“Falta ousadia para debater o perfil do padre” no documento do Vaticano sobre paróquias

| 29 Jul 20

Igreja paroquial Vera-Cruz. Aveiro

Igreja paroquial da Vera-Cruz (Aveiro): Falta ousadia para enfrentar o verdadeiro problema da identidade do padre, diz o pároco. Foto: Direitos reservados

O padre João Alves, pároco da Vera-Cruz (Aveiro) considera que a instrução da Congregação para o Clero (CC) sobre as paróquias, evidencia na parte final “o real problema que a fez nascer: há falta de padres, mas temos de ter cuidado para que os leigos, diáconos e religiosos não façam o que eles fazem…”

Esta ausência “denota uma clara falta de ousadia em reflectir o verdadeiro problema: em vez de promover uma reflexão sobre o perfil do padre, encontram-se alternativas que são chamadas de atenção caducas e antigas”, incapazes de promover a “renovação pretendida”, na base do atual Código de Direito Canónico e de uma “atenção excessivamente centrada no sujeito da acção”.

O documento, que foi publicado no dia 20 de Julho, aponta objectivos de renovação missionária, mas centra-se depois em recordar um conjunto de normas jurídicas sobre vários temas ligados aos párocos e ao papel dos leigos ou outros agentes, como se desenvolve em outro texto no 7MARGENS.

Frases feitas, ausência de propostas novas, um texto que parece mais “uma instrução apologética” do que busca de novos caminhos, critica João Alves, que é também colaborador do 7MARGENS.

O pároco aveirense refere aspectos positivos que descobre no texto: “Uma boa pretensão definida no título” e o “desejo de uma conversão pastoral alinhada com o Papa Francisco, que se exprima numa atitude missionária e evangelizadora”. E recorda também vários objectivos ainda longe de serem aplicados no sentido de um trabalho conjunto. “Desde que sou padre, já na diocese de Aveiro se foram procurando alguns caminhos aqui presentes, mas que não deram resultado e houve incapacidade de nascerem/acabarem numa reflexão mais conjunta.”

Ex-reitor do Seminário de Aveiro, João Alves acrescenta a visão interessante da “atitude eclesial” e da paróquia “como comunidade de comunidades”, bem como no entendimento dela “para além do território, com uma percepção das mudanças sociais até assertiva”.

“Mas ninguém leva isto a sério”, lamenta o padre João Alves, referindo-se a realidades como a do catolicismo em Portugal. “Há quantos anos isto se reflecte e, na prática, não há ousadia para pensar um caminho de pastoral de conjunto, a fraternidade habitacional dos padres, a redistribuição do clero.” E acrescenta: “Mesmo num estilo doutrinário e canónico, sem ousadia de conversão pastoral, este texto traz ao de cima o caminho que os nossos bispos também não querem ou conseguem fazer. Vejam-se as nomeações e o puzzle que reflecte o princípio do território e do pároco-paróquia.”

Falta ainda, acrescenta o padre de Aveiro, “definir caminhos de evangelização paroquial com outras responsabilizações laicais”, e isso “não é missão desta congregação”. Aquilo que a CC podia fazer, na perspectiva do clero, “não tem a capacidade de o alcançar”.

 

Um texto “votado ao esquecimento”

“Que utilidade tem um documento que repete o que já se sabia e tão pouco sugere para uma renovação paroquial?”, perguntava também, na sua crónica desta segunda-feira, 27, no Jornal de Notícias, o padre Fernando Calado Rodrigues, da diocese de Bragança.

A instrução pouco inspira os párocos “a renovarem as paróquias”, antes se limita “quase só a sublinhar” o que é proibido. “É um documento seguro na doutrina. Contudo, pobre nas propostas (…). É um documento esquizofrénico.”

Tiago Freitas, padre de Braga e autor da tese Colégio de Paróquias – Um proto-modelo crítico para a paróquia da Europa Ocidental em tempo de mobilidade, sobre novos modelos de paróquias, afirmou por seu turno à agência Ecclesia que o novo documento do Vaticano sobre o tema é uma oportunidade perdida, falhando pela falta de atenção aos desafios da evangelização. Também para ele, “não há nada de novo senão a reafirmação de tudo o que está em vigor, neste momento”.

“Este é um documento muito técnico, muito formal”, centrado no Direito Canónico e que está votado ao esquecimento, afirma. Com um ponto de partida errado: “O Código de Direito Canónico está para ajudar a pastoral, a reflexão teológica, para dar enquadramento, estrutura sólida e jurídica. Não é para ser a bitola de como vamos fazer, como nos vamos organizar”, diz, citado pela mesma fonte.

 

Uma resposta às experiências alemãs e suíças

Tiago Freitas entende que o documento é uma “resposta clara” da Santa Sé ao que se vive neste neste momento na Alemanha, onde a Igreja Católica está a viver um Caminho Sinodal de dois anos de debates internos, que está a “assustar a Cúria Romana”. Exactamente por isso, vários bispos e outros responsáveis católcios alemães criticaram vigorosamente a instrução, como se pode ler neste outro texto.

