Fanatismo

| 5 Jan 21

“Aqui começa o fanatismo: quando quero fazer entrar o infinito de Deus na estreiteza das minhas ideias, dos meus entusiasmos ou dos meus ódios”

 

Diante das notícias sobre o atentado terrorista na catedral de Nice, volta a surgir a perplexidade diante de uma tão chocante manifestação de ódio e desumanidade praticada em nome de Deus e de uma religião. Como é isso possível? Será isso próprio de uma religião determinada, ou da religião em geral? Não deveriam as religiões servir para a elevação moral da humanidade e a construção da paz?

Para responder a esta questão, pareceu-me de grande interesse um pequeno livro recentemente publicado, da autoria de Adrien Candiard, dominicano e professor do Instituto Dominicano de Estudos Orientais do Cairo: Du Fanatisme (Les Éditions du Cerf, 2020).

Adrien Candiard parte também (procurando dar-lhe uma explicação) de um episódio chocante: o assassinato, por suposta apostasia, de um muçulmano que desejou “boa Páscoa” aos seus amigos cristãos. Encontrou uma pretensa justificação para esse ato num teólogo muçulmano do século XIV, Ibn Taymyya, expoente da corrente hanbalista. Para esta corrente, a absoluta transcendência de Deus leva a que desconheçamos por completo a sua natureza e a que com Ele não tenhamos uma qualquer relação pessoal. O que sabemos é apenas o que Ele nos manda fazer e, por isso, podemos forçar, até com a violência, qualquer pessoa a fazer o que Ele quer. Adrian Candiard caracteriza esta visão como “agnosticismo piedoso”. Trata-se, certamente, de uma corrente marginal do islão, mas é ela que justifica a opinião desse teólogo.

Uma primeira tese central do livro é a de que o fanatismo religioso não tem a sua explicação principal na psicologia (uma doença da mente, como consideravam Voltaire e outros iluministas franceses) ou na sociologia (uma reação à privação económica e à marginalização social), mas na própria religião, como uma sua patologia.

Essa patologia pode atingir todas as religiões, incluindo a cristã, como o demonstram algumas atitudes próprias do fundamentalismo evangélico ou do integrismo católico.

Outra tese central do livro é a de que o fanatismo não corresponde a uma maior intensidade da vivência religiosa. Não é verdade que quanto mais intensa tal vivência, maior o fanatismo, a violência e a intolerância. Não se trata de viver mais radicalmente a religião, como o fizeram São Francisco de Assis, São Vicente de Paulo ou Santa Teresa de Calcutá, que não eram fanáticos, mas também não eram “moderados”. Não é a “moderação” que se contrapõe ao fanatismo (apesar de se designarem habitualmente como “moderados” os muçulmanos que rejeitam a violência e a intolerância). Pelo contrário, o fanatismo corresponde a uma postura que elimina Deus, substituindo-O por ídolos, ídolos que podem até facilmente confundir-se com Deus, porque d´Ele se aproximam, mas não são Deus. Esses ídolos preenchem o vazio da ausência de Deus. O fanatismo é uma idolatria e, por isso, um “ateísmo religioso”.

Esses ídolos que podem confundir-se com Deus, mas não são Deus, podem ser ritos, mandamentos, uma moral ou uma identidade religiosa determinada. O que caracteriza o fanatismo é a apropriação e manipulação de ídolos para servir interesses e paixões pessoais. Ao contrário desses ídolos, Deus não se deixa manipular e não pode ser instrumentalizado em função de quaisquer interesses e paixões.

Diz o autor do livro: “Aqui começa o fanatismo: quando quero fazer entrar o infinito de Deus na estreiteza das minhas ideias, dos meus entusiasmos ou dos meus ódios; quando perco de vista que Ele é maior do que eu, que Ele está para além dos combates para que O quero mobilizar, e que, pelo contrário, é a Ele que cabe conduzir-me onde Ele me quer.”

E evoca o pensamento de Blaise Pascal: “…a verdade fora da caridade não é Deus (…) é um ídolo que não deve ser amado, nem adorado.”

A solução para o fanatismo não passa por eliminar a religião. Prova-o a experiência das ideologias secularistas, que, no século XX, também deram origem a fanatismos mortíferos. O vazio de Deus pode ser preenchido por ídolos seculares: o progresso, a história, a classe, a raça, o planeta.

Sendo o fanatismo uma doença da religião, é na própria religião que pode encontrar-se o seu antídoto. Por isso, é duvidoso que os esforços de “desradicalização” dos extremistas islâmicos sejam frutíferos sem essa dimensão; é duvidoso que uma sociedade secularista contenha os instrumentos necessários para combater uma doença da religião.

O antídoto ao fanatismo passará, então por uma verdadeira conversão espiritual (que não significa mudar de religião), pelo aprofundamento da relação pessoal com Deus. No âmbito muçulmano, pela adesão a correntes abertas a essa dimensão. E também pelo diálogo inter-religioso, encarado não como ocasião de afirmação de identidades contrapostas, mas como uma ocasião de partilha de experiências de relação pessoal com Deus, Deus que não me pertence e que não posso manipular.

As teses deste livro em grande medida ajudam a explicar os fenómenos de fanatismo religioso. Mas parece-me que ainda não explicam tudo. Isto porque entre o fanatismo dos fundamentalistas evangélicos que interpretam literalmente a Bíblia, ou dos integristas católicos que absolutizam um determinado rito litúrgico, por um lado, e o fanatismo de quem pratica o terrorismo em nome de Deus, por outro lado, há uma diferença que não é apenas de grau, mas substancial. Entre esses extremos, também há o fanatismo próprio de algumas das chamadas seitas, também diferentes entre si. Essas diferenças e esses fenómenos extremos pedem ainda – no meu modesto parecer – uma mais aprofundada explicação.

 

Pedro Vaz Patto é presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, da Igreja Católica

 

Precisamos de nos ouvir (25) – Fátima Almeida: A transfiguração do Desenvolvimento

Precisamos de nos ouvir (25) – Fátima Almeida: A transfiguração do Desenvolvimento novidade

Há tempos e momentos que são mais propícios à reflexão e à interiorização, oferecendo-nos oportunidades de pensar, ou repensar, atitudes pessoais e realidades coletivas. E são estas oportunidades de refletir que, normalmente, nos abrem perspetivas de mudança, de ver novas formas de viver, de olhar novas respostas para combater injustiças, pobrezas e violações dos Direitos Humanos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net”

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net”

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a condenação de um homem ao pagamento de mais de 60 mil euros à ex-companheira pelo trabalho doméstico que esta desenvolveu ao longo de quase 30 anos de união de facto. (Público, 24-2-2021)
No acórdão, datado de 14 de Janeiro (…), o STJ refere que o exercício da actividade doméstica exclusivamente ou essencialmente por um dos membros da união de facto, sem contrapartida, “resulta num verdadeiro empobrecimento deste e a correspectiva libertação do outro membro da realização dessas tarefas”.

Breves

Comissão Europeia reduz metas da luta contra a pobreza

A Comissão Europeia (CE) reduziu o objetivo europeu quanto ao número de cidadãos que pretende tirar da pobreza daqui até 2030: a meta são agora 15 milhões no lugar dos 20 milhões que figuravam na estratégia anterior [2010-2020]. O plano de ação relativo ao Pilar dos Direitos Sociais proposto pela CE inclui ainda a “drástica redução” do número de sem-abrigo na Europa, explicou, em entrevista à agência Lusa, publicada nesta sexta-feira, dia 5 de março, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

Guardar o jardim do mundo novidade

Nestes tempos em que o início da Quaresma coincide com um estranho confinamento, explicado por uma pandemia que há um ano nos atinge e que vai afetar pelo segundo ano consecutivo a nossa Páscoa, importa recordar mais uma vez o que o Papa Francisco nos afirmou na encíclica Laudato Si’. Esta pandemia será ultrapassada, com mais ou menos esforço, mesmo que tenhamos de continuar a lidar com o vírus.

Arte de rua: amor e brilho no olhar

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

Sete Partidas

Viagem ao Sul novidade

Hoje conto-vos acerca da nossa viagem ao Sul, na semana de Acção de Graças em pleno Novembro de 2020. Um dos aspectos interessantes de viver nos Estados Unidos é a possibilidade de, sem sair das fronteiras do país, encontrarmos de tudo um pouco: desde o inverno gélido de Washington DC aos cenários verdes e húmidos da Geórgia, passando pela secura e aridez do Mississípi.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This