Filhos de pescadores trazem a excelência da música filipina ao Alentejo

| 29 Jun 19

A Pundaquit Virtuosi, orquestra juvenil que pretende educar, através da música e da inovação pedagógica, as crianças cujos pais emigraram. Foto: Direitos Reservados.

 

O concerto deste sábado, 29 de Junho, do festival Terras Sem Sombra (TSS) será uma forma de tentar captar a atenção das crianças e jovens para a música erudita, para tentar contrariar o “evidente envelhecimento do público da música erudita”, como diz José António Falcão, director-geral do TSS. No Jardim Público de Ferreira do Alentejo, a partir das 21h30, o concerto As Estrelas e o Sol – Música Filipina dos Séculos XX e XXI terá em palco os Pundaquit Virtuosi, orquestra juvenil oriunda de Pundaquit (200 quilómetros a leste de Manila), sob a direcção do violinista e maestro Alfonso “Coke” Bolipata.

O grupo surge de um projecto que pretende educar, através da música e da inovação pedagógica, as crianças cujos pais emigraram. “Os filhos dos pescadores que tiveram que emigrar encontram aí uma segunda casa”, diz o texto de apresentação do TSS, podendo aceder a uma cuidada formação artística que lhes permite dominar os repertórios clássico e contemporâneo.

A vila costeira e piscatória de Pundaquit pertence ao município de San Antonio, em Zambales, província da região central da ilha de Luzon (onde também se situa a capital, Manila). Entre o Mar do Sul da China e as montanhas Zambales, o território foi atingido pela destruição causada pelas erupções do vulcão Pinatubo, o que levou muitos dos habitantes da região a emigrar.

Os Pundaquit Virtuosi incluem actualmente 28 músicos de seis gerações diferentes de artistas, alguns dos quais já desenvolvem carreiras a solo, como os violinistas Zildjian Marcos e Gabriel Mendonza.

O concerto de Ferreira do Alentejo apresentará uma panorâmica da música nas Filipinas, desde a tradição poética dos inícios do século XX até à criação mais avançada dos nossos dias. Inserido nas comemorações do 121.º aniversário da proclamação da República das Filipinas, o concerto terá várias actividades paralelas como jogos de tabuleiro tradicionais, como sungka e dama, experimentação de yo-yos (brinquedos originários das Filipinas e que serviam inicialmente como armas) e um “mercadinho” de especialidades da gastronomia e do artesanato daquele país.

Artigos relacionados

Diários de quarentena (14): Tudo ao contrário? Em tempos de “des-samaritanização”

Diários de quarentena (14): Tudo ao contrário? Em tempos de “des-samaritanização” novidade

A ação social básica, própria das relações de família, vizinhança e amizade, tem sido bastante descurada: ao longo da história, relevaram-se mais as diferentes instituições que foram sendo criadas, seguindo-se-lhes a consagração e desenvolvimento do Estado social. Deste modo, o patamar básico da ação social foi menosprezado, a favor do intermédio, ou institucional, e do estatal.

Apoie o 7 Margens

Breves

Governo português decreta que imigrantes passam a estar em situação regular novidade

O Governo português decretou que, a partir de 18 de Março (dia da declaração do Estado de Emergência Nacional), todos os imigrantes e requerentes de asilo que tivessem pedidos de autorização de residência pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) passam a estar em situação regular, com os mesmos direitos que todos os outros cidadãos, incluindo nos apoios sociais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Apesar de tudo, a liberdade

Sinto a doença à minha volta e à volta dos meus. E, nesta reclusão involuntária, lembro-me de Trujillo e de suas altas torres. Não de todas, mas de uma que, na sua delgada altivez, se assumiu como mirante.

Uma experiência de sinodalidade – a Igreja Católica no Terceiro Milénio

Há dias, chamou-me à atenção, no 7MARGENS, um artigo intitulado Um sínodo sobre a sinodalidade para dar eficácia à ideia de participação. Li o artigo com entusiasmo, sobretudo, porque revivi a minha experiência de paroquiana numa igreja da cidade de Lisboa. Foram tempos de Alegria e Graça, os anos de 2000 a 2019, sob a “batuta” do padre e cónego Carlos Paes.

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo novidade

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

“Louvor da Terra”, um jardim para cuidar

O filósofo sul-coreano (radicado na Alemanha) Byung-Chul Han é já conhecido do público português através da publicação de numerosos dos seus diretos e incisivos ensaios, onde a presença da pessoa numa sociedade híper-digitalizada é refletida e colocada em questão. Agora, em “Louvor da Terra”, possibilita-nos uma abordagem diferente e original, fruto da experiência do autor com o trabalho de jardinagem.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco