Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

| 22 Jul 19 | Cultura e artes - homepage, Sem categoria, Últimas

Os dois principais protagonistas do filme de Garth Davis: “Os gestos, as expressões dos olhares, o riso e o choro são mais importantes do que as palavras.” Foto: Direitos reservados

 

No dia (22 de Julho) que a Igreja Católica consagra a Maria Madalena, vale a pena regressar ao filme realizado por Garth Davis e dedicado aquela figura bíblica. A obra, datada do ano passado (com Rooney Mara como Madalena e Joaquin Phoenix na figura de Jesus), releva a situação da mulher, no tempo em que Jesus pregava a sua mensagem junto dos “anawin”: os pecadores, os aleijados, os pobres, os impuros. Incluíam-se neste grupo as mulheres, consideradas seres inferiores, submetidas a um forte poder patriarcal: o pai; o irmão; o marido.

Maria Madalena, a protagonista do filme, juntamente com os irmãos, costumava mergulhar até ao fundo do Lago da Galileia, quando era criança. A sensação de se sentir plenamente livre, sem corpo, vivida nesse instante, nunca a abandonou. Isso é, para ela, o Reino de Deus – conceito essencial pregado por Jesus – explicado através de uma parábola aos seus ouvintes: O Reino de Deus comparado à pequeníssima semente de mostarda que uma mulher plantou no quintal e que se transforma numa árvore onde as aves fazem os ninhos.

Esta recordação surge em três momentos do filme.

Logo no início. Maria é então uma jovem de Magdala, uma povoação junto ao Lago da Galileia, que tem a intuição da presença de Deus e que aspira viver sempre no sentido do transcendente. Persiste em rejeitar o casamento que a família lhe quer impor. Finalmente, segue Jesus, o “curador” e o grupo dos discípulos, após longa resistência da família que nunca a irá compreender, pois isso significa quebrar para sempre com os laços familiares. Nunca mais será recebida pelos seus. É uma grande afronta.

O segundo momento em que se repete a recordação da infância e, em simultâneo, a audição da parábola, é na Paixão de Cristo. Jesus está crucificado e Maria, juntamente com outras mulheres, permanece ao pé da cruz. Os olhares de ambos fundem-se no mesmo ideal, na promessa que ela lhe fez – nunca o abandonar, segui-lo. Plantar a semente do Reino da misericórdia, do perdão, do amor. Maria de Magdala nasceu com esse dom. Cuidar naturalmente dos que sofrem, consolando com o olhar, com o tocar confiantes.

No fim, surge novamente em voz off a mesma parábola e o corpo mergulhado nas águas azuis do lago. Após ter visto o Senhor Jesus ressuscitado, Maria Madalena compreende, claramente, que o Reino está dentro de cada um e caberá aos discípulos continuar a missão de amor, de perdão, de misericórdia. As mulheres acompanham-na e, à frente delas, a Mãe do Senhor.

O filme parece um sonho, uma visão intemporal. Os evangelhos estão presentes, mas as cenas estão dispostas de outro modo; os actores, de várias etnias, tornam ainda mais intemporal a acção. Há um grande despojamento. Nos cenários: o lago – sereno, às vezes ouvindo-se o rumor das águas; as redes de pesca que as mulheres consertam; a aridez dos aglomerados rochosos; as casas térreas, de pedras grosseiras. Os gestos, as expressões dos olhares, o riso e o choro são mais importantes do que as palavras. O vestuário: mantos, túnicas brancas ou acinzentadas ou negras. Opondo-se a esta fluidez, o vermelho sangrento das vestes e dos próprios corpos, dos homens que sacrificam, no Templo de Jerusalém, os animais.

Índice trágico do “Cordeiro de Deus”, também ele sacrificado, ensanguentado, arrastando a trave da cruz até ao Gólgota.

Os discípulos têm noções diferentes do Reino. Judas Iscariotes – meio “alumbrado”, ingénuo, meio louco, vive obcecado pelos mortos que irão sair dos túmulos ao encontro da luz, quando o Reino acontecer, visto ter perdido a sua filhinha e a mulher. Para ele, o Mestre é um feiticeiro poderoso que, com um toque de dedos, dizima todos os inimigos. Ao ver que Jesus não avança em definitivo para a matança dos inimigos, “dá-lhe uma ajuda”. Para a maioria dos outros discípulos homens, o Reino é uma conquista do poder, coroando Jesus como o Rei Messias, misericordioso com os pobres e com todos os desgraçados, desbaratando o poder opressor dos príncipes-sacerdotes do Templo e dos Romanos, seus aliados.

Maria mantém-se de lado destas discussões, consultando Jesus com os olhos que se afasta para orar ao Pai. Exprime ao Mestre a fidelidade em segui-lo, mesmo para além da morte.

Cena do filme, com Jesus baptizando Maria Madalena: discípulos e discípulas continuarão a missão de anunciar e baptizar. Foto: Direitos reservados

 

Joaquin Phoenix, no papel de Jesus, é uma presença fortíssima. Calmo, fala do Reino e da libertação interior de cada ser humano através do amor, perdão, misericórdia. Um olhar penetrante. Abraça os corpos aleijados, retirando de si a força do amor que os faz viver e curar, ao mesmo tempo que sorri, por vê-los contentes. A reanimação de Lázaro faz delirar a população, todos gritam alegres e confiantes, irrompendo pelo átrio do Templo. Jesus permanece fora da agitação exterior, expulsando, num gesto simbólico, da casa de Deus, o dinheiro, o negócio, o poder. Sabe o que o espera.

Anteriormente, às portas de Jerusalém, doce é o encontro e os afagos da Mãe ao seu Filho. Ela sabe também o que irá acontecer.

