Fátima e “Avante”

| 27 Set 20

Começo por uma declaração de interesses: sou católico, acredito no conteúdo sobrenatural de Fátima, já fui diversas vezes a Fátima nas mais variadas circunstâncias; não sou comunista, nunca fui à Festa do Avante, contra a realização da qual aliás nada me move; sem concordar com a maior parte dos seus princípios doutrinais, considero o Partido Comunista Português como um partido importante para a vida democrática em Portugal, tal qual a concebo – e lembro sempre, a propósito, a célebre frase de Ernesto Melo Antunes no final do dia 25 de novembro de 1975.

Feita esta declaração, permitam-me duas ou três reflexões, como cristão católico, sobre a polémica instalada na sociedade portuguesa, relativamente aos acontecimentos na Quinta da Atalaia e na Cova da Iria.

Em primeiro lugar, comparar o acontecimento da Festa do Avante com uma peregrinação ao Santuário de Fátima, só pode fazer sentido para quem não conhece qualquer um dos acontecimentos.

Efetivamente, de um lado, na Quinta da Atalaia temos uma Festa, com todas as características que uma festa deve ter e bem, seja ela de caracter mais político, mais cultural, mais festivo ou uma mistura de tudo isto, que é o caso em questão. Há espetáculo, há restauração, há expressões de saudável alegria, tudo isso entrecortado por discursos mais ou menos doseados, anunciando as intenções políticas do partido organizador. Tudo correto com os pressupostos da organização e os objetivos pretendidos.

Do outro lado, na Cova da Iria, temos tão só uma cerimónia religiosa, com o recato e a intimidade que a religião deve ter e bem, mesmo quando é celebrada em coletivo. Há oração, deslocação processional com dois pontos altos, as Velas e o Adeus, meditação individual ou em grupos, intervenções que orientam a oração.

Na Quinta da Atalaia faz todo o sentido pré-definir o número das presenças, os espaços a ocupar individualmente, localizar as cadeiras. É assim que pode e deve ser num espetáculo, tendo em conta a situação pandémica que se vive no país. Já na Cova da Iria nada disto faz grande sentido sem deteriorar, diria mesmo degradar, “aquilo” para que as pessoas lá se deslocam.

Atenção para os mais distraídos: quer então dizer que Fátima pode acontecer com milhares de pessoas, sem regras, indisciplinadamente, sem sentido de responsabilidade, contrariamente ao que, e bem, aconteceu na Festa do Avante? Não! Muito pelo contrário! O que quer dizer é que Fátima NÃO pode acontecer neste 13 de Outubro, porque Fátima não cabe nas regras que seriam imprescindíveis e necessárias impor-lhe.

É de facto assim. Em 13 de setembro, um domingo, admitimos que todos fomos apanhados desprevenidos: peregrinos, fiéis, responsáveis do Santuário, autoridades, etc. Para 13 de outubro, esse argumento já não colhe. Não faz qualquer sentido “encurralar” numa plateia de cadeiras montadas, alinhadas, inamovíveis, na esplanada do Santuário da Cova da Iria ou criar qualquer outro sistema imprescindível à manutenção, disciplinada e socialmente afastada, dos peregrinos no próximo dia 13 de outubro.

Pouco me importa saber quantos campos de futebol cabem no Santuário ou se 16.000 pessoas na Quinta da Atalaia representam mais ou menos cabeças por metro quadrado do que as que, normalmente, estarão presentes no espaço disponível de Fátima numa normal peregrinação em outubro. Este campeonato das estatísticas não cabe no meu conceito de oração ao Pai. Prefiro seguir, mais uma vez, Mateus (6, 5-7):

“Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar de pé nas sinagogas [hoje igrejas] e nos cantos das ruas para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo: Já receberam a sua recompensa. Tu, porém, quando orares, entra no quarto mais secreto e, fechada a porta, reza em segredo a teu Pai, pois Ele, que vê o oculto, há de recompensar-te.

Nas vossas orações, não sejais como os gentios, que usam de vãs repetições, porque pensam que, por muito falarem, serão atendidos. Não façais como eles porque o vosso Pai celeste sabe do que necessitais antes de lho pedirdes.”

Acontece que responsáveis religiosos e autoridades civis tiveram uma reunião na passada segunda-feira, dia 21 deste mês, para definir as tais “regras de saúde pública” que permitam realizar a peregrinação do 13 de outubro deste ano atípico.

Atrevo-me a fazer uma sugestão ao cardeal António Marto, sem qualquer ilusão de que a mesma seja por ele aceite ou sequer mesmo conhecida.

Senhor cardeal: tome, por si, a iniciativa, em nome da Igreja que na sua diocese representa, de avançar com a decisão de realizar as cerimónias do 13 de outubro de 2020 na Cova da Iria sem peregrinos, nem fiéis fisicamente presentes. E como a Igreja em Portugal não dispõe de autonomia de meios de comunicação que lhe permitam tomar a decisão de proporcionar uma boa transmissão televisiva dessas cerimónias, negoceie, isso sim, com as Autoridades Civis a possibilidade dessa transmissão ser feita, ou pelo menos dos seus momentos mais significativos. Convide depois os fiéis que possam ter acesso a essas transmissões a participar de acordo com o evangelho de Mateus: “no quarto mais secreto e, fechada a porta, reza em segredo a teu Pai, pois Ele, que vê o oculto, há-de recompensar-te”.

Senhor cardeal Marto: ofereça-nos, com a sua presença solitária na esplanada do Santuário, uma réplica daquela enorme imagem dada ao mundo pelo Papa Francisco, percorrendo solitário – mas acompanhado por milhões de fiéis – debaixo de chuva, a Praça de S. Pedro, na Páscoa de 2020.

Senhor cardeal António Marto: creia que a Igreja prestará, assim, um grande serviço a este País, quase sempre de faz de conta, e terá consigo “no quarto mais secreto e, fechada a porta”, milhares de fiéis a segui-lo, rezando à “Senhora mais brilhante que o Sol” e à Jacinta e ao Francisco, vítimas da pandemia de 1918, com velas acesas à noite do dia 12 e lenços brancos no Adeus, ao final da manhã do dia 13 de outubro de 2020.

 

Fernando Gomes da Silva é engenheiro agrónomo

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Fátima entra no Inverno e mantém restrições novidade

O Santuário de Fátima anunciou que, a partir do próximo dia 1 de Novembro, domingo, entra em vigor o horário de Inverno do programa celebrativo na instituição, mantendo entretanto em vigor as regras definias pelas autoridades de saúde para o combate à pandemia.

Uma viagem global pela santidade com o padre Adelino Ascenso

Do Tibete a Varanasi e ao Líbano, do budismo ao cristianismo, passando pelo hinduísmo. Uma viagem pela santidade em tempos de globalização é o que irá propor o padre Adelino Ascenso, no âmbito do Seminário Internacional de Estudos Globais, numa sessão presencial e em vídeo.

Uma “Teo Conversa” no Facebook

A propósito da nova revista de Teologia Ad Aeternum, a área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona vai iniciar nesta quinta-feira, 29, às 22h (19h em Brasília) um conjunto de debates em vídeo, que podem ser acompanhados na respectiva página no Facebook. 

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Luto nacional a 2 de novembro, missa pelas vítimas da pandemia no dia 14

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, 22, o decreto que declara a próxima segunda-feira, 2 de novembro, dia de luto nacional “como forma de prestar homenagem a todos os falecidos, em especial às vítimas da pandemia”. No próximo dia 14 de novembro, será a vez de a Conferência Episcopal Portuguesa celebrar uma eucaristia de sufrágio pelas pessoas que já faleceram devido à covid-19 no nosso país.

Camarões: Padre jesuíta detido por fazer uma peregrinação a pé

Ludovic Lado, um padre jesuíta que se preparava para iniciar, sozinho e a pé, uma “peregrinação pela paz” entre as cidades de Japoma e Yaoundé, capital dos Camarões, foi detido pela polícia, que o acusou de estar a praticar uma “atividade ilegal na via pública”. O padre foi depois submetido a um interrogatório, onde o questionaram sobre eventuais motivações políticas e lhe perguntaram especificamente se era apoiante do líder da oposição, Maurice Kamto.

Entre margens

“Fratelli Tutti”: Corajoso apelo novidade

Paul Ricoeur distingue nesse ponto a solidariedade e o cuidado ou caridade. Se a solidariedade é necessária, não pode reduzir-se a uma mera lógica assistencial. É preciso cuidar. Se as políticas de Segurança Social têm de se aperfeiçoar, a sociedade é chamada a organizar-se para o cuidado de quem está só ou está a ficar para trás.

Este país ainda não é para velhos

A pandemia só veio tornar evidente o abandono social dos mais velhos. Colocar um familiar num lar de idosos tornou-se potencialmente perigoso, por isso há que apostar num novo modelo de respostas sociais para os seniores.

Uma espiritualidade com ou sem Deus?

Sempre que o Homem procura ser o centro-de-si-mesmo, o individualismo e o relativismo crescem gerando o autoconsumo de si mesmo. Espiritualmente, há uma espiral autocentrada presente nos livros de autoajuda e desenvolvimento pessoal, que na bondade da intenção, não têm a capacidade de ajudar a sair de um ciclo vicioso egoísta e possessivo. No vazio cabem sempre muitas coisas, mas nenhuma se encaixa verdadeiramente.

Cultura e artes

Museus do Vaticano com cursos e iniciativas online

Os Patronos de Artes dos Museus do Vaticano lançaram uma série de iniciativas e cursos em vídeo, que incluem conferências ao vivo ou uma “hora do café” de perguntas e respostas com especialistas. O objectivo é que os participantes e apoiantes dos museus permaneçam ligados durante a pandemia.

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Outono em Washington DC: cores quentes, cidade segregada

Vou jantar fora com um grupo de amigas, algo que parece impensável nos dias que correm, e fico deslumbrada com o ambiente que se vive nas ruas, deparo-me com inúmeros bancos de jardim que agora se transformaram em casa para alguém, algumas tendas de campismo montadas em Dupont Circle, a rotunda que define a fronteira invisível entre ricos e pobres.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco