Filmar o desejo como quem pinta

| 12 Jul 20

Cinema; Filme Retrtao da rapariga em chamas

 

Passada a quarentena, foi este o primeiro filme que vi em sala, de máscara como manda a lei: Retrato da Rapariga em Chamas.

É um filme magnificamente feminino que coloca ao espectador – talvez ainda mais ao espectador crente – algumas questões que dão que pensar. Penso que não é um filme ideológico a fazer a apologia da homossexualidade feminina ou do aborto, mas um retrato sofrido, sobretudo das três protagonistas.

Tirando aqueles que levam o barco e um deles que vai buscar as coisas já no fim, os homens estão fisicamente ausentes do filme, se bem que a sua sombra esteja sempre presente. Está “presente” aquele que a mãe deseja para casar com a sua filha, Héloïse; está “presente” aquele que engravidou Sophie, a criada da casa; está “presente” o pai de Marianne, um pintor reconhecido e ao nome do qual ela vai recorrer para conseguir expor o seu quadro de Orfeu e Eurídice.

De facto, Marianne é uma pintora, contratada para fazer o retrato de Heloïse. É já uma segunda tentativa, uma vez que o primeiro pintor não tinha sido capaz de a pintar, porque ela se recusava a posar. A sua irmã mais velha, que ia casar, tinha-se suicidado, e Heloïse teve de deixar o mosteiro onde estava para aceitar, contrariada, esse casamento no lugar da irmã. Para a mãe, viúva, esse casamento era obrigatório, certamente para garantir o futuro sustento e situação social.

Marianne chega então, de barco, à ilha. E chega à casa onde é recebida por Sophie que lhe indica o “quarto” onde vai ficar, de maneira quase mecânica. A casa parece desabitada. Só ao outro dia conheceremos a mãe e, mais tarde, a que há-de ser retratada. Marianne tem uma tarefa dificílima. Uma vez que Heloïse se recusa a posar, ela tem de fazer de conta que é apenas uma dama de companhia, ao mesmo tempo que tem de ir fixando as suas feições para tentar, à noite e em segredo, fazer o retrato.

Desde cedo se percebe a cumplicidade e confiança – afinal, o amor – que vai crescendo entre as duas mulheres. Por isso, o filme é um caminho acidentado de desvelação de cada uma delas. As duas vão acabar por ajudarem-se a encontrar o seu “destino”: Heloïse casará e terá mesmo uma filha, e Marianne verá um seu quadro exposto numa grande exposição, reconhecida no seu talento, ainda que tenha de usar o nome do pai. Estamos em França, no século XVIII, antes da Revolução, e as mulheres pintoras ainda não podiam tratar certos temas nem eram reconhecidas.

Uma personagem importante é também a criada Sophie que é como que o terceiro vértice do triângulo de amor, amizade, cumplicidade, alegria e solidariedade feminina – sororidade – que se vai desenhar naquela casa e naquelas vidas. E quando Sophie precisar de recorrer a uma mulher para abortar, Heloïse e Marianne estarão ao seu lado para a acompanhar. E sendo um momento de morte, essa cena, intensa e forte, é também uma metáfora poderosa a lembrar-nos como uma mãe deseja sempre a vida.

Não sei se é um filme “recomendável”. Repito apenas que é um filme magnificamente feminino, a começar pela realizadora – Céline Sciamma – que não esconde esse seu olhar e nos dá a ver um filme luminoso, íntimo, sereno, aceso pelo desejo – desejo puro e sem convenções, disse a realizadora, que também quer desmascarar preconceitos que secundariza(va)m a mulher e objectifica(va)m a mulher. Desde esse ponto de vista, é muito interessante como Heloïse não é um “modelo” silencioso e passivo diante de Marianne, mas acontece um cruzamento de olhares e de papéis completamente diferente. O filme é também cheio de subtilezas.

 

Retrato da Rapariga em Chamas, de Céline Sciamma
Intérpretes: Noémie Merlant, Adèle Haenel, Luàna Bairami
Drama; França, 2019; Cores, 119 min.

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Matosinhos

Artigos relacionados

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba

“As lideranças [das aldeias] relatam que, pelos caminhos, estão encontrando muitos corpos já em decomposição e que aconteceram massacres. As acções dos terroristas são violentas, muitas pessoas foram decapitadas, casas queimadas e derrubadas. Esta (…) é a dor de um povo. Gente que continua sem localizar seus familiares. Pessoas que tiveram suas casas queimadas. Muitas pessoas assassinadas. Fala-se de massacres e de 500 mil deslocados. Vidas e vilas destruídas.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Reino Unido: Líderes católicos condenam cortes na ajuda ao desenvolvimento

A hierarquia da Igreja Católica britânica condenou veementemente a decisão anunciada esta semana pelo ministro das Finanças do Reino Unido, Rishi Sunak, de reduzir a ajuda ao desenvolvimento em 2021 para 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto) contra os habituais 0,7%, o que significa um valor de cerca de 10 mil milhões de libras (cerca de 11 mil milhões de euros), contra os 15 mil milhões de libras de anos anteriores.

Exéquias de frei Armindo Carvalho, ex-provincial dos Franciscanos

Decorreram nesta quarta-feira, no Seminário da Luz, em Lisboa, as cerimónias exequiais de frei Armindo de Jesus Ferreira Carvalho, ex-ministro provincial dos franciscanos (Ordem dos Frades Menores). A celebração foi presidida pelo patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente.

