Foi então que conheci a Manuela Silva…

| 18 Out 19 | Entre Margens, Éticas, Trabalho e Economia, Últimas

Manuela Silva em Julho de 2012, quando completou 80 anos. Foto © Maria do Céu Tostão

 

Em 2004, depois de quatro anos em Itália e acabadinha de regressar de um ano na América Latina no meio dos mais pobres, e tendo aí conhecido uma Igreja que andava envolvida nas revoluções sociais e a lutar ativamente pela justiça, mesmo quando para isso se tornava incómoda e alienava a simpatia dos poderosos, fiquei desanimadíssima com o que encontrei em Portugal. A Igreja cheirava-me a mofo, parecia que tinha sempre medo de incomodar e de ferir susceptibilidades, e por isso calava e consentia, passiva e conivente com o status quo.

Eu, que nunca calei nem deixei de lutar por aquilo em que acreditava, e que sempre li o Evangelho como um texto verdadeiramente radical e revolucionário, fiquei desgostada e afastei-me. Foi então que conheci a Manuela Silva. Numa conferência organizada por ela, enquanto presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, percebi pela primeira vez que havia uma Igreja progressista em Portugal, que era minoritária e pouco visível, é certo, mas que estava viva.

Nessa conferência ouvi uma oradora, no palco, reclamar contra a orientação neoliberal e acrítica do ensino na Faculdade de Economia da Católica. Precisamente por ser a Católica, era inaceitável que os alunos não fossem estimulados a porem em causa os pressupostos de um sistema que produzia cada vez mais desigualdade e que não permitia erradicar a pobreza.

Fiquei rendida e, no final da conferência, pedi a palavra e vociferei contra o capitalismo, a falta de democracia, o conservadorismo e a hipocrisia da Igreja, a falta de ativismo e participação cívica em Portugal (na altura, as pessoas eram muito mais passivas e não havia grande consciência política entre os jovens em Portugal – felizmente, penso que muito mudou nos últimos 15 anos) e o contraste que via relativamente à Igreja politicamente ativa que encontrara em Itália e, sobretudo, na América Latina.

No dia seguinte, a Manuela ligou para casa dos meus pais e perguntou por mim. Eu já estava casada e não faço ideia como é que ela chegou até mim por aquela via. Deixou o seu contacto e liguei-lhe de volta. Convidou-me para sua casa, e ficámos amigas desde então. Graças a ela fiz parte de duas equipas da Comissão Justiça e Paz, desenvolvi um projeto lindo de Educação para o Desenvolvimento em escolas e paróquias, conheci o Alfredo Bruto da Costa, o José Dias, o António Marujo, pessoas que muito me ensinaram, e sobretudo, graças a ela não me afastei da Igreja, não desertei.

Fui encontrando as minhas bolhas de oxigénio dentro da comunidade dos que querem seguir Jesus, compreendendo que nem todos O seguimos da mesma maneira, mas que não devo desistir de procurar quem O queira seguir da mesma maneira que eu.

Querida Manuela…. muito obrigada.

 

(Este texto foi inicialmente publicado na página da autora na rede social Facebook)

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Um posto de saúde para os mais pobres na Praça de São Pedro

O Vaticano inaugurou um posto de saúde na Praça de São Pedro para ajudar os mais pobres e necessitados. O posto é composto por oito ambulatórios e, segundo um comunicado do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, citado pelo Vatican News, serão disponibilizadas consultas médicas com especialistas, cuidados especiais, análises clínicas e outros exames específicos.

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Cultura e artes

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco