Férias — a alegoria das formigas

| 6 Ago 2022

A beleza do que podemos fazer juntos. Aves. Praia. Pedra.

Dos 48 anos trabalhados (com sorte em regime comum) apenas três – três!! – são tempo de férias. Foto © António José Paulino

 

Hoje, e por estarmos no querido mês de Agosto, dou comigo a refletir sobre este lugar-comum da alegoria das formigas, que é o tempo de férias.

Por acaso até temos a sorte de viver num país cuja esperança média de vida ronda os 80 anos, o que não está nada mal; desses 80, somos forçosamente influenciados a trabalhar 48 para que possamos, pelo menos, comer migalhas nos últimos 10 ou 20; isto, claro está, se tivermos começado a trabalhar por volta dos 20. Matemáticas à parte, ou ainda não, porque me apetece lembrar que desses 48 anos trabalhados (com sorte em regime comum) apenas três – repito, três!! – são tempo de férias, descanso e lazer; quase sempre insuficiente para combater o estado exausto a que nos levam as temporadas laborais. 

Escusado será dizer que este raciocínio só se aplica a quem conseguir sobreviver a 65, ou mais, anos de planeta terra. 

* * * * * *

Não é necessária uma pesquisa muito intensa para nos darmos conta dos números anunciados nos rankings mundiais que relacionam os três factores mais gritantes da escravatura do sec. XXI: Ordenado – Carga horária – Produtividade.

Portugal continua a cair em esquemas laborais abusivos, ultrapassados e muito condenadores; que, esses sim, levam um país, um povo, uma comunidade à sua ruína.
Com uma teimosia que nos é muito característica – e tantas vezes benéfica – continuamos a não querer crescer na direcção da qualidade de vida.

Insistimos em modelos tirânicos e resistimos a mudanças práticas por mera preguiça ou cobardia.
Há infinitos relatos de gente que se apercebe deste facto nos últimos dias de vida… mas esses estão velhos, são aqueles a quem já ninguém ouve; e assim seguimos, asfixiados exatamente nas mesmas grades que os antecessores. 

Se caí em frases feitas, clichets e lugares-comuns, deixem-me dizer que era mesmo essa a intenção. 

E já agora… Boas férias!!

Ana Sofia Brito é performer e artista de rua por opção, embora também mantenha a arte de palco; frequentou o Chapitô e estudou teatro físico na Moveo, em Barcelona.

Visite o andar-modelo. Há muitos e bons livros para lembrar Abril

Três obras para ler

Visite o andar-modelo. Há muitos e bons livros para lembrar Abril novidade

Abril, livros mil é o cliché óbvio, e até preguiçoso, para o manancial de edições no mercado livreiro português sobre os 50 anos do 25 de Abril ou que, aproveitando a efeméride redonda da Revolução dos Cravos, se inscrevem na história da ditadura do Estado Novo e da democracia nascida em 1974. O 7MARGENS traz três (breves) propostas. Abril é sinónimo de diversidade e as férias podem ser ocasião para descobrir mais como se fez a democracia que vivemos há cinco décadas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jovens bahá’ís dedicam férias de verão ao serviço comunitário

De norte a sul do país

Jovens bahá’ís dedicam férias de verão ao serviço comunitário novidade

O período do verão é muitas vezes utilizado pelos jovens bahá’ís como uma oportunidade para dedicar tempo ao serviço, e este ano não está a ser diferente. A Caravana de Serviço, um projeto que reúne jovens de diversas localidades para atividades de serviço comunitário de norte a sul do país, começou com grande entusiasmo no final de junho com o evento Reconecta, realizado em Monchique, e já em julho com um  acampamento nacional, em Palmela.

Palavras violentas, consequências violentas

Palavras violentas, consequências violentas novidade

Com uma percentagem significativa do país armada, e pelo menos uma percentagem violentamente zangada, temos de concordar que a única esperança para a paz é, como se diz, “reduzir a retórica”. – A reflexão de Phyllis Zagano sobre o panorama atual nos EUA

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This