Acnur lança apelo

Falta de recursos pode levar a cortes no apoio vital a refugiados

| 28 Out 2022

Migrantes em Beirute, no Líbano FOTO OIM Muse Mohammed

Migrantes em Beirute, no Líbano, onde “70 mil famílias de refugiados extremamente vulneráveis ​​deixaram de receber a ajuda da rede de segurança da agência”. Foto © OIM / Muse Mohammed.

 

Os cortes já começaram nos últimos meses: a falta de recursos forçou a Agência da ONU para os Refugiados, Acnur, a “reduzir programas essenciais” de muitas das operações de ajuda em curso. Esta sexta-feira, 28, o organismo anunciou que “se não conseguir pelo menos 700 milhões de dólares até ao final do ano, podem acontecer reduções catastróficas para os necessitados”.

A agência dá exemplos de consequências reais dos cortes que já aconteceram: no Uganda, que está a passar por um surto de ébola, “o Acnur não consegue adquirir sabonetes e kits de higiene suficientes para ajudar a combater a doença mortal”; no Chade, “o abastecimento de água nos campos foi cortado devido à falta de combustível”; no Líbano, “70 mil famílias de refugiados extremamente vulneráveis ​​deixaram de receber a ajuda da rede de segurança da agência”. Uma das maiores preocupações atuais são as lacunas de financiamento no Médio Oriente,  à medida que o inverno se aproxima.

O diretor da Divisão de Relações Externas do Acnur, Dominique Hyde, destaca que “as necessidades estão a aumentar devido a uma confluência de guerra e violência, assim como ventos cruzados económicos e geopolíticos”.

Embora os doadores, especialmente empresas privadas, fundações e indivíduos, tenham contribuído com níveis recorde de financiamento em 2022, os efeitos em cascata da crise na Ucrânia estão a afetar a capacidade de resposta equitativa em todo o mundo.

Hyde lembra que “as pessoas obrigadas a fugir já pagam o preço dos conflitos que devastaram as suas terras” e que o sofrimento adicional, em particular neste ano e no próximo, pode ser reduzido “com uma ação internacional rápida”.

Desde que destacou a lacuna de financiamento em 12 operações particularmente subfinanciadas no início deste ano, a agência recebeu 400 milhões de dólares adicionais. No entanto, mesmo com essa injeção de recursos, as necessidades continuam a crescer e a diferença permanece em 700 milhões de dólares (cerca de 702 milhões de euros).

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This