Festas e romarias, uma nova religiosidade

| 19 Set 19

Após a Páscoa e ao longo do verão, no interior do país, vive-se ao ritmo das romarias e das festas dos santos de secular devoção local. Quando, após a saída de uma grande parte da população ativa que emigrou nas décadas de 60-70 do séc. XX para a Europa, se pensava que estas festas se achavam comprometidas, surge agora a agradável surpresa de que elas aí estão de novo, embora vivenciadas de um modo diferente. Continuam a ser a “festa do povo” mas, nos últimos tempos, já com um novo figurino.

Já não predomina a tradição de agradecer ou implorar os supostos favores do santo local festejado, mas sobretudo, como divertimento popular, com as afamadas e competitivas bandas de música moderna, geralmente importadas dos grandes centros urbanos. Para trás, fica o tradicional e multifacetado folclore das antigas festas e romarias, onde toda a aldeia participava ativamente. Hoje, porém, os festejos populares são desenhados para angariar fundos financeiros, pagar aos artistas convidados os quais, nestes breves meses de verão, como cigarras, arrecadam chorudos proventos, para almofadarem os raquíticos meses da invernia de trabalho.

Se olharmos com alguma atenção para os programas das festas populares que acontecem nesta altura do ano, na esquecida e ressequida zona da Beira Baixa, na sua maioria apresentam imagens fortemente apelativas, para atrair os forasteiros a participarem na festa da sua aldeia. Os cartazes, cheios de cores fortes e imagens apelativas, incluem uma minúscula imagem do padroeiro ou do santo de devoção local. Mas lá estão numerosas e cativantes fotos de conjuntos musicais que irão animar as longas e quentes noites de festejos, num espaço devidamente valorizado, com forte luminosidade. A festa da aldeia é hoje muito valorizada se incluir artistas populares que as comissões das festas conseguem contratar para animar as populações. Como todos sabemos, ainda hoje, embora mais diluídas, não faltam as acentuadas rivalidades entre aldeias vizinhas, embora manifestadas por comportamentos mais civilizados.

Hoje, como é notório, a festa em honra do santo padroeiro vai-se transmutando em festa dos músicos que se encontram bem cotados para servirem de atração aos seus fãs. O palco onde atuam nas festas, geralmente no centro da aldeia, vai-se tornando o trono de novos santos laicos, em substituição simbólica do andor do santo festejado, em honra do qual, em princípio, se dedicava a festa estival. Este espaço funciona, embora simbolicamente, como sendo o novo templo místico e extasiante de novas religiosidades.

Face a estas novas realidades, podem percepcionar-se alguns dos novos caminhos da sempre presente e atuante religiosidade popular. Certamente, existe ainda alguma ligação das populações ao tradicional santo protetor da aldeia. Uma ou outra promessa ainda é cumprida na procissão do padroeiro. Porém, cada vez mais, o santo está a deixar de ser valorizado nos programas e nas festas. A primazia é agora deixada para os artistas populares que animam os arraiais das festas, com as suas aparelhagens ultra-sonoras.

Tentemos agora enquadrar esta nova realidade no papel da religião popular na sociedade portuguesa.

Segundo um recente estudo sobre esta temática, revelado pelo jornal Público no passado mês de agosto, 74% dos portugueses assume que a religião católica é a sua preferida e acredita na existência de um Deus, embora 12% refira que não tem qualquer religião. Quanto à frequência em cerimónias religiosas, 34% dizem que apenas frequentam a igreja em situações excecionais como casamentos, funerais, batizados e Natal.

Sobre assuntos que hoje se discutem na praça pública, os portugueses católicos são bastante liberais. Assim, 87% dos interrogados neste inquérito opinaram no sentido de que os padres católicos devem poder casar; a faculdade de as freiras poderem celebrar missa merece opinião favorável de 76% dos católicos; os casais homossexuais devem poder casar pela Igreja, na opinião de 65% dos inquiridos que se dizem católicos. Quanto aos divorciados católicos, estes deviam poder voltar a comungar, na opinião de 93% dos inquiridos.

Porém, a religiosidade popular, segundo este estudo, encontra-se hoje mais centralizada no Santuário de Fátima, onde os católicos inquiridos revelaram que já visitaram este espaço religioso e um terço destes disse mesmo já ter feito uma promessa a Nossa Senhora de Fátima, sobretudo pessoas pobres e mais idosas.

 

Florentino Beirão é professor do ensino secundário. Contacto: florentinobeirao@hotmail.com

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco