Foi então que conheci a Manuela Silva…

| 18 Out 19

Manuela Silva em Julho de 2012, quando completou 80 anos. Foto © Maria do Céu Tostão

 

Em 2004, depois de quatro anos em Itália e acabadinha de regressar de um ano na América Latina no meio dos mais pobres, e tendo aí conhecido uma Igreja que andava envolvida nas revoluções sociais e a lutar ativamente pela justiça, mesmo quando para isso se tornava incómoda e alienava a simpatia dos poderosos, fiquei desanimadíssima com o que encontrei em Portugal. A Igreja cheirava-me a mofo, parecia que tinha sempre medo de incomodar e de ferir susceptibilidades, e por isso calava e consentia, passiva e conivente com o status quo.

Eu, que nunca calei nem deixei de lutar por aquilo em que acreditava, e que sempre li o Evangelho como um texto verdadeiramente radical e revolucionário, fiquei desgostada e afastei-me. Foi então que conheci a Manuela Silva. Numa conferência organizada por ela, enquanto presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, percebi pela primeira vez que havia uma Igreja progressista em Portugal, que era minoritária e pouco visível, é certo, mas que estava viva.

Nessa conferência ouvi uma oradora, no palco, reclamar contra a orientação neoliberal e acrítica do ensino na Faculdade de Economia da Católica. Precisamente por ser a Católica, era inaceitável que os alunos não fossem estimulados a porem em causa os pressupostos de um sistema que produzia cada vez mais desigualdade e que não permitia erradicar a pobreza.

Fiquei rendida e, no final da conferência, pedi a palavra e vociferei contra o capitalismo, a falta de democracia, o conservadorismo e a hipocrisia da Igreja, a falta de ativismo e participação cívica em Portugal (na altura, as pessoas eram muito mais passivas e não havia grande consciência política entre os jovens em Portugal – felizmente, penso que muito mudou nos últimos 15 anos) e o contraste que via relativamente à Igreja politicamente ativa que encontrara em Itália e, sobretudo, na América Latina.

No dia seguinte, a Manuela ligou para casa dos meus pais e perguntou por mim. Eu já estava casada e não faço ideia como é que ela chegou até mim por aquela via. Deixou o seu contacto e liguei-lhe de volta. Convidou-me para sua casa, e ficámos amigas desde então. Graças a ela fiz parte de duas equipas da Comissão Justiça e Paz, desenvolvi um projeto lindo de Educação para o Desenvolvimento em escolas e paróquias, conheci o Alfredo Bruto da Costa, o José Dias, o António Marujo, pessoas que muito me ensinaram, e sobretudo, graças a ela não me afastei da Igreja, não desertei.

Fui encontrando as minhas bolhas de oxigénio dentro da comunidade dos que querem seguir Jesus, compreendendo que nem todos O seguimos da mesma maneira, mas que não devo desistir de procurar quem O queira seguir da mesma maneira que eu.

Querida Manuela…. muito obrigada.

 

(Este texto foi inicialmente publicado na página da autora na rede social Facebook)

Artigos relacionados

Pin It on Pinterest

Share This