“Falta ousadia para debater o perfil do padre” no documento do Vaticano sobre paróquias

| 29 Jul 20

Igreja paroquial Vera-Cruz. Aveiro

Igreja paroquial da Vera-Cruz (Aveiro): Falta ousadia para enfrentar o verdadeiro problema da identidade do padre, diz o pároco. Foto: Direitos reservados

O padre João Alves, pároco da Vera-Cruz (Aveiro) considera que a instrução da Congregação para o Clero (CC) sobre as paróquias, evidencia na parte final “o real problema que a fez nascer: há falta de padres, mas temos de ter cuidado para que os leigos, diáconos e religiosos não façam o que eles fazem…”

Esta ausência “denota uma clara falta de ousadia em reflectir o verdadeiro problema: em vez de promover uma reflexão sobre o perfil do padre, encontram-se alternativas que são chamadas de atenção caducas e antigas”, incapazes de promover a “renovação pretendida”, na base do atual Código de Direito Canónico e de uma “atenção excessivamente centrada no sujeito da acção”.

O documento, que foi publicado no dia 20 de Julho, aponta objectivos de renovação missionária, mas centra-se depois em recordar um conjunto de normas jurídicas sobre vários temas ligados aos párocos e ao papel dos leigos ou outros agentes, como se desenvolve em outro texto no 7MARGENS.

Frases feitas, ausência de propostas novas, um texto que parece mais “uma instrução apologética” do que busca de novos caminhos, critica João Alves, que é também colaborador do 7MARGENS.

O pároco aveirense refere aspectos positivos que descobre no texto: “Uma boa pretensão definida no título” e o “desejo de uma conversão pastoral alinhada com o Papa Francisco, que se exprima numa atitude missionária e evangelizadora”. E recorda também vários objectivos ainda longe de serem aplicados no sentido de um trabalho conjunto. “Desde que sou padre, já na diocese de Aveiro se foram procurando alguns caminhos aqui presentes, mas que não deram resultado e houve incapacidade de nascerem/acabarem numa reflexão mais conjunta.”

Ex-reitor do Seminário de Aveiro, João Alves acrescenta a visão interessante da “atitude eclesial” e da paróquia “como comunidade de comunidades”, bem como no entendimento dela “para além do território, com uma percepção das mudanças sociais até assertiva”.

“Mas ninguém leva isto a sério”, lamenta o padre João Alves, referindo-se a realidades como a do catolicismo em Portugal. “Há quantos anos isto se reflecte e, na prática, não há ousadia para pensar um caminho de pastoral de conjunto, a fraternidade habitacional dos padres, a redistribuição do clero.” E acrescenta: “Mesmo num estilo doutrinário e canónico, sem ousadia de conversão pastoral, este texto traz ao de cima o caminho que os nossos bispos também não querem ou conseguem fazer. Vejam-se as nomeações e o puzzle que reflecte o princípio do território e do pároco-paróquia.”

Falta ainda, acrescenta o padre de Aveiro, “definir caminhos de evangelização paroquial com outras responsabilizações laicais”, e isso “não é missão desta congregação”. Aquilo que a CC podia fazer, na perspectiva do clero, “não tem a capacidade de o alcançar”.

 

Um texto “votado ao esquecimento”

“Que utilidade tem um documento que repete o que já se sabia e tão pouco sugere para uma renovação paroquial?”, perguntava também, na sua crónica desta segunda-feira, 27, no Jornal de Notícias, o padre Fernando Calado Rodrigues, da diocese de Bragança.

A instrução pouco inspira os párocos “a renovarem as paróquias”, antes se limita “quase só a sublinhar” o que é proibido. “É um documento seguro na doutrina. Contudo, pobre nas propostas (…). É um documento esquizofrénico.”

Tiago Freitas, padre de Braga e autor da tese Colégio de Paróquias – Um proto-modelo crítico para a paróquia da Europa Ocidental em tempo de mobilidade, sobre novos modelos de paróquias, afirmou por seu turno à agência Ecclesia que o novo documento do Vaticano sobre o tema é uma oportunidade perdida, falhando pela falta de atenção aos desafios da evangelização. Também para ele, “não há nada de novo senão a reafirmação de tudo o que está em vigor, neste momento”.

“Este é um documento muito técnico, muito formal”, centrado no Direito Canónico e que está votado ao esquecimento, afirma. Com um ponto de partida errado: “O Código de Direito Canónico está para ajudar a pastoral, a reflexão teológica, para dar enquadramento, estrutura sólida e jurídica. Não é para ser a bitola de como vamos fazer, como nos vamos organizar”, diz, citado pela mesma fonte.

 

Uma resposta às experiências alemãs e suíças

Tiago Freitas entende que o documento é uma “resposta clara” da Santa Sé ao que se vive neste neste momento na Alemanha, onde a Igreja Católica está a viver um Caminho Sinodal de dois anos de debates internos, que está a “assustar a Cúria Romana”. Exactamente por isso, vários bispos e outros responsáveis católcios alemães criticaram vigorosamente a instrução, como se pode ler neste outro texto.

“Não há razão objectiva para que os leigos não possam cooperar ou participar num real governo das paróquias”, considera o padre bracarense, que refere, além da Alemanha, o caso da Suíça, em que também já há equipas de leigos responsáveis por paróquias, ou mulheres com cargos de responsabilidade delegada pelo bispo. É a esses casos que este documento quer “pôr travão”.

Tiago Freitas avisa que em casos como esses “pode ser discutível se o pároco não fica transformado numa espécie de capelão ou funcionário”, o que pode colocar em causa “o múnus de pastor”, sublinha o padre Tiago Freitas. A nova instrução nem sequer tem em conta o seu próprio pressuposto, critica, que é a “transformação da sociedade e da cultura em que vivemos”, antes sublinhando o papel central do padre na paróquia.

Agora, o padre Tiago Freitas defende que a prioridade deveria ser responder ao “problema maior” das paróquias: a queda do número de cristãos e de pessoas comprometidas, projectando também os desafios do pós-pandemia.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bairro é embaixador dos ODS

No Zambujal, vai nascer um mural para defender a gestão sustentável da água

O Bairro do Zambujal, localizado na freguesia de Alfragide (Amadora), está cada vez mais perto de se tornar “o primeiro bairro embaixador dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. Com cinco dos seus edifícios a servir já de tela para uma série de murais que ilustram esses mesmos objetivos, prepara-se agora para receber a próxima pintura, dedicada à defesa do “ODS 6 – Água Potável e Saneamento”. Os trabalhos iniciais foram revelados nesta sexta-feira, 22 de março, data em que se assinala o Dia Mundial da Água.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Farmácias convidam clientes a ajudar pessoas sem meios

Acesso a medicamentos

Farmácias convidam clientes a ajudar pessoas sem meios novidade

A 11ª edição da campanha solidária “Dê troco a quem precisa” está a decorrer até à próxima quarta-feira, dia 29 de maio, no âmbito do “abem:”, programa solidário da Associação Dignitude, que através desta ação pretende “apoiar os mais vulneráveis no acesso ao medicamento”.

É notícia

Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS. Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Fundação AIS

Padre haitiano morto a tiro

Um padre que dirigia um orfanato no Haiti foi morto a tiro, Andrè Sylvestre, de 70 anos de idade, foi assassinado na tarde de segunda-feira, 6 de setembro, durante uma tentativa de assalto, revelou a Fundação AIS. 

IndieLisboa

Cinema: prémio Árvore da Vida atribuído a “Sopro”

O filme “Sopro”, realizado por Pocas Pascoal, uma cineasta angolana de 58 anos, foi distinguido na segunda-feira com o prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), no final da 18.ª edição do festival de cinema independente IndieLisboa. 

Entre margens

O aumento da intimidação católica

O aumento da intimidação católica novidade

A intimidação nos meios católicos está a espalhar-se por todos os Estados Unidos da América. No exemplo mais recente, a organização Word on Fire, do bispo de Minnesota, Robert Barron, ameaçou a revista Commonweal e o teólogo Massimo Faggioli por causa de um ensaio de Faggioli, “Será que o Trumpismo vai poupar o Catolicismo?”

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

O mundo precisa

O mundo precisa

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

Cultura e artes

Uma estranha serenidade…

Uma estranha serenidade…

Talvez o leitor já tenha tido a estranha sensação de conversar com um monge e sair dessa conversação cheio de interrogações, mas também de entrar em si com o sentimento de uma estranha serenidade. Uma sensação enigmática que nos desloca da nossa condição habitual e doméstica, para um outro nível de relação com os demais, uma outra maneira de habitar o mundo e de nos sentirmos a nós próprios. [Texto de João Paulo Costa a propósito do filme de Wim Wenders Perfect Days]

“Estudar os textos antigos como quem estuda as grandes perguntas da actualidade”

Estudos de José Augusto Ramos reunidos

“Estudar os textos antigos como quem estuda as grandes perguntas da actualidade”

Estudar textos antigos “como quem estuda as grandes questões e interrogações da actualidade”. É esse o sentido dado por José Augusto Ramos, biblista e um dos grandes historiadores portugueses da Antiguidade e da História do Judaísmo, à publicação de dois volumes de estudos da sua autoria. As obras são apresentadas nesta quarta, em Lisboa.

Sete Partidas

Hospitalidade, foco e atenção

Hospitalidade, foco e atenção

Numa entrevista a Tolentino Mendonça ouvi uma palavra que, não sei bem porquê, não ouvia, ou não pensava, há muito tempo. Hospitalidade. “Modo generoso e afável de receber ou tratar alguém.” Assim diz o dicionário Priberam. A palavra ficou. Anda aqui por dentro, “da cabeça para o coração e do coração para a cabeça”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This