Abusos sexuais na Igreja

Faltam decisões, sentido de urgência e clareza, queixam-se católicos do Porto em carta aberta ao bispo

| 30 Mar 2023

Manuel Linda Foto Diocese do Porto

O bispo Manuel Linda, numa celebração na Sé do Porto, em setembro: o tema dos abusos mobiliza críticas de católicos aos bispos. Foto © João Lopes Cardoso/Diocese do Porto.

 

Um grupo de católicos da diocese do Porto escreveu uma carta aberta ao bispo da diocese, na qual tornam público o desânimo pelo que consideram as “não decisões, falta de sentido de urgência e de clareza” de Manuel Linda.

No texto, a que o 7MARGENS teve acesso, os subscritores dizem que este é um momento de “absoluta urgência”, a exigir “um grito de clareza e transparência” da parte do bispo. Recordam o afastamento preventivo de três dos sete padres cujos nomes estão na lista entregue pela Comissão Independente, mas questionam as motivações do bispo ao entregar os restantes quatro casos no Vaticano, “sem tomar qualquer decisão cautelar no plano pastoral (seja em que sentido for) e sem partilha de qualquer fundamentação”.

Lembrando que, “filial e lealmente”, estiveram próximos de D. Manuel Linda nestas “longas e dolorosas semanas”, dizem agora que não podem calar a “dor e comunhão com o sofrimento das vítimas dos abusos sexuais”, nem “o desconforto pelos sinais” da parte do bispo “que não confirmam a sintonia, nem com a urgência, nem com o consolo da clareza”.

O grupo diz-se ainda preocupado também com a maioria dos padres, que nada têm a ver com os abusos, “portadores da verdade, da justiça e da bondade de Cristo”.

Esta tomada de posição é subscrita por 441 católicos, mulheres e homens, entre os quais o enólogo e ex-atleta paralímpico Bento Amaral, o apresentador Jorge Gabriel, o chef Hélio Loureiro, o advogado João Anacoreta Correia, as médicas Edna Gonçalves e Mariana Guimarães, a economista Helena Pinto ou o arquiteto Nuno Valentim Lopes.

O tema dos abusos tem feito surgir várias iniciativas desta natureza, com a mobilização organizada e formal de fiéis a criticar a hierarquia. Em novembro de 2021, um abaixo-assinado com duas centenas e meia de subscritores terá influenciado o episcopado, que hesitava em criar uma comissão independente para estudar o abuso sexual de menores na Igreja. A comissão entraria em funções no início de 2022 e apresentou o relatório final no passado mês de fevereiro, identificando a existência de pelo menos 4815 casos de abusos entre 1950 e 2022. Depois disso, um grupo de católicos promoveu uma vigília de silêncio em diferentes pontos do país, coincidindo com o começo da Quaresma; finalmente, no início de março, uma nova carta assinada por outras duas centenas e meia de católicos e movimentos eclesiais indicava tarefas concretas que se deveriam pôr em marcha depois da publicação do relatório.

 

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé

Proposta pelo Conselho Pastoral Diocesano

Vai nascer uma “Aldeia da Esperança” nos Açores, inspirada em Taizé novidade

“Organizar uma `Aldeia da Esperança´, dirigida aos jovens, em formato de acampamento, seguindo o modelo de Taizé, a decorrer no verão, de preferência na ilha de São Jorge, no Santuário do Senhor Santo Cristo da Caldeira”: esta é uma das várias propostas feitas pelo Conselho Pastoral Diocesano de Angra – reunido em Ponta Delgada entre os dias 8 e 10 de junho – que irá passar do papel à prática.

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas”

Comissão Justiça e Paz de Braga

Lembrar Aristides de Sousa Mendes, “seguir a voz da consciência” e também hoje “salvar vidas” novidade

A Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Braga associa-se à comemoração do Dia da Consciência – que se celebra anualmente a 17 de junho em homenagem a Aristides de Sousa Mendes – através de uma mensagem que assinala a importância de, tal como fez o cônsul de Portugal em Bordéus no século passado, “seguir a voz da consciência” e assim contribuir, no tempo presente, para “salvar vidas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas

Após quatro anos de detenção

Jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas novidade

Após quatro anos de detenção, a jornalista Zhang Zhan foi libertada pelas autoridades chinesas. Numa mensagem divulgada esta terça-feira, 11 de junho, a Amnistia Internacional apela às autoridades chinesas que garantam que Zhang Zhan seja autorizada a circular livremente e a comunicar com pessoas dentro e fora da China, e ainda que ela e a sua família não fiquem sujeitas a vigilância ou assédio, devendo ter pleno acesso a tratamento médico após a sua experiência traumática.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This