Decorre até 14 de maio

Festival Internacional de Órgão em 11 igrejas de Braga

| 29 Abr 2023

Um dos grandes órgãos de tubos da Sé de Braga, na inauguração do 9o FIOB. Foto © Manuel Pinto.

Um dos grandes órgãos de tubos da Sé de Braga, na inauguração do 9.º FIOB. Foto © Manuel Pinto.

 

Abriu esta sexta-feira, 28, prolongando-se até 14 de maio, a edição de 2023 — a nona — do Festival Internacional de Órgão de Braga (FIOB), que envolve concertos em 11 igrejas da cidade. 

Com a Sé de Braga repleta de pessoas, os seus dois grandes órgãos, além de dialogarem entre si, conviveram com um outro instrumento improvável, ainda que também ele baseado no fole e no vento: a gaita. Nas teclas estiveram os organistas Arturo Barbas Sevillano, de Valencia, e Christian Sarabbia, de Arona, Italia. As gaitas foram tocadas pelo professor de gaita Cristian Silva e David Bellas, ambos da Galiza.

O festival deste ano apresenta-se como diferente ao assumir a dança como a grande interlocutora da música. “Da mais tradicional às formas renascentistas e barrocas da dança, ao som do órgão, de orquestras e de instrumentos antigos, com o movimento do som das vozes e dos corpos” — assim apresenta o mote deste ano o diretor artístico Luís Rodrigues.

Se o concerto primeiro se intitulou “baile de ventos”, os que aconteceram neste sábado, na Igreja do Salvador e na Igreja de S. Lázaro, foram, respetivamente, de diálogo com o bandolim e a música aquática de Handel, esta acompanhada pelo grupo de uma escola de dança, a Ent’Artes. Domingo, dia 30, será a vez de a Igreja de S. Vítor acolher a dança na música europeia.

Um dos grandes órgãos de tubos da Sé de Braga, na inauguração do 9o FIOB. Foto © Manuel Pinto.

Um dos grandes órgãos de tubos da Sé de Braga, na inauguração do 9.º FIOB. Foto © Manuel Pinto.

Nos fins de semana seguintes, serão os órgãos das igrejas dos Terceiros, do Pópulo e de Montariol (de 5 a 7 de maio) e as da Misericórdia, da Conceição, Santa Cruz e S. Paulo a receber os concertos seguintes.

O Festival, que tem o alto patrocínio do Presidente da República, é pretexto não apenas para ouvir música, sobretudo de órgão mas de outros instrumentos, como também para descobrir igrejas que menos conhecidas, a sua arquitetura, escultura e pintura. E foi já pretexto para o restauro de sete dos 47 órgãos existentes em igrejas da cidade, dinamizando um crescente interesse por este instrumento.

Nos templos católicos já se dançou e, como mostra um texto de João Sousa Correia, incluído no opúsculo do programa deste Festival, “a par da música, a dança é, na Sagrada Escritura, uma das formas mais sublimes de dar glória a Deus!”.

O arcebispo de Braga, José Cordeiro, disse, na receção antes do início do concerto inaugural, que o FIOB “alterou a forma como as pessoas olham para o órgão de tubos e para a sua música”.

 

 

Um dos grandes órgãos de tubos da Sé de Braga, na inauguração do 9o FIOB. Foto © Manuel Pinto.

Um dos grandes órgãos de tubos da Sé de Braga, na inauguração do 9.º FIOB. Foto © Manuel Pinto.

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This