.

Também a Cáritas Portuguesa reagiu à morte de Acácio Catarino, tendo publicado no seu site uma nota de condolências em que destaca “a marca” que dele fica na história da instituição e da Igreja em Portugal. “Deixa um testemunho de grande humanismo, tendo sido uma voz de rigor e defesa determinada dos direitos humanos”, pode ler-se no texto. “Não poderemos deixar de dar Graças por tudo o que a vida de Acácio Catarino representou para a sua família e amigos, mas também para todas as organizações a quem serviu e aqueles que delas beneficiaram”, sublinha a instituição.

Acácio Catarino desempenhou diversos cargos em organismos públicos: foi secretário de Estado da População e Emprego no III Governo constitucional (liderado por Nobre da Costa, em 1978), foi presidente do Instituto do Emprego e Formação Profissional e assessor do Presidente Jorge Sampaio para os assuntos sociais.

Licenciado em Sociologia, deu aulas de Serviço Social e Desenvolvimento Local na Universidade Católica Portuguesa, de Administração Social no ex-Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa e na área do emprego e dos recursos humanos, no ISCTE.

Era um entusiasta divulgador da Doutrina Social da Igreja e sobre isso escreveu várias vezes no 7MARGENS (e sobre esse tema colaborava também com o Correio do Vouga, jornal da diocese de Aveiro). No seu último texto aqui publicado, desafiava a Igreja a colocar “em pé de igualdade” os seus três patamares de ação (interpessoal, institucional e estatal) e a apostar mais no desenvolvimento e qualificação dos grupos paroquiais de ação social, que atuam no primeiro plano, prestando cuidado direto e permanente às pessoas necessitadas.

 

“Só posso agir como cristão, como me dita a consciência”

Aristides com honras de Panteão

“Só posso agir como cristão, como me dita a consciência” novidade

Domingo, 17 de Outubro, no programa Página 2, da RTP2, António Moncada Sousa Mendes, autor do livro Aristides de Sousa Mendes – Memórias de um Neto evocou a memória do seu avô. Foi um depoimento também a referir essa perspectiva e a recordar o longo caminho de Aristides até este dia que o 7MARGENS pediu ao neto do primeiro português a ser declarado Justo Entre as Nações.

Pandemia teve impacto devastador sobre liberdade de informação

Relatório da Amnistia Internacional

Pandemia teve impacto devastador sobre liberdade de informação novidade

“Os ataques à liberdade de expressão por parte de governos, combinados com uma enchente de desinformação por todo o mundo durante a pandemia da covid-19, tiveram um impacto devastador sobre a capacidade das pessoas para acederem a informação precisa e oportuna, que as ajudasse a lidar com a crescente crise de saúde global.” A conclusão é da Amnistia Internacional.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Os dias não têm 24 horas

Os dias não têm 24 horas novidade

E se de repente nos viessem dizer que cada dia passaria a ter apenas 16 ou 17 horas? Com a falta de tempo de que sempre nos queixamos iríamos, decerto, apanhar um susto. Não saberíamos como resolver tamanho corte e, com imensa probabilidade, entraríamos em stresse, esse companheiro que nos boicota a vida num padrão que, como alguém disse, se traduz por excesso de presente.

Árvores, vigílias, música, humor… e o Presidente

Jornada Memória e Esperança de 22 a 24

Árvores, vigílias, música, humor… e o Presidente novidade

Uma exposição de cartoons, uma música para ser cantada por toda a gente, plantação de árvores a recordar as vítimas da pandemia ou a manifestar a esperança numa sociedade mais justa e solidária, vigílias cívicas ou religiosas, murais em escolas ou espaços públicos, bandas no coreto ou em praças públicas e ainda uma evocação que contará com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Estas são algumas das dezenas de iniciativas já previstas no âmbito da jornada Memória e Esperança, que decorrerá em todo o país, no próximo fim-de-semana.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This