Famílias bahá’ís vítimas de rusgas policiais em várias cidades do Irão

| 23 Nov 2020

Comentário da representante dos bahá’ís nas Nações Unidas no Twitter: “Durante a adopção da resolução sobre a situação dos direitos humanos no Irão [na ONU], o representante iraniano afirmou que os iranianos gozam de direitos iguais. Não deve estar informado sobre a situação dos bahá’ís.”

 

Na manhã deste domingo, 22 de novembro, membros das forças de segurança iranianas realizaram rusgas em dezenas de residências de famílias bahá’ís, em várias cidades do Irão. No decorrer destas operações foram confiscados objectos pessoais, telemóveis, computadores pessoais, livros e imagens religiosas; em alguns casos os agentes levaram todo o dinheiro que encontraram e cartões de identidade nacional.

Ainda não é conhecido o motivo das rusgas. Segundo dois bahá’ís cujas residências foram revistadas, o mandado apenas especificava “revistar residência, local de trabalho e confiscar equipamentos”. Por enquanto, não há notícias de detenções, noticia o IranWire.

Alguns dos crentes bahá’ís visados nesta operação já estiveram presos no passado. É o caso de Afif Naeimi, membro do órgão dirigente dos bahá’ís no Irão, libertado em dezembro de 2018 após cumprir dez anos de prisão, e de Riaz Sobhani e Shahrokh Taef, que estiveram quatro anos na prisão de Rajaei Shahr.

Estas rusgas ocorrem num momento em que o Irão está profundamente afectado pela pandemia do coronavírus e poucos dias depois de uma subcomissão da Assembleia Geral das Nações Unidas ter aprovado uma resolução que condena as violações dos direitos humanos no Irão e apelava ao governo iraniano que garanta os direitos de todos os seus cidadãos, incluindo os que seguem a Fé Bahá’í.

A resolução pedia ao Irão que “elimine na lei e na prática […] todas as formas de discriminação baseadas em pensamento, consciência, religião ou crença, incluindo as restrições económica [e] a negação e as restrições no acesso à educação, incluindo para os membros da comunidade Bahá’í.” Também apelava ao fim de “outras violações de direitos humanos contra pessoas que pertencem a minorias religiosas reconhecidas e não reconhecidas.”

Após a aprovação da resolução, Diane Ala’i, representante da Comunidade Bahá’í internacional nas Nações Unidas em Genebra, escreveu no Twitter: “Durante a adopção da resolução sobre a situação dos direitos humanos no Irão [na ONU], o representante iraniano afirmou que os iranianos gozam de direitos iguais. Não deve estar informado sobre a situação dos bahá’ís.”

 

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos novidade

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This