Etiópia

“Fome em massa” provocada deliberadamente no Tigré

| 20 Abr 2022

Refugiados tigrés no campo de Um Rakuba, em Gedaref (Sudão). Foto © Tomás Sopas Bandeira, cedida pelo autor.

 

Centenas de milhares de habitantes da região do Tigré (Etiópia) estão a morrer à fome, denunciou esta quarta-feira, 20, a Agência Fides. Desde o início da suposta trégua humanitária, a 24 de março, o governo permitiu a entrada de apenas um comboio de ajuda humanitária na região, o primeiro desde meados de dezembro de 2021.

As forças do governo recusam nova permissão até que a Frente de Libertação do Povo Tigré (TPLF) se retire da região. A TPLF, por seu lado, quer que a ajuda flua livremente antes de se retirar.

“Sem um avanço para aliviar o bloqueio, o horror da limpeza étnica será acompanhado por um abuso igualmente grotesco: fome em massa deliberada”. Esta é a conclusão de uma investigação aprofundada da Human Rights Watch e da Amnistia Internacional que, num relatório conjunto, publicado a 6 de abril, concluem que as autoridades da região de Amhara mataram centenas de milhares de pessoas de origem tigreia naquele território desde o início da guerra.

“A situação humanitária no Tigré continua a piorar. A passagem dos corredores humanitários através dos quais as Nações Unidas, o governo ou outras agências tentam trazer alimentos para o país às vezes é bloqueada e não sabemos ao certo por quem”, confirmou o arcebispo de Adis Abeba, Cardeal Berhaneyesus Souraphiel, citado pela Fides.

“Como resultado,” – continua o cardeal – “o sofrimento do povo está a aumentar. Como Conferência dos Bispos Católicos da Etiópia, lançamos apelos à nossa rede católica em todo o mundo, em particular através da Caritas Internationalis, para que enviem dinheiro para ajudar nosso povo, não apenas no Tigré, mas também nas áreas vizinhas. A seca agravou-se devido às mudanças climáticas. A crise humanitária é enorme e as pessoas precisam urgentemente de ajuda “.

Já em junho de 2021, mais de 90% da população do Tigré precisava de assistência alimentar, segundo o Programa Alimentar Mundial da ONU.

 

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos novidade

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This