Atenção aos pobres, pedem os bispos numa nota de preparação do Natal

Num texto de duas páginas e de estilo diferente do habitual – menos formal, com menos linguagem eclesiástica –, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) divulgou nesta terça-feira, 24, uma mensagem para o Advento, tempo de preparação para o Natal que se inicia no próximo domingo.

Um consistório virtual para os novos cardeais

O Vaticano confirmou nesta terça-feira, 24, que haverá uma plataforma em vídeo para a cerimónia de criação dos novos cardeais, no próximo sábado, para os que não possam estar em Roma fisicamente, garantindo assim as medidas de segurança devido à pandemia. Haverá no máximo 100 pessoas a participar e as visitas de cortesia e abraço da paz entre os novos cardeais ficam cancelados.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Entre margens

Valha-me o bom samaritano novidade

A idolatria da juventude leva os mais velhos a dizer coisas como “já não tenho idade para mais”. O referido palestrante ridiculariza esta desculpa. Eu vou tendo idade para fazer as coisas com mais experiência e conhecimento – e, portanto, com mais criatividade.
Aproveito ainda não ter lido a carta de Francisco Samaritanus bonus para exemplificar sentimentos e razões que podem nascer das referências e comentários nos meios de comunicação – como no 7MARGENS.

A Ilha da Verdade no Oceano da Desinformação

Quando vejo quanto tempo as pessoas dedicam aos seus ecrãs, dentro e fora de casa, mais ainda em tempo de pandemia onde andamos todos feitos zoomies, isto é, mortos-vivos de zoom em zoom, fico a pensar que não nos podemos queixar de não ter sido avisados. O que procuramos com todo este dinamismo digital? Que valor tem a conectividade permanente para uma vida plena e profunda? Sabemos ainda o que alimenta uma vida profunda?

O futuro será bom, se o presente o for

E, já agora, falando em mulheres e em livros, escrevo, também, numa altura em que me encontro a fazer um prefácio a uma antologia de textos literários de mulheres, juntamente com Ana Mafalda Leite. Eu e ela, bem como Ana Rita Santiago, ambas docentes de literaturas; a primeira em Portugal e a segunda no Brasil, temos trabalhos nos quais recenseámos a existência de mulheres escritoras em Moçambique (nascidas no país e lusodescendentes), das quais pouco se fala e escreve. Aproveito este espaço para divulgar os nomes dessas escritoras e mais adiante, neste texto, explicarei a razão da sua invocação. Colocarei em itálico, os nomes das que me consta não estarem entre nós.

Cultura e artes

Não podemos ignorar novidade

Há muitas razões que tornam este pequeno livro maior do que a sua dimensão física. A bibliografia sobre a luta antifascista é já extensa, mas este ensaio é diferente. Ao fazer a história da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos (CNSPP) nos seus cinco anos de existência (1969-1974), Edgar Silva escolhe retratar a sociedade portuguesa daquele período a partir do conceito de medo.

“Vimos do mar e da montanha”, um disco contemporâneo apresentado sábado, 28, em Lisboa

Vimos do Mar e da Montanha é o título do projecto discográfico que será apresentado neste sábado, 28 de Novembro, às 11h, na Igreja de São Tomás de Aquino (Lisboa). Com edição da Paulus Editora, o disco tem música de Alfredo Teixeira e João Andrade Nunes, e textos de José Augusto Mourão e do Missal Romano, sendo interpretado pelo Ensemble São Tomás de Aquino.

Descoberto esboço de retrato de Jesus atribuído a Leonardo da Vinci

Um equipa de investigadores italianos encontrou recentemente, numa coleção privada na região da Lombardia, o esboço de um retrato de Jesus Cristo que acreditam ser da autoria de Leonardo da Vinci. O desenho, feito a giz vermelho – técnica que era frequentemente utilizada pelo pintor renascentista – tem semelhanças com algumas das suas obras mais emblemáticas, nomeadamente “Mona Lisa” e os seus autorretratos, revelou o jornal britânico The Telegraph.

Abrir as “páginas seladas” do livro bíblico do Apocalipse em tempo de pandemia

O livro bíblico do Apocalipse (ou da Revelação) é uma profecia para tempos de crise e por isso é importante abrir agora as suas “páginas seladas”. Com esse mote, a comunidade católica da Capela do Rato propõe três sessões sobre o último dos livros da Bíblia cristã. Uma conferência de João Duarte Lourenço, uma leitura de Luís Miguel Cintra e um percurso proposto por Emília Nadal através da arte inspirada naquele texto serão as três etapas propostas para este itinerário.

Sete Partidas

Ídolo novidade

Não sei quem escreveu o livro do Levítico, e gostava de saber, para lhe deitar as culpas retroactivas do fundamentalismo que se abateu sobre vastas áreas da Europa no século XVI, e que levou simpáticos cristãos a destruir inúmeros objectos de arte sacra porque viam neles uma blasfémia.

Aquele que habita os céus sorri

estamos perto

breve comentário aos textos bíblicos lidos em comunidade | Domingo I Advento B | Lisboa, 28 de Novembro de 2020.
António Pedro Monteiro

Agenda

Parceiros

Fale connosco