“Finalmente encontrei um cristão de verdade!”

| 6 Jul 2022

pesquisar encontrar lupa Foto © Gerd AltmannPixabay

“Desengane-se quem pensar que há categorias no que se refere a cristãos; ou seja, não há cristãos de primeira nem tão pouco de segunda categoria. Ou se é ou não se é.”  Foto © Gerd Altmann/Pixabay.

 

Certo dia, um missionário evangélico que ainda hoje trabalha entre muçulmanos, partilhava comigo e mais algumas pessoas algo que marcou profundamente a sua vida. Abreviando a história, ele contava que uma mulher muçulmana e uma outra cristã travaram conversa e a partir dali iniciou-se um caminho que culminou numa grande amizade. Gradualmente a confiança e a admiração entre as mulheres foi crescendo, e o amor sincero foi destruindo todas e quaisquer barreiras que se entrepunham entre ambas. Em determinado momento a mulher muçulmana ao telefone com a sua mãe e junto da sua nova amiga cristã, disse: “Mãe, finalmente encontrei um cristão de verdade”.

Que história esta que nos faz pensar sobre o tipo de cristianismo que vivemos e o tipo de cristãos que nós somos!

Infelizmente algumas palavras vão perdendo o seu real valor e original significado; como esta: “cristão”. Sobre isto mesmo, C. S. Lewis, no seu livro Cristianismo Puro e Simples, escreveu: A palavra cristão terá sido despojada de qualquer propósito realmente útil a que pudesse ter servido. Deveríamos, portanto, ser fiéis ao sentido original, mais óbvio.”

Assim sendo, tendo em atenção a origem desta palavra que é empregue pela primeira vez em Antioquia (Atos dos Apóstolos, 11:26) para designar aqueles que viviam como Jesus Cristo, que O imitavam, que aceitavam a Sua doutrina, que O amavam, enfim, eram Seus discípulos, difere e muito de como agora se usa e se classifica alguém como cristão.

Deste modo e respeitando o real significado da palavra em causa, não se é cristão por hereditariedade. Muitas pessoas, só porque seus antepassados o eram, assumem que também o são; no entanto, as suas vidas não se coadunam com os ensinamentos de Jesus Cristo.

Não se é cristão porque se pratica a religião cristã, ou pela simples razão de ir à igreja, ou porque se pratica boas obras.

Não se é cristão porque se conhece bem a Bíblia, faz-se beneficência ou até se dá a vida em nome de Deus.

Tudo isto pode ser feito, e na verdade não é ser cristão. Parecer é uma coisa, ser é outra.

Ser cristão é algo intrínseco a nós mesmos e não uma mera modalidade religiosa que se decide adotar. Faz parte da nossa identidade e não é um anexo da nossa vida. Tem início no mais íntimo do nosso ser (espirito e alma) e reflete-se de forma natural no nosso corpo, na nossa conduta e no resultado das nossas ações. É como uma fonte de água que jorra de dentro para fora.

Afinal, o que é que aquela mulher muçulmana viu na mulher cristã para dizer o que disse? Poderei parecer simplicista, mas tenho o desejo de ser clara e profunda ao mesmo tempo; a mulher muçulmana viu Cristo na sua amiga, mesmo quando não falavam de religião e fé. Ela foi testemunha de um cristianismo vivo, natural e real. Nada era forçado, fingido ou por apenas tradição, simplesmente ela fez amizade com uma mulher que recebera impacto do evangelho de Jesus Cristo, seguia a Cristo e O amava com todo o seu ser.

Desengane-se quem pensar que há categorias no que se refere a cristãos; ou seja, não há cristãos de primeira nem tão pouco de segunda categoria. Ou se é ou não se é.

Então se alguém é cristão, onde está Cristo na sua vida?!

O que diria essa amiga muçulmana de cada pessoa que se afirma como tal?!

Perguntas que podem inquietar a nossa alma, mas que verdadeiramente nos ajudam a definir.

 

Isabel Ricardo Pereira é missionária evangélica; contacto: isabeljose@sapo.pt

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This