“Não há razão objectiva para que os leigos não possam cooperar ou participar num real governo das paróquias”, considera o padre bracarense, que refere, além da Alemanha, o caso da Suíça, em que também já há equipas de leigos responsáveis por paróquias, ou mulheres com cargos de responsabilidade delegada pelo bispo. É a esses casos que este documento quer “pôr travão”.

Tiago Freitas avisa que em casos como esses “pode ser discutível se o pároco não fica transformado numa espécie de capelão ou funcionário”, o que pode colocar em causa “o múnus de pastor”, sublinha o padre Tiago Freitas. A nova instrução nem sequer tem em conta o seu próprio pressuposto, critica, que é a “transformação da sociedade e da cultura em que vivemos”, antes sublinhando o papel central do padre na paróquia.

Agora, o padre Tiago Freitas defende que a prioridade deveria ser responder ao “problema maior” das paróquias: a queda do número de cristãos e de pessoas comprometidas, projectando também os desafios do pós-pandemia.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Ciência, poesia, vítimas e consciência no Credo cristão de Niceia, que faz 1700 anos

Peter Stilwell no 7MARGENS/Antena 1

Ciência, poesia, vítimas e consciência no Credo cristão de Niceia, que faz 1700 anos novidade

“A ciência diz-nos muito sobre a realidade mas para conhecermos o que se passa no interior da consciência temos de nos abrir à dimensão da poesia, da arte e da literatura”, afirma o padre Peter Stilwell a propósito de um curso sobre os 1700 anos do Concílio de Niceia, que se assinalam em 2025.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Líder do Conselho Mundial de Igrejas com líderes políticos e religiosos na Terra Santa para fazer ouvir o apelo a “uma paz justa”

Visita termina esta quinta-feira

Líder do Conselho Mundial de Igrejas com líderes políticos e religiosos na Terra Santa para fazer ouvir o apelo a “uma paz justa”

Ao longo dos últimos seis dias, o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Jerry Pillay, empenhou-se a 100% naquela que designou de “uma missão especial”. E não é caso para menos. O líder religioso – que representa 352 igrejas protestantes, ortodoxas, anglicanas e evangélicas em todo o mundo – esteve em Israel e na Palestina, numa tentativa de “tornar mais forte” e verdadeiramente audível o apelo que há muito vem fazendo “por uma paz justa” na região.

É notícia

Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS. Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Fundação AIS

Padre haitiano morto a tiro

Um padre que dirigia um orfanato no Haiti foi morto a tiro, Andrè Sylvestre, de 70 anos de idade, foi assassinado na tarde de segunda-feira, 6 de setembro, durante uma tentativa de assalto, revelou a Fundação AIS. 

IndieLisboa

Cinema: prémio Árvore da Vida atribuído a “Sopro”

O filme “Sopro”, realizado por Pocas Pascoal, uma cineasta angolana de 58 anos, foi distinguido na segunda-feira com o prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), no final da 18.ª edição do festival de cinema independente IndieLisboa. 

Entre margens

A propósito das eleições…

A propósito das eleições… novidade

Uma das coisas boas que a revolução de 1974 nos trouxe foi a possibilidade de escolhermos os nossos representantes políticos. Para a geração dos meus pais, a revolução foi um momento intenso. Finalmente chegara a liberdade. Começaram a participar activamente na vida política, viram o fim da guerra colonial e uma descolonização tumultuosa, assistiam com interesse a debates políticos na TV, debatiam ideologias e as propostas de diferentes partidos políticos. [Texto de Marco Oliveira]

A Loucura do Bem Comum

A Loucura do Bem Comum

O auditório está quase cheio e no pequeno palco alguém inicia a conferência de abertura. Para me sentar, passo frente a quem chegou a horas e tento ser o mais discreta possível. Era o primeiro tempo do PARTIS (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) de 2024 na Fundação Gulbenkian. O tema “Modelos de escuta e participação na cultura” desafiou-me a estar e ganhei esse tempo! [Texto Ana Cordovil]

O regresso da sombra da escravidão

O regresso da sombra da escravidão

Vivemos um tempo de grande angústia e incerteza. As guerras multiplicam-se e os sinais de intolerância são cada vez mais evidentes. A fim de ser concreta também a nossa Quaresma, o primeiro passo é querer ver a realidade. O direito internacional e a dignidade humana são desprezados. [O texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Cultura e artes

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

Inaugurados dia 25

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

A comunidade cristã da Golpilheira – inserida na paróquia da Batalha – vai estar em festa no próximo domingo, 25 de fevereiro, data em que serão inaugurados e benzidos os novos vitrais e esculturas dos três videntes de Fátima que passarão a ornamentar a sua igreja principal – a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. As peças artísticas foram criadas por autores nacionais, sob a coordenação do diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.

Franz Karl Praßl em concerto

No Mosteiro de S. Vicente de Fora, em Lisboa

Franz Karl Praßl em concerto

Franz Karl Praßl, (Prassl), Professor de Canto Gregoriano do Pontificio Istituto di Musica Sacra no Vaticano, vai dar um concerto seguido de missa no Mosteiro de S. Vicente de Fora, em Lisboa. O evento está englobado num seminário que o professor austríaco está a dar aos alunos da Escola Artística do Instituto Gregoriano de Lisboa, e servirá para encerrar os trabalhos.

Sete Partidas

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This