Em contraste com tensões em Bagdad

Festival católico reuniu 1700 jovens no Iraque

| 6 Set 2022

Encontro da Juventude de Ankawa festival iraque foto acn

O encontro incluiu retiros, seminários e momentos de debate, tendo havido ainda espaço para confissões, catequese e missa. Foto © ACN.

Mais de 1700 jovens participaram na semana passada num festival promovido pela Igreja Católica que se realizou perto de Erbil, no chamado Curdistão Iraquiano, divulgou a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) esta terça-feira, 6. Enquanto na capital do país se viviam dias de tensão, em Ankawa os jovens cantavam e rezavam naquele que é considerado como o maior encontro do género em todo o Médio Oriente.

O Encontro da Juventude de Ankawa, iniciativa que deu os primeiros passos em 2013,  incluiu retiros, seminários e momentos de debate, tendo havido ainda espaço para confissões, catequese e missa, onde participaram jovens oriundos das várias partes do país.

O padre Dankha Joola, vice-reitor da Universidade Católica em Erbil e um dos organizadores do festival, explicou à Fundação AIS que este evento é “fundamental” para a recuperação da Igreja no Iraque após os “tempos negros”, entre 2014 e 2016, da ocupação da Planície de Nínive, período em que os jihadistas do Daesh aterrorizaram não só as comunidades cristãs como os yasidis, duas das minorias religiosas presentes na região.

“Podemos dizer que estamos aqui, existimos, e temos um papel a desempenhar neste país, e isso é tão importante quando se pensa no quanto sofremos nos últimos anos”, afirmou o responsável. “Sim, temos problemas no nosso país, sim, temos conflitos, mas temos Jesus Cristo. Temos uma cultura única que queremos manter viva”, concluiu.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This