Abusos sexuais na Igreja

Faltam decisões, sentido de urgência e clareza, queixam-se católicos do Porto em carta aberta ao bispo

| 30 Mar 2023

Manuel Linda Foto Diocese do Porto

O bispo Manuel Linda, numa celebração na Sé do Porto, em setembro: o tema dos abusos mobiliza críticas de católicos aos bispos. Foto © João Lopes Cardoso/Diocese do Porto.

 

Um grupo de católicos da diocese do Porto escreveu uma carta aberta ao bispo da diocese, na qual tornam público o desânimo pelo que consideram as “não decisões, falta de sentido de urgência e de clareza” de Manuel Linda.

No texto, a que o 7MARGENS teve acesso, os subscritores dizem que este é um momento de “absoluta urgência”, a exigir “um grito de clareza e transparência” da parte do bispo. Recordam o afastamento preventivo de três dos sete padres cujos nomes estão na lista entregue pela Comissão Independente, mas questionam as motivações do bispo ao entregar os restantes quatro casos no Vaticano, “sem tomar qualquer decisão cautelar no plano pastoral (seja em que sentido for) e sem partilha de qualquer fundamentação”.

Lembrando que, “filial e lealmente”, estiveram próximos de D. Manuel Linda nestas “longas e dolorosas semanas”, dizem agora que não podem calar a “dor e comunhão com o sofrimento das vítimas dos abusos sexuais”, nem “o desconforto pelos sinais” da parte do bispo “que não confirmam a sintonia, nem com a urgência, nem com o consolo da clareza”.

O grupo diz-se ainda preocupado também com a maioria dos padres, que nada têm a ver com os abusos, “portadores da verdade, da justiça e da bondade de Cristo”.

Esta tomada de posição é subscrita por 441 católicos, mulheres e homens, entre os quais o enólogo e ex-atleta paralímpico Bento Amaral, o apresentador Jorge Gabriel, o chef Hélio Loureiro, o advogado João Anacoreta Correia, as médicas Edna Gonçalves e Mariana Guimarães, a economista Helena Pinto ou o arquiteto Nuno Valentim Lopes.

O tema dos abusos tem feito surgir várias iniciativas desta natureza, com a mobilização organizada e formal de fiéis a criticar a hierarquia. Em novembro de 2021, um abaixo-assinado com duas centenas e meia de subscritores terá influenciado o episcopado, que hesitava em criar uma comissão independente para estudar o abuso sexual de menores na Igreja. A comissão entraria em funções no início de 2022 e apresentou o relatório final no passado mês de fevereiro, identificando a existência de pelo menos 4815 casos de abusos entre 1950 e 2022. Depois disso, um grupo de católicos promoveu uma vigília de silêncio em diferentes pontos do país, coincidindo com o começo da Quaresma; finalmente, no início de março, uma nova carta assinada por outras duas centenas e meia de católicos e movimentos eclesiais indicava tarefas concretas que se deveriam pôr em marcha depois da publicação do relatório.

 

“Há mais mártires hoje do que no início do cristianismo… a sua coragem é uma bênção”

Vídeo do Papa de março

“Há mais mártires hoje do que no início do cristianismo… a sua coragem é uma bênção” novidade

“Sempre haverá mártires entre nós. É o sinal de que estamos no caminho certo”, afirma o Papa Francisco na edição de março d’O Vídeo do Papa, que acaba de ser divulgada. “Uma pessoa que sabe dizia-me que há mais mártires hoje do que no início do cristianismo. A coragem dos mártires, o testemunho dos mártires, é uma bênção para todos”, acrescenta. E é por isso que pede a todos que rezem pelos novos mártires deste tempo, para que “contagiem a Igreja com a sua coragem e o seu impulso missionário”.

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém

Via Sacra ecuménica

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém novidade

A guerra em Israel prossegue e o sentimento de insegurança em Jerusalém cresce. Ainda assim, ou talvez por isso mesmo, a tradicional Via Sacra que ali se realiza anualmente por ocasião da segunda semana da Quaresma não foi cancelada. Na passada sexta-feira, 23 de fevereiro, mais de mil crianças e jovens que frequentam as escolas cristãs da cidade, acompanhados de inúmeros familiares e professores, percorreram as ruas de lenços brancos na mão, pedindo a paz para todo o mundo, e em particular para a Terra Santa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This