Isabel do Carmo e a Jornada de Memória

Fazer o luto e renascer para a esperança e o combate pela igualdade

| 2 Jul 2021

Isabel do Carmo, uma das promotoras do documento: “As pessoas não têm dinheiro para comer e estão assustadas com o confinamento e a pandemia.” Foto © António Marujo.

 

“Pode ser simultaneamente fazer a memória dos que desapareceram, fazer o luto do seu desaparecimento, renascer para a esperança e nessa esperança estar incluída a luta pela igualdade social.” É desta forma que a médica Isabel do Carmo explica o seu envolvimento com a iniciativa da Jornada de Memória, Luto e Afirmação da Esperança, que nesta manhã de 2 de Julho é apresentada publicamente com a divulgação da declaração inicial. 

Isabel do Carmo é uma das 100 pessoas que subscreve a declaração, entre profissionais de saúde, artistas, jornalistas, professores, estudantes e mesmo cidadãos estrangeiros. O documento aponta a realização da jornada para o fim-de-semana de 22 a 24 de Outubro, contando com o alto patrocínio do Presidente da República. 

A ideia é multiplicar, por todo a país, iniciativas organizadas por grupos, associações, autarquias, escolas e outras instituições ou grupos informais da sociedade civil, suscitando a “participação de todas as pessoas e instituições que o desejarem”.

“O vírus da pandemia que assolou o mundo em 2020-21 está a ser combatido com eficácia pelas medidas sanitárias e pelas vacinas conseguidas em tempo recorde”, lê-se no texto. “O rasto deixado é de desolação: o número dos diretamente afetados caminha para os 180 milhões e, desses, perto de quatro milhões perderam a vida. Estamos perante uma tragédia de proporções avassaladoras.”

Referindo-se à importância com que encara a iniciativa, Isabel do Carmo alude, em declarações ao 7MARGENS, à “depressão mental de uma parte da população, à qual se associa a aflição económica”, provocadas pela pandemia. 

“As pessoas não têm dinheiro para comer e estão assustadas com o confinamento e a pandemia”, afirma a médica, que esteve também internada durante dez dias com covid-19, experiência sobre a qual escreveu um artigo no Público (ligação disponível só para assinantes). 

“Não podemos esquecer a experiência traumática”
covid 19 idosos ficar em casa Foto Direitos Reservados

“Não podemos fazer tábua-rasa, da experiência traumática que o último ano representou para centenas de milhares de portugueses”, diz Isabel do Carmo. Foto: Direitos Reservados.

 

“Ao olhar para a fase pós-pandemia na realidade que nos é mais próxima, não podemos esquecer, não podemos fazer tábua-rasa, da experiência traumática que o último ano representou para centenas de milhares de portugueses que viveram e vivem momentos trágicos”, diz o texto da declaração, que o 7MARGENS publica na íntegra em outro texto. 

Isabel do Carmo explica o que se passa também com o seu próprio trabalho: “No primeiro confinamento telefonei a 70 doentes e, depois de ter estado internada [em Janeiro] comecei rapidamente a ver doentes. Perguntava sempre como foi o confinamento. Estas circunstâncias propiciaram que sobretudo as mulheres fossem abaixo, que ficassem deprimidas: ficam fechadas no seu espaço doméstico, que para elas já é a mais do que os outros”. 

“É assim, não tenhamos ilusões. Pergunto sempre quem cozinha lá em casa. São as mulheres, quase sempre. E elas ficaram confinadas no seu espaço doméstico, para cozinhar, tomar conta dos filhos, em teletrabalho e, muitas vezes, em conflito conjugal e a terem de administrar esse conflito num espaço fechado”, acrescenta. 

Realidades suficientes para que se perceba que há “um espaço de depressão”, sobre o qual também é importante falar: “Convém as pessoas dizerem que sofreram, que sofremos” para lá do sofrimento e da morte que a própria doença tem provocado, diz. 

“Fazer o luto é imprescindível”, lê-se também no texto. Os gestos colectivos ajudam “a curar as feridas e a seguir em frente” e o luto comunitário é igualmente importante: há uma dimensão “comunitária do luto que não resulta apenas do somatório dos lutos individuais ou familiares” e que “precisa de ser feito, porque a tragédia que eclodiu e o trauma que ela originou são sociais e globais”. 

“Esperança e renascimento”

“Nunca fizemos o luto em relação à Guerra Colonial”, diz Isabel do Carmo. É preciso encarar “de frente a doença, a morte, o sofrimento.” (Foto: The original uploader was SGGH, English Wikipedia, free use/ Wikimedia Commons.)

Isabel do Carmo cita “um livro muito interessante” do historiador José Mattoso que leu recentemente, Os Poderes Invisíveis. “Fiquei a perceber melhor porque é que aquelas pessoas tinham medo das guerras e da morte e tinham necessidade dos poderes invisíveis e dos rituais de passagem e da morte.”

Agora “somos nós que temos de fazer isso: como nos rituais tradicionais da morte, das várias religiões do mundo, há que fazer um gesto que seja ritual, para fazermos a passagem”, encarando “de frente a doença, a morte, o sofrimento”. 

Essa passagem, acrescenta Isabel do Carmo, deve passar por uma iniciativa como esta, “de esperança e de renascimento.” A pandemia de há 100 anos, as duas grandes guerras, a Guerra Colonial deixaram feridas nem sempre saradas. “Nunca fizemos o luto em relação à Guerra Colonial, nunca fizemos o ritual de passagem, ou seja, um gesto de considerar que todas as guerras são más, que não há guerras que não sejam más e que em Portugal vivemos uma guerra.”

Por isso, é importante “chorar os mortos e construir: não há alternativa senão construir um futuro com esperança, renascer para as coisas boas da vida, que às vezes não custam dinheiro”, afirma a médica e professora da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. 

Nesta dimensão da esperança, Isabel do Carmo aponta uma urgência: afirmar a “transformação no sentido da igualdade social”. E justifica: “É insuportável que haja neste momento uma boa percentagem dos cidadãos portugueses que todos os dias tem de pensar como é que há-de comer e que tem de estender a mão a quem acuda; e estender a mão humilha, envergonha, as pessoas têm vergonha.”

“Afirmar a esperança é igualmente necessário. Esperança no reforço de relações sociais fraternas, justas e portadoras de futuro para todas e todos, conscientes do risco que existe de regresso ao velho normal”, afirma o texto. Uma esperança fundada em gestos de “solidariedade, dedicação e atenção” que se têm verificado ao longo deste ano e meio. Mas também de “não desistir de pensar um outro mundo, de questionar o modelo de sociedade centrado no ter e não no ser”, reconhecendo que “somos todos vulneráveis e interdependentes, que estamos todos no mesmo barco e que reconhecê-lo pode ajudar a superar o medo”. 

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This