Ensaio

Fragmentos da poética cristã do padre Arlindo Magalhães

| 21 Jan 2023

Em Agosto 2017, a propósito dos 50 anos de ordenação do padre Arlindo Magalhães, presbítero da Comunidade Cristã da Serra do Pilar que morreu esta semana (ver notícia no 7MARGENS), Joaquim Félix Carvalho foi convidado a fazer uma reflexão sobre a experiência desta comunidade de Gaia.

É esse texto que a seguir reproduzimos.

P. Arlindo Magalhães, Comunidade Serra do Pilar

O padre Arlindo Magalhães. responsável da Comunidade Cristã da Serra do Pilar. Foto © Palma Gonçalves, cedida pela autora.

1. Apreender a viver no mundo novo, que não pode esterilizar nem poluir a imaginação, é hoje um dos maiores desafios que se coloca à Humanidade. Sim, imaginar para além das corrupções, e da sua sujidade, que sempre podem existir à semelhança do pó que habita uma casa limpa, mesmo se lavada cada semana, ou do desarrumo nos ateliers dos artistas. Alargar o imaginário do mundo, que nos é dado para cuidar na máxima e delicada responsabilidade, tornou-se agora uma urgência civilizacional, como aliás sucedeu em várias épocas históricas.

Porque criei este relevo? Porque este desafio pode ser sempre partilhado pelos discípulos de Jesus de Nazaré, o Cristo. Eis porque todos nós, sua Igreja, somos chamados na assembleia do Seu corpo, a gerar sob o impulso do Espírito Santo um novo imaginarium, que Deus potencia na sua liberalidade e abençoa. Daquilo que me apraz considerar no padre Arlindo, esta é a primeira nota: ele sempre se preocupou em fazer exercícios de dilatação do imaginário da teologia da Igreja, e a tentar ir além dos esboços do pensamento até aos riscos de uma prática, aprendida por tentativa e erro, a superar os limites estreitos de paradigmas instituídos, por ‘improvisações’ melódicas de um canto eterno, de uma polifonia que não exclui voz alguma.

2. Desde as águas e da amizade que as precede, o padre Arlindo procura assentar as suas procuras nas raízes e desenvolvimentos de uma iniciação aos santos mistérios, comprometendo-se com o processo do ‘fazer-se’ cristão. A iniciação cristã tornou-se-lhe um itinerário irresistível. Água e fogo do batismo, unção do Espírito do Pentecostes e alimento eucarístico são vias percorridas em sínodo desde há muito, e até em mim abriu o horizonte de uma teologia ex visu, contemplação in loco, de vários batistérios paleocristãos em Portugal: Torre de Palma, Idanha-a-Velha, Conímbriga, Mértola, etc.

Além da arquitetura dos espaços da iniciação, o padre Arlindo preocupou-se sempre com a arquitetura e as artes para a liturgia. Disso dá testemunho, por exemplo, a disposição do espaço da igreja da Serra do Pilar. As visitas exploratórias em vários países do centro da Europa encontram-se inscritas nesta sincera recriação estética do corpo de Cristo no espaço, presente na assembleia celebrante. Ele sabe que, como escreveu L. Bouyer em Arquitetura e Liturgia, «A maneira como construímos as nossas igrejas constituirá a manifestação por excelência da qualidade da nossa vida eclesial, da nossa vida de comunhão no corpo de Cristo.» Com ele partilhamos esta procura, onde encarna a epifania do corpo de Cristo, na promoção da qualidade da vida da Igreja. E, nesse sentido, foi por nós refletida a experiência das novas construções e reabilitações das capelas dos Seminários Arquidiocesanos de Braga, visitadas pela Comunidade da Serra. Tal é o seu gosto que me desafiou a adquirir livros sobre esta matéria, como sucedeu, por exemplo, com as milenares igrejas vikings da Noruega, que tive oportunidade de estudar in loco, na companhia dos membros da equipa do Seminário e guiados por Asbjørn Andresen.

3. O Corpo de Cristo não é visível somente nas igrejas, mesmo que nelas a sua epifania possa esplender melhor na liturgia. Grato por um sábio conselho, que a todos pode beneficiar, o padre Arlindo, após o trabalho no Seminário da Sé, fez-se sócio de muitas associações da paróquia, nos círculos centrípetos da igreja da Serra. A sua saída para os polos seculares da vida comunitária, de providencial forma, inscreveu-o nas fronteiras avançadas da evangelização. Disciplina que, desde há anos, leciona aos finalistas do sexto ano do Seminário Conciliar e da licenciatura canónica em Teologia Pastoral da Faculdade de Teologia – Braga. E, pela sua experiência pastoral, pedimos-lhe para receber, no último ano, alguns dos nossos futuros pastores, a fim de os ‘contaminar’ na sua paixão pelo serviço do Povo de Deus.

4. O serviço na Igreja, tantas vezes dialogada entre nós, numa trama que combina bom humor, esperança e imagens novas, em perfeito exercício da condição profética recebida pelo batismo, permite-me pensar que o padre Arