Férias — a alegoria das formigas

| 6 Ago 2022

A beleza do que podemos fazer juntos. Aves. Praia. Pedra.

Dos 48 anos trabalhados (com sorte em regime comum) apenas três – três!! – são tempo de férias. Foto © António José Paulino

 

Hoje, e por estarmos no querido mês de Agosto, dou comigo a refletir sobre este lugar-comum da alegoria das formigas, que é o tempo de férias.

Por acaso até temos a sorte de viver num país cuja esperança média de vida ronda os 80 anos, o que não está nada mal; desses 80, somos forçosamente influenciados a trabalhar 48 para que possamos, pelo menos, comer migalhas nos últimos 10 ou 20; isto, claro está, se tivermos começado a trabalhar por volta dos 20. Matemáticas à parte, ou ainda não, porque me apetece lembrar que desses 48 anos trabalhados (com sorte em regime comum) apenas três – repito, três!! – são tempo de férias, descanso e lazer; quase sempre insuficiente para combater o estado exausto a que nos levam as temporadas laborais. 

Escusado será dizer que este raciocínio só se aplica a quem conseguir sobreviver a 65, ou mais, anos de planeta terra. 

* * * * * *

Não é necessária uma pesquisa muito intensa para nos darmos conta dos números anunciados nos rankings mundiais que relacionam os três factores mais gritantes da escravatura do sec. XXI: Ordenado – Carga horária – Produtividade.

Portugal continua a cair em esquemas laborais abusivos, ultrapassados e muito condenadores; que, esses sim, levam um país, um povo, uma comunidade à sua ruína.
Com uma teimosia que nos é muito característica – e tantas vezes benéfica – continuamos a não querer crescer na direcção da qualidade de vida.

Insistimos em modelos tirânicos e resistimos a mudanças práticas por mera preguiça ou cobardia.
Há infinitos relatos de gente que se apercebe deste facto nos últimos dias de vida… mas esses estão velhos, são aqueles a quem já ninguém ouve; e assim seguimos, asfixiados exatamente nas mesmas grades que os antecessores. 

Se caí em frases feitas, clichets e lugares-comuns, deixem-me dizer que era mesmo essa a intenção. 

E já agora… Boas férias!!

Ana Sofia Brito é performer e artista de rua por opção, embora também mantenha a arte de palco; frequentou o Chapitô e estudou teatro físico na Moveo, em Barcelona.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores