Foi então que conheci a Manuela Silva…

| 18 Out 19

Manuela Silva em Julho de 2012, quando completou 80 anos. Foto © Maria do Céu Tostão

 

Em 2004, depois de quatro anos em Itália e acabadinha de regressar de um ano na América Latina no meio dos mais pobres, e tendo aí conhecido uma Igreja que andava envolvida nas revoluções sociais e a lutar ativamente pela justiça, mesmo quando para isso se tornava incómoda e alienava a simpatia dos poderosos, fiquei desanimadíssima com o que encontrei em Portugal. A Igreja cheirava-me a mofo, parecia que tinha sempre medo de incomodar e de ferir susceptibilidades, e por isso calava e consentia, passiva e conivente com o status quo.

Eu, que nunca calei nem deixei de lutar por aquilo em que acreditava, e que sempre li o Evangelho como um texto verdadeiramente radical e revolucionário, fiquei desgostada e afastei-me. Foi então que conheci a Manuela Silva. Numa conferência organizada por ela, enquanto presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, percebi pela primeira vez que havia uma Igreja progressista em Portugal, que era minoritária e pouco visível, é certo, mas que estava viva.

Nessa conferência ouvi uma oradora, no palco, reclamar contra a orientação neoliberal e acrítica do ensino na Faculdade de Economia da Católica. Precisamente por ser a Católica, era inaceitável que os alunos não fossem estimulados a porem em causa os pressupostos de um sistema que produzia cada vez mais desigualdade e que não permitia erradicar a pobreza.

Fiquei rendida e, no final da conferência, pedi a palavra e vociferei contra o capitalismo, a falta de democracia, o conservadorismo e a hipocrisia da Igreja, a falta de ativismo e participação cívica em Portugal (na altura, as pessoas eram muito mais passivas e não havia grande consciência política entre os jovens em Portugal – felizmente, penso que muito mudou nos últimos 15 anos) e o contraste que via relativamente à Igreja politicamente ativa que encontrara em Itália e, sobretudo, na América Latina.

No dia seguinte, a Manuela ligou para casa dos meus pais e perguntou por mim. Eu já estava casada e não faço ideia como é que ela chegou até mim por aquela via. Deixou o seu contacto e liguei-lhe de volta. Convidou-me para sua casa, e ficámos amigas desde então. Graças a ela fiz parte de duas equipas da Comissão Justiça e Paz, desenvolvi um projeto lindo de Educação para o Desenvolvimento em escolas e paróquias, conheci o Alfredo Bruto da Costa, o José Dias, o António Marujo, pessoas que muito me ensinaram, e sobretudo, graças a ela não me afastei da Igreja, não desertei.

Fui encontrando as minhas bolhas de oxigénio dentro da comunidade dos que querem seguir Jesus, compreendendo que nem todos O seguimos da mesma maneira, mas que não devo desistir de procurar quem O queira seguir da mesma maneira que eu.

Querida Manuela…. muito obrigada.

 

(Este texto foi inicialmente publicado na página da autora na rede social Facebook)

Artigos relacionados

Editorial 7M – Marega: o grande golo da dignidade e da coragem

Editorial 7M – Marega: o grande golo da dignidade e da coragem novidade

O caso do futebolista Moussa Marega foi caso não porque houve insultos de teor racista, mas porque o atleta decidiu não engolir e calar, como tem sido prática. Decidiu subverter as regras do jogo, rompendo a barreira dos que pretenderam impedi-lo e sendo ainda castigado pelo atrevimento de abandonar o campo.

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O sofrimento como elemento axiomático da reflexão sobre a eutanásia novidade

Após umas notas na página do 7MARGENS no Facebook, pedem-me para lhes dar forma de artigo a fim de poder ser publicado. Está bem. Por alguma razão, que não estará fora do entendimento de quem venha a ler estas linhas, lembrei-me de ir buscar à estante o disco Requiem for My Friend, do compositor contemporâneo Zbigniew Preisner. Há muito que penso que gostaria de o ter no meu funeral e, por maioria de razão, se algum dia eu for sujeito a eutanásia, no momento da passagem.

Eutanásia ativa: não, não creio!… novidade

É possível e desejável auscultar os eleitores através de referendo sobre se consideram, ou não, que o tema deva ser objeto de legislação por parte da Assembleia da República durante esta legislatura. Assim se garantirá ao Parlamento a total legitimidade de que...

Eutanásia: Para que os que não vêem, vejam… novidade

Foi elucidativo e frutuoso o diálogo entre a deputada Isabel Moreira, constitucionalista, e o padre José Nuno, porta-voz do Grupo Inter-Religioso Religiões-Saúde, levado a cabo pela TVI24, quinta-feira, 13 de Fevereiro, no Jornal das 8 (aqui um pequeno excerto; até às 20h do próximo dia 20 ainda é possível, para quem tem operador de televisão digital, ver o debate na íntegra).

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco