“Falta ousadia para debater o perfil do padre” no documento do Vaticano sobre paróquias

| 29 Jul 20

Igreja paroquial Vera-Cruz. Aveiro

Igreja paroquial da Vera-Cruz (Aveiro): Falta ousadia para enfrentar o verdadeiro problema da identidade do padre, diz o pároco. Foto: Direitos reservados

O padre João Alves, pároco da Vera-Cruz (Aveiro) considera que a instrução da Congregação para o Clero (CC) sobre as paróquias, evidencia na parte final “o real problema que a fez nascer: há falta de padres, mas temos de ter cuidado para que os leigos, diáconos e religiosos não façam o que eles fazem…”

Esta ausência “denota uma clara falta de ousadia em reflectir o verdadeiro problema: em vez de promover uma reflexão sobre o perfil do padre, encontram-se alternativas que são chamadas de atenção caducas e antigas”, incapazes de promover a “renovação pretendida”, na base do atual Código de Direito Canónico e de uma “atenção excessivamente centrada no sujeito da acção”.

O documento, que foi publicado no dia 20 de Julho, aponta objectivos de renovação missionária, mas centra-se depois em recordar um conjunto de normas jurídicas sobre vários temas ligados aos párocos e ao papel dos leigos ou outros agentes, como se desenvolve em outro texto no 7MARGENS.

Frases feitas, ausência de propostas novas, um texto que parece mais “uma instrução apologética” do que busca de novos caminhos, critica João Alves, que é também colaborador do 7MARGENS.

O pároco aveirense refere aspectos positivos que descobre no texto: “Uma boa pretensão definida no título” e o “desejo de uma conversão pastoral alinhada com o Papa Francisco, que se exprima numa atitude missionária e evangelizadora”. E recorda também vários objectivos ainda longe de serem aplicados no sentido de um trabalho conjunto. “Desde que sou padre, já na diocese de Aveiro se foram procurando alguns caminhos aqui presentes, mas que não deram resultado e houve incapacidade de nascerem/acabarem numa reflexão mais conjunta.”

Ex-reitor do Seminário de Aveiro, João Alves acrescenta a visão interessante da “atitude eclesial” e da paróquia “como comunidade de comunidades”, bem como no entendimento dela “para além do território, com uma percepção das mudanças sociais até assertiva”.

“Mas ninguém leva isto a sério”, lamenta o padre João Alves, referindo-se a realidades como a do catolicismo em Portugal. “Há quantos anos isto se reflecte e, na prática, não há ousadia para pensar um caminho de pastoral de conjunto, a fraternidade habitacional dos padres, a redistribuição do clero.” E acrescenta: “Mesmo num estilo doutrinário e canónico, sem ousadia de conversão pastoral, este texto traz ao de cima o caminho que os nossos bispos também não querem ou conseguem fazer. Vejam-se as nomeações e o puzzle que reflecte o princípio do território e do pároco-paróquia.”

Falta ainda, acrescenta o padre de Aveiro, “definir caminhos de evangelização paroquial com outras responsabilizações laicais”, e isso “não é missão desta congregação”. Aquilo que a CC podia fazer, na perspectiva do clero, “não tem a capacidade de o alcançar”.

 

Um texto “votado ao esquecimento”

“Que utilidade tem um documento que repete o que já se sabia e tão pouco sugere para uma renovação paroquial?”, perguntava também, na sua crónica desta segunda-feira, 27, no Jornal de Notícias, o padre Fernando Calado Rodrigues, da diocese de Bragança.

A instrução pouco inspira os párocos “a renovarem as paróquias”, antes se limita “quase só a sublinhar” o que é proibido. “É um documento seguro na doutrina. Contudo, pobre nas propostas (…). É um documento esquizofrénico.”

Tiago Freitas, padre de Braga e autor da tese Colégio de Paróquias – Um proto-modelo crítico para a paróquia da Europa Ocidental em tempo de mobilidade, sobre novos modelos de paróquias, afirmou por seu turno à agência Ecclesia que o novo documento do Vaticano sobre o tema é uma oportunidade perdida, falhando pela falta de atenção aos desafios da evangelização. Também para ele, “não há nada de novo senão a reafirmação de tudo o que está em vigor, neste momento”.

“Este é um documento muito técnico, muito formal”, centrado no Direito Canónico e que está votado ao esquecimento, afirma. Com um ponto de partida errado: “O Código de Direito Canónico está para ajudar a pastoral, a reflexão teológica, para dar enquadramento, estrutura sólida e jurídica. Não é para ser a bitola de como vamos fazer, como nos vamos organizar”, diz, citado pela mesma fonte.

 

Uma resposta às experiências alemãs e suíças

Tiago Freitas entende que o documento é uma “resposta clara” da Santa Sé ao que se vive neste neste momento na Alemanha, onde a Igreja Católica está a viver um Caminho Sinodal de dois anos de debates internos, que está a “assustar a Cúria Romana”. Exactamente por isso, vários bispos e outros responsáveis católcios alemães criticaram vigorosamente a instrução, como se pode ler neste outro texto.

“Não há razão objectiva para que os leigos não possam cooperar ou participar num real governo das paróquias”, considera o padre bracarense, que refere, além da Alemanha, o caso da Suíça, em que também já há equipas de leigos responsáveis por paróquias, ou mulheres com cargos de responsabilidade delegada pelo bispo. É a esses casos que este documento quer “pôr travão”.

Tiago Freitas avisa que em casos como esses “pode ser discutível se o pároco não fica transformado numa espécie de capelão ou funcionário”, o que pode colocar em causa “o múnus de pastor”, sublinha o padre Tiago Freitas. A nova instrução nem sequer tem em conta o seu próprio pressuposto, critica, que é a “transformação da sociedade e da cultura em que vivemos”, antes sublinhando o papel central do padre na paróquia.

Agora, o padre Tiago Freitas defende que a prioridade deveria ser responder ao “problema maior” das paróquias: a queda do número de cristãos e de pessoas comprometidas, projectando também os desafios do pós-pandemia.

 

Artigos relacionados

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas”

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas” novidade

Depois de terem emitido um comunicado em que diziam “esperar melhor da Europa e dos seus líderes” em relação à política de acolhimento de migrantes e refugiados, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), a Conferência das Igrejas Europeias (CEC) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) fizeram questão de entregar o texto em mãos, na passada sexta-feira, 25 de setembro, na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas. Recebidos por Vangelis Demiris, membro do gabinete da vice-presidente da comissão, Margaritis Schinas, os representantes das igrejas cristãs em todo o mundo disseram acreditar que há espaço para melhorias no novo Pacto para as Migrações e Asilo apresentado pela Comissão Eurorpeia a 23 de setembro.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

É notícia

Mais de 220 milhões de crianças são vítimas de exploração sexual

No Dia Internacional contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Pessoas, assinalado esta quarta-feira, 23 de setembro, as Missões Salesianas alertaram para o facto de existirem atualmente no mundo mais de 150 milhões de meninas e 73 milhões de rapazes vítimas de exploração sexual, ou obrigados a manter relações sexuais sem o seu consentimento. Outros dois milhões de menores são ainda vítimas de tráfico para fins de exploração sexual, de acordo com a Organização Internacional de Trabalho. Para combater esta “forma de escravidão do século XXI”, os Salesianos têm em marcha projetos de educação e prevenção em diversos países, nomeadamente na Nigéria, Índia e Gana.

Cardeal Tolentino recebe o hábito dominicano

O cardeal José Tolentino Mendonça vai receber o hábito dominicano, no próximo dia 14 de novembro, no Convento de São Domingos, em Lisboa. A iniciativa surgiu da Ordem dos Pregadores (nome pelo qual são conhecidos oficialmente os dominicanos), devido à amizade de longa data que os une ao cardeal e ao reconhecimento da sua forte identificação com o carisma dominicano. “Foi um convite que lhe fizemos e ele aceitou de imediato por se identificar com o carisma de São Domingos, e deu-se a feliz coincidência de, quando ele foi feito cardeal, ter ficado titular da igreja de São Domingos e São Sisto, em Roma. Ele próprio assumiu nesse dia a sua ligação aos Dominicanos”, recordou frei Filipe Rodrigues, mestre de noviços e dos estudantes à agência Ecclesia.

Padre polaco acusa cardeal Dziwisz de encobrir abusos de menores

O padre polaco Isakowicz-Zaleski divulgou no seu blogue pessoal a carta que terá entregue em mãos ao cardeal Stanislaw Dziwisz, arcebispo de Cracóvia, em 2012, na qual denunciava a prática de atos de pedofilia por parte de um outro padre, Jan Wodniak. Zaleski acusa Dziwisz de ter encoberto tais atos, o que o levou a traduzir a carta para italiano e enviá-la, um ano depois, diretamente à Congregação para a Doutrina da Fé, no Vaticano. Wodniak viria a ser condenado em 2014. Dziwisz diz nunca ter recebido a carta de Zaleski.

Justiça angolana encerra todos os templos da IURD no país

No mesmo fim de semana em que foram retomados os cultos religiosos em Luanda, suspensos desde março devido à pandemia de Covid-19, a justiça angolana iniciou um processo de encerramento e apreensão de todos os templos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) no país. Desde novembro do ano passado que a IURD tem estado envolvida em diversas polémicas em Angola. Em agosto, a Procuradoria-Geral da República tinha já apreendido sete templos em Luanda, no âmbito de um processo-crime por alegadas práticas dos crimes de associação criminosa, fraude fiscal e exportação ilícita de capitais.

Secretário de Estado dos EUA pressiona Vaticano para não assinar acordo com China

O secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo escreveu que a Santa Sé está a “pôr em risco” a sua autoridade moral se renovar o acordo com Pequim. “Há dois anos a Santa Sé chegou a um acordo com o Partido Comunista Chinês, na esperança de ajudar os católicos chineses. Mas o abuso dos fiéis por parte do PCC só piorou. O Vaticano estaria a arriscar a sua autoridade moral se renovasse o acordo”, escreveu Pompeo.

Entre margens

A trama invisível da cidadania e o valor de educar novidade

“Em Ersília, para estabelecer as relações que governam a vida na cidade, os habitantes estendem fios entre as esquinas das casas, brancos ou pretos ou cinzentos ou pretos e brancos, conforme assinalem relações de parentesco, permuta, autoridade, representação. Quando os fios são tantos que já não se pode passar pelo meio deles, os habitantes vão-se embora: as casas são desmontadas; só restam os fios e os suportes dos fios.”

Fátima e “Avante”

Permitam-me duas ou três reflexões, como cristão católico, sobre a polémica instalada na sociedade portuguesa, relativamente aos acontecimentos na Quinta da Atalaia e na Cova da Iria.

Rituais pós-nascimento: “Ku xlomula mamani ni ku humisa mwana”

Nas culturas bantu do sul de Moçambique, especificamente na xironga e na xitswa, após o nascimento de um bebé, a mãe e a sua criança ficam, por algum tempo, interditados do convívio com a família alargada, por se considerar que os seus corpos não se encontram fortes o suficiente para conviver com agentes impuros, sejam do ambiente poluído de fora de casa, sejam os que com eles habitam, pelo facto de viverem entre o resguardo do lar e outras actividades que realizam fora de casa.

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes.

Sete Partidas

A reunião de trabalho

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco