Formação sinodal

| 5 Set 2022

 

Missa Crismal na Sé de Lisboa. Foto © Patriarcado de Lisboa

“O movimento de oração-encontro-escuta-discernimento acontece quando nos encontramos com o Senhor e uns com os outros na Palavra e no Sacramento.” Foto © Patriarcado de Lisboa

 

O nó górdio da Igreja está no desafio de desatar os nós da instituição para lançar as pontes de união indispensáveis para vivermos em comunhão missionária. Esta dinâmica passa necessariamente pela formação sinodal como tem sido atestado pelos relatos diocesanos.

“Que é isso?” – questiona um canonista que com a sua jurisprudência se apressa a fazer uma leitura do que acontece na Igreja e acrescenta: “Não se fala disso nem se manifesta alguma curiosidade.”

Realismo? Distância crítica? Outras hipóteses são possíveis. Assumo neste artigo os relatos dos mencionados autores e proponho-me fazer uma espécie de retrato da situação.

 

Renovar e restaurar a esperança 

Na formação sinodal, um dos desafios da Igreja Católica é o de renovar e restaurar a esperança, face ao desencanto e ao deixar correr, declarava o padre Virgílio Mota, da diocese de Leiria-Fátima, na assembleia de apresentação dos resultados da caminhada sinodal nas respectivas paróquias, a 4 de Janeiro de 2022. E enumerava outros como a poluição dos mares, os desequilíbrios do homem com a natureza e com os recursos que a terra produz, as dinâmicas suicidas, realidades que nós temos de cuidar.

Outros desafios, adiantava, são o comunicar nos ambientes digitais sem proselitismo, o trabalhar com a gramática, a linguagem do nosso tempo, porque “com discursos herméticos, fechados, falamos só para nós”. Neste sentido, “as paróquias devem ser comunidades sinodais, no espírito de Emaús (…), devem ser lugares de abertura, onde é necessário perguntar sempre o que é melhor para todos, em verdadeiro sentido de comunidade”.

 

Formação sinodal e eucaristia 

“A formação sinodal é formação eucarística; embora seja necessária mais reflexão para elaborar esta abordagem integrada. (Padre Louis J. Camelli”, na Unisinos).

A Liturgia é simultaneamente o cume para o qual se encaminha a acção da Igreja e a fonte de onde dimana toda a sua energia. A consciência da missão no contexto da liturgia é chamamento perene para integrar o culto e a vida além do templo. (Vaticano II, Constituição sobre a Sagrada Liturgia, 10).

A metáfora do cume do monte envolve a encosta da subida e a da descida. No centro fica a celebração da caridade e nos lados está a evangelização e a esperança, que há-de impregnar e animar o compromisso social dos cristãos.

O movimento de oração-encontro-escuta-discernimento acontece quando nos encontramos com o Senhor e uns com os outros na Palavra e no Sacramento. Este sentido de ser sujeitos e agentes activos da Igreja é a chave para a participação plena nos mistérios sacramentais.

 

Radical conversão pessoal e pastoral 

Em tempos tão turbulentos como os nossos, “a todos peço uma radical conversão pessoal e pastoral”, escreve D. António Couto, em documento sobre as nomeações canónicas para o ano pastoral de 2022-2023. É urgente que este ideário da evangelização a todos nos envolva a tempo inteiro, transforme a nossa mentalidade e molde em nós novas atitudes missionárias, que vão para além da simples manutenção pastoral… É obrigação e alegria nossa levar o Evangelho a todas as pessoas e a todos os recantos”. (Ecclesia, 25 de Agosto de 2022)

 

Prolongar e aplicar a experiência sinodal 

O bispo da Guarda, D. Manuel Felício, escreveu uma “carta ao povo de Deus” da sua diocese, pelo início do ano pastoral 2022-2023, e anuncia que serão repensados e, se possível, aplicados os resultados da experiência sinodal, dando “atenção” às famílias e à juventude… “Temos o objetivo de continuarmos a aplicar o método sinodal, quanto possível, ao conjunto das atividades pastorais que desenvolvemos e sobretudo aos processos das decisões que precisamos de tomar”. (Ecclesia, 25 Agosto de 2022)

Novas atitudes missionárias, viver a experiência sinodal, participar a tempo inteiro na vida da Igreja, dedicar um amor especial à Eucaristia, restaurar e renovar a esperança são caminhos a percorrer na Igreja sinodal. Caminhos que nos levam a situar a missão da Igreja numa sociedade secular. Será o objectivo do próximo trabalho.

 

Georgino Rocha é padre católico da diocese de Aveiro e desempenhou já o cargo de vigário diocesano da pastoral.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas

Uma forma de "construir pontes"

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas novidade

Amir tem cinco anos e, até agora, não podia correr nem brincar como a maioria das crianças da sua idade. Quando tinha apenas 24 meses, apanhou um vírus que resultou no bloqueio de uma das suas artérias coronárias, pelo que qualquer esforço físico passou a ser potencialmente fatal. Mas, muito em breve, este menino palestiniano poderá recuperar o tempo perdido. Com o apoio da organização humanitária israelita Save a Child’s Heart, Amir acaba de ser operado num hospital em Tel Aviv e está fora de perigo.

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres

Entrevista à revista America

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres novidade

“O divisionismo não é católico. Um católico não pode pensar ‘ou, ou’ e reduzir tudo a posições irreconciliáveis. A essência do católico é “e, e”. O católico une o bem e o não tão bom. O povo de Deus é um” – afirmou o Papa Francisco, a propósito das divisões na Igreja americana, na entrevista concedida no dia 22 de novembro a um conjunto de editores jesuítas e publicada na edição da revista America – The Jesuit Review desta segunda-feira, 28 de novembro.

Terra de pobreza e de milagres

[Crónicas da Guiné – 1]

Terra de pobreza e de milagres novidade

A Guiné-Bissau, como país, é um bom exportador de más notícias. E quando se chega ao território, o que imediato se faz notar é a pobreza e o lixo. Mas quando nos dizem “Tenho orgulho em Bissau ser uma cidade limpa… em comparação com outras capitais desta região de África”, percebemos que tudo é relativo – relativo aos padrões que adoptamos. Ou às notícias que procuramos. Porque há notícias que vêm ter connosco, pois sabem que serão bem acolhidas, e outras que se deixam ficar no seu cantinho, silenciosas, porque se reconhecem sem interesse.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This