Amnistia Internacional sobre a Síria

Fim dos corredores humanitários não pode acontecer

| 4 Jul 2022

Imagem aérea de um campo de refugiados no Noroeste da Síria.

Imagem aérea de um campo de refugiados no Noroeste da Síria. Situação nos campos continua grave. Foto © Direitos Reservados

 

A situação na Síria está complicada e a Amnistia Internacional (AI) avisa que o encerramento do último corredor de ajuda humanitária no noroeste da Síria pode “revelar-se uma catástrofe humanitária para milhões de pessoas”. Um novo relatório da AI “Condições de vida insuportáveis”: Acesso inadequado aos direitos económicos e sociais nos campos de deslocados internos no noroeste da Síria”, revela “como as pessoas deslocadas internas vivem em condições aterradoras nos campos, o que as torna vulneráveis e inteiramente dependentes da ajuda internacional para sobreviver”.

Para tentar minorar as dificuldades, a AI pede aos membros do Conselho de Segurança da ONU para “alargar a resolução transfronteiriça que permite às Nações Unidas prestarem ajuda a pelo menos 4 milhões de residentes e deslocados internos no noroeste da Síria, antes de a mesma expirar a 10 de julho”.

 Este relatório da AI tem como base de trabalho um estudo feito junto de 45 pessoas, das 1,7 milhões que ali vivem naquela região, 58% das quais crianças, refere a organização. “Muitas destas pessoas vivem há mais de 6 anos em condições de miséria, enfrentando o risco de doenças e violência de género”.

As entrevistas foram conduzidas entre fevereiro e maio de 2022 e permitiram perceber, segundo a organização, “como estas pessoas não têm acesso aos seus direitos a habitação condigna, água, saneamento e saúde”. Mais de metade da população de deslocados internos no noroeste da Síria vive em 1.414 campos, “geralmente em tendas de um quarto que não têm portas ou fechaduras sólidas e não oferecem isolamento do frio ou calor extremos comuns à área, em violação do seu direito à habitação habitável”, refere a organização em comunicado.

A AI apresenta o testemunho de uma mulher, que vive com o marido e cinco filhos num acampamento há três anos. “Moro numa tenda com uma divisão. Construí uma pequena cozinha e coloquei colchões finos para cobrir o resto do quarto, que usamos durante o dia e a noite, pois é o único espaço que temos. Faço tudo neste quarto: durmo, cozinho, lavo roupa, tomo banho, tudo. Não há nenhuma porta. Temos uma cobertura que enrolamos para cima e para baixo para entrar ou sair da tenda. Qualquer um pode entrar. Alguém pode viver numa tenda e sentir-se seguro? Impossível”, refere esta mulher, citada pela AI.

O testemunho continua. “Estamos sempre a ficar sem água. Como hoje, não temos água, os tanques comunitários estão vazios. Não tenho poder económico para comprar água. Outras pessoas fazem-no, mas eu não. Eu recebo um pouco dos meus vizinhos só para que os meus filhos e eu possamos beber. Entretanto, esperamos que a organização venha encher os tanques, o que acho que acontece duas vezes por semana. É melhor do que nada”, defende.

Outro problema identificado pela organização é a violência com base no género. Trabalhadores humanitários disseram à Amnistia Internacional que «a sobrelotação, a falta de privacidade, os campos não vedados, a incapacidade de trancar as tendas e a sua exclusão dos processos de tomada de decisão expuseram mulheres e meninas a uma série de violência de género, incluindo violência por
familiares, gestores e residentes do acampamento, estranhos e trabalhadores humanitários”.

Um trabalhador humanitário relatou à AI que “as mulheres vão às latrinas comunitárias juntas em grupos ou acompanhadas de um parente. À noite, elas têm medo de ir sozinhas, pelo que, se não houver ninguém para as acompanhar, então eles usam uma casa de banho improvisada ou aguentam até de manhã”, denuncia.

 

Luigino Bruni: “Se organizarmos a JMJ Lisboa como há dez anos, será um falhanço total”

Diretor d'A Economia de Francisco, em Assis, ao 7M

Luigino Bruni: “Se organizarmos a JMJ Lisboa como há dez anos, será um falhanço total” novidade

Professor de Economia Política da Universidade Lumsa de Roma, e consultor do Dicastério para os Leigos, Luigino Bruni é um apaixonado pela Bíblia e pelo cruzamento entre disciplinas como a Ética e a Economia. No final do encontro global d’A Economia de Francisco, que decorreu entre os passados dias 22 e 24 de setembro em Assis, falou ao 7MARGENS sobre o balanço que faz desta iniciativa, e deixou alguns conselhos aos organizadores da Jornada Mundial da Juventude 2023, que irá realizar-se em Lisboa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Prémio D. António Francisco homenageou pediatria e Serviço Nacional de Saúde

Ala pediátrica do São João e Centro Materno Infantil

Prémio D. António Francisco homenageou pediatria e Serviço Nacional de Saúde novidade

A ala pediátrica do Centro Hospitalar Universitário de São João e o Centro Materno Infantil do Norte (CMIN) receberam, ao início da tarde desta segunda-feira, o Prémio D. António Francisco correspondente à edição deste galardão para o ano de 2020. Em virtude da pandemia, o prémio só agora foi entregue, em cerimónia que decorreu no Palácio da Bolsa, no Porto. Ambas as entidades foram consideradas pelo júri como cumprindo “de forma exemplar os valores do Prémio”, que com esta atribuição fqaz também um “reconhecimento público ao Serviço Nacional de Saúde, pelo esforço desenvolvido na resposta à pandemia”.

Agenda

Fale connosco

Autores