Fórum Ecuménico Jovem: encontrar irmãos, antes desconhecidos

| 30 Out 19 | Cristianismo - Homepage, Diálogo ecuménico e inter-religioso, Portugal, Últimas

Um dos desempenhos da Plataforma de Encontro Cristão no Fórum Ecuménico Jovem, na Covilhã. Foto © Lúcia Pedrosa, cedida pela autora

 

“Assim foi a experiência” do Fórum Ecuménico Jovem (FEJ), conta Marco Lerario, italiano, membro do Movimento dos Focolares e do Grupo Ecuménico Jovem do Porto: “Encontrar irmãos antes desconhecidos e descobrir a ligação que existe entre nós, uma ligação que tem um Nome. Numa possível interpretação do tema, gostaria de o definir como ‘Atreve-te a ser…’ irmão para além das diferenças, porque há aqui entre nós um tesouro que nem imaginamos.”

Marco foi um dos cerca de 200 participantes do FEJ de sábado, 26 de Outubro e, em depoimento para o 7MARGENS, define daquele modo a iniciativa que contou, nesta sua 20ª edição, com a participação do irmão David, de Taizé, o único português membro da comunidade da Borgonha (França), que reúne monges católicos e protestantes.

“Se tivesse de escolher poucas palavras para contar o que foi o FEJ 2019, uma delas seria com certeza ‘fraternidade’ (ser irmãos)”, acrescenta Marco Lerario. “Irmãos que não se encontraram durante muito tempo, que falam com sotaques diferentes, usam palavras que se calhar eu não tenho o habito de usar…”

O tema deste FEJ 2019, que decorreu na Universidade da Beira Interior, foram as bem-aventuranças. E também aí Marco confessa que “nunca imaginava poder descobrir tanto, tudo numa vez, acerca das palavras das bem aventuranças, já ouvidas muitas vezes…” E acrescenta: “Em muitos casos, quando oiço esse passagem do Evangelho, frequentemente uma palavra toca-me em particular e percebo que algo pode mudar na minha vida. Desta vez foi diferente: não houve nenhum dos versículos que não causasse esse efeito em mim.”

Enfim, “pensando nas palavras de uma das experiências contadas durante a celebração final; pensando na figura de Jesus na cruz como o máximo do amor, a pessoa que tudo deu e que, com a ressurreição, se tornou fonte inesgotável de alegria para todos nós, sinto o título ‘atreve-te a ser…’ como um convite a ser como Ele, a dar tudo, a amar mais”, conclui.

O FEJ contou ainda com a participação de vários artistas do espectáculo ecuménico anual realizado no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, e incluiu momentos musicais com jovens da Assembleia de Deus da Covilhã, além de diversas oficinas promovidas pelas Igrejas Metodista, Lusitana, Presbiteriana e Católica Romana, que organizam anualmente o Fórum Ecuménico Jovem.

A participação de jovens evangélicos da Plataforma de Encontro Cristão, de Sintra, e da Assembleia de Deus da Covilhã, trouxe ao encontro uma diversidade ainda maior do que a habitual.

 

(Notícia redigida com base em informações fornecidas por Catarina Sá Couto)

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade novidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Manuela Silva e Sophia

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

O barulho não faz bem

Nos últimos tempos, por razões diversas, algumas conversas têm-se dirigido maioritariamente para o facto de se habitar na cidade, suas comodidades e seus incómodos.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco