Início do ano pastoral a 26 de novembro

Fátima: Nova exposição apresenta rosário como caminho para a paz

| 22 Nov 2022

nova exposicao rosarium em fatima, cartaz

A exposição estará patente no Convivium de Santo Agostinho (piso inferior da Basílica da Santíssima Trindade), até outubro de 2024. 

 

A inauguração da exposição temporária Rosarium: Alegria e Luz, Dor e Glória, que pretende apresentar o rosário como caminho para a paz, vai marcar a abertura do próximo ano pastoral no Santuário de Fátima, no sábado, 26 de novembro. A mostra, com entrada livre, permanecerá aberta aos peregrinos até outubro de 2024 e terá no dia anterior a sua primeira visita guiada pelo comissário e diretor do Museu do Santuário, Marco Daniel Duarte, com a presença de três artistas – Joana Vasconcelos, Ana Bonifácio e Ana Lima Netto.

Esta exposição acontece 20 anos depois da edição da Carta Apostólica sobre o Rosário – Rosarium Virginis Mariae –, escrita por João Paulo II, e publicada a 16 de outubro de 2002, e “tem como grande objetivo proporcionar uma reflexão sobre uma das dimensões mais estruturantes da mensagem de Fátima: rezar o terço para alcançar a paz”, explica o comissário, em declarações à Sala de Imprensa do Santuário de Fátima.

“Num mundo assolado pela guerra, o tema pareceu-nos da maior pertinência”, acrescenta Marco Daniel Duarte, sublinhando que tem também o objetivo de apresentar esta temática aos milhares de jovens que no próximo ano, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude, passarão por Fátima.

 

Arte antiga e contemporânea em diálogo

A exposição, que estará patente no Convivium de Santo Agostinho (piso inferior da Basílica da Santíssima Trindade), pretende “pôr em diálogo peças de arte antiga e de arte contemporânea”, apresentando duas obras originais criadas propositadamente para a mesma: Saltério, de Ana Bonifácio, uma peça que trabalha com terços oferecidos ao Santuário de Fátima por peregrinos anónimos; e In Paradisum, de Ana Lima-Netto, que toma o tema do Paraíso em diálogo com um Cristo Ressuscitado do século XVII e pertence à Irmandade dos Clérigos, no Porto.

Além destas peças de arte contemporânea, a exposição integra ainda mais quatro peças que pertencem ao Museu do Santuário de Fátima: Suspensão, de Joana Vasconcelos; Sinais do Presépio, de Emília Nadal; Jaz morto e arrefece o Menino de sua Mãe, de Clara Menéres; e Apanha do Maná e Última Ceia, de Rolando Sá Nogueira. Algumas destas peças estarão junto de outras mais antigas que foram cedidas pelo Tesouro da Catedral – Museu de Arte Sacra de Viseu.

Recorde-se que a obra Suspensão, de Joana Vasconcelos, surgiu no âmbito do Centenário das Aparições de Fátima, em 2017, tendo estado instalada no alto do recinto de oração entre 2017 e 2018.

Na exposição, poderão ainda ser vistos terços que pertenceram aos videntes Francisco, Jacinta e Lúcia.

“A linguagem do terço está longe de estar esgotada e, ao contrário do que à primeira vista possa parecer, coaduna-se com os valores da contemporaneidade, sobretudo no que se relaciona com os conceitos de contemplação que os tempos atuais exigem”, sublinhou ainda Marco Daniel Duarte. Segundo o comissário, esta exposição pretende “levar o visitante à contemplação dos diferentes mistérios que se meditam no rosário e à conclusão de que esses mistérios nos levam a sermos mais Humanidade”.

 

JMJ dá o mote para o tema do ano

Os Símbolos da JMJ numa praia da ilha da Madeira. Foto © JMJ Lisboa 2023

Os símbolos da JMJ numa praia da ilha da Madeira: a jornada será o pano de fundo dos temas de Fátima em 2023. Foto © JMJ Lisboa 2023

 

Também no dia 26 de novembro, pelas 15h30, no Centro Pastoral de Paulo VI, terá lugar a jornada de apresentação do tema do ano pastoral, “Maria levantou-se e partiu apressadamente (Lc 1, 39)”, a mesma citação bíblica escolhida pelo Papa Francisco como lema da XXVII Jornada Mundial da Juventude, que acontecerá, pela primeira vez, em Portugal no próximo ano.

A sessão iniciará com a intervenção do padre Carlos Cabecinhas, reitor do Santuário de Fátima, seguindo-se a apresentação do tema do ano, pelo bispo auxiliar de Lisboa e presidente da Fundação JMJ, Américo Aguiar. Pelas 16h30, o Ensemble do Serviço de Música Sacra do Santuário de Fátima protagonizará um momento musical.

Carmo Rodeia, diretora do Gabinete de Comunicação do Santuário de Fátima, fará depois a apresentação da publicação O Jornal Voz da Fátima: 100 Anos a Olhar o Mundo, um livro que surgiu no âmbito das comemorações do centenário da publicação oficial do Santuário, assinalado entre outubro de 2021 e outubro de 2022. O bispo de Leiria-Fátima, José Ornelas, fará o encerramento da sessão.

Toda a sessão será transmitida em direto na página do Santuário de Fátima e nas respetivas redes sociais.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This