No Vaticano e em Roma, nos 150 anos de Perosi

Festival de música sem concertos, mas com “elevações espirituais”

| 8 Nov 2022

festival de musica e arte sacra, abril 2022, coro e orquestra da Capella Ludovicea, na basilica de sao paulo extramuros, foto Fondzaione Pro Musica e Arte Sacra

A Basílica de São Paulo extramuros será um dos “palcos” do festival. Foto © Fondazione Pro Musica e Arte Sacra.

 

A 21ª edição do Festival Internacional de Música e Arte Sacra, realiza-se, no Vaticano e em Roma, de 12 a 15 de novembro e, segundo o seu programador, Hans-Albert Courtial, presidente da Fundação Pró Música e Arte Sacra, não terá concertos, mas sim momentos de “elevação espiritual”, de acesso livre e gratuito. Obras de Lorenzo Perosi, de quem se celebram os 150 anos do nascimento, serão tocadas na abertura, já no próximo sábado.

Na apresentação do festival, Courtial disse: “Não gosto de chamar-lhes concertos, eles são autênticas ‘elevações espirituais’ de que necessitamos particularmente nestes tempos, em que muitos vivem momentos de desespero. Devemos trazer a beleza da música e de outras artes para elevar os espíritos e glorificar o Senhor”.

De acordo com a agência Vatican News, a abertura do festival terá lugar no dia 12 de novembro, às 21h, na Basílica de São Paulo extramuros, com o Ein Deutsches Requiem de Johannes Brahms interpretado pela Bamberger Symphoniker e pelo Coro da Academia Nacional de Santa Cecília, dirigidos pelo maestro checo Jakub Hrůša. Na tarde desse dia, o cardeal Angelo Comastri celebrará eucaristia na Basílica de São Pedro, recordando os 150 anos do nascimento de Lorenzo Perosi. Na ocasião, será cantada a Missa Secunda Pontificalis, o Magnificat e o Tu es Petrus do mestre de Cortona executados pelo Coro do Vicariato da Cidade do Vaticano dirigido por Temistocle Capone.

A Nona Sinfonia de Anton Bruckner será ouvida a 13 de novembro na Basílica de São Paulo extramuros, interpretada pela Bamberger Symphoniker dirigida por Hrůša. No dia 14, na Basílica de São João de Latrão, é proposta a estreia mundial em primeira execução de Vespro Universale sobre um texto do Papa Francisco, composto por Andrea Mannucci e confiado à orquestra L’Appassionata, dirigida por Claude Villaret.

O Coro e Orquestra da Capela Ludovicea e a Venerável Capela da Música Liberiana interpretam, no dia 15, na Basílica de Santa Maria Maior, o Magnificat de Johann Sebastian Bach, o Dixit Dominus de Antonio Vivaldi e Zadok the Priest de Georg Friedrich Händel, sob a direção de Ildebrando Mura.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This