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconas. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

A protagonista, numa outra cena do filme: “É perturbante para os discípulos homens que uma mulher seja a protagonista da Ressurreição do Senhor.” Foto: Direitos reservados

 

É perturbante para os discípulos homens que uma mulher seja a protagonista da Ressurreição do Senhor. Pedro acusa Maria: “Tu enfraqueceste-nos e enfraqueceste-o”, no momento em que esta leva aos homens a notícia de Jesus Ressuscitado. Esta ideia está mais desenvolvida no Evangelho apócrifo de Maria, datado do século II. Nesta obra, em certas passagens, há uma tensão entre Pedro e Maria de Magdala.

Colocará o filme demasiada ênfase no papel da mulher, na vida de Jesus e na sua missão? Mas não é este tema agora tão pertinente e tão urgente, na Igreja Católica?…

 

Maria Madalena


Realizador: Garth Davis. 2018, 120 min

Argumento: Helen Edmundson e Philippa Goslett

Elenco: Rooney Mara (Madalena), Joaquin Phoenix (Jesus), Chiwetel Ejiofor (Pedro) e Tahar Rahim (Judas)

 

Maria Eugénia Abrunhosa é licenciada em Românicas e professora aposentada do ensino secundário; foi monja budista zen e integrou a Comunidade Mundial de Meditação Cristã.

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Cordão humano pelo direito a horários dignos e compatíveis com vida familiar

Um cordão humano de trabalhadores do comércio e serviços manifestou-se nesta quinta-feira, 12, diante do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa, a pedir horários dignos, a conciliação entre a vida profissional e familiar e melhores salários. Na acção de sensibilização, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), filiado na CGTP-IN, os trabalhadores empunharam faixas e distribuíram panfletos contestando a “violência e desumanização dos horários de trabalho” que impedem muitos de acompanhar os filhos menores, por exemplo.

Formação sobre cuidador informal começa em Lisboa

Consciencializar todos os que se confrontam com familiares em situações limite de dependência e doença prolongada é um dos objectivos principais da formação sobre cuidadores informais promovida pela paróquia de São Lourenço de Carnide (Igreja de Nossa Senhora da Luz), que nesta quinta-feira, 12 de Dezembro, se inicia em Lisboa.

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Porque quererá alguém estudar teologia?

O livro que estamos aqui a apresentar comemora os 50 anos de uma Faculdade de Teologia, e da única que existe em Portugal. Quando li o livro achei que era uma óptima oportunidade para tornar explícitas várias perguntas. São perguntas que me parecem importantes, nomeadamente: para que serve estudar teologia? E, o que é exactamente estudar teologia? Não é preciso ser-se professor de teologia para achar estas perguntas difíceis, e aproveitar e agradecer a oportunidade de lhes tentar responder em público.

O terror nazi: “Todos devem saber tudo”

Uma notícia que li esta semana no Der Spiegel descreve cenas de puro horror. Mas o mundo não pode esquecer o que aconteceu há 75 anos num dos países mais evoluídos do mundo. Temos de saber, temos de estar bem conscientes daquilo de que podemos ser capazes quando atribuímos a pessoas de certos grupos categorias que lhes sonegam a dignidade dos humanos.

Teocracia? Não, obrigado!

Ainda estamos a tempo de aprender que nenhuma teocracia é melhor do que a outra. Não importa se é islâmica, judaica, cristã ou outra qualquer. Definitivamente, não.

Cultura e artes

Livro “A Igreja de São Cristóvão de Lisboa” recupera caso de intervenção única no património

A Igreja de São Cristóvão de Lisboa é o título do livro que será apresentado nesta sexta-feira, 13 de Dezembro, às 18h, naquela igreja da Mouraria que teve um programa de reabilitação iniciado com o projecto vencedor do Orçamento Participativo de Lisboa – um caso único de envolvimento de uma comunidade católica, artistas, investigadores e a autarquia.

Sophia lida pelos mais novos (5) – A Árvore

Uma árvore de que as pessoas gostam, que se transforma em sombra demasiada, que é cortada e partilhada, que se transforma em memória e cantiga, num barco grande ou em cerejeiras… A Árvore, um dos contos infantis de Sophia de Mello Breyner, é hoje aqui recontada com textos e ilustrações de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor (Porto). 

Joker, o desafio da diferença

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

Sete Partidas

Dos imigrantes europeus ao P. Joaquim Alves Correia, uma universidade nos EUA

A história desta Universidade americana faz-nos recuar ao fim do século XIX. Nada melhor que percorrer o seu vastíssimo campus para saber quando tudo começou. Uma enorme placa à entrada da Reitoria explica que foi fundada pelos Missionários do Espírito Santo em 1878, incorporada no Pittsburg Catholic College em 1882 e chamada ‘Duquesne University’ em 1911. A poucos metros, mesmo na entrada da Igreja da Universidade, está a estátua do seu fundador: o padre Joseph Strub, missionário alemão.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Dez
16
Seg
Cristianismo e islão: as possibilidades do diálogo – Conversa com o padre Joaquim Cerqueira Gonçalves, OFM @ Biblioteca Vítor de Sá (Sala Bib.2.7) - Universidade Lusófona
Dez 16@18:00_19:30

Encontro a pretexto dos 800 anos do encontro entre São Francisco de Assis e o Sultão Al-Kamil (1219-2019)

Dez
18
Qua
Inauguração do Memorial evocativo de Sophia de Mello Breyner Andresen, com azulejos de Menez @ Estação Marítima de Belém
Dez 18@12:00_13:00
Jan
3
Sex
Conferência sobre frei Agostinho da Cruz (1540 – 1619), pelo cardeal José Tolentino Mendonça @ Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal
Jan 3@16:30_17:30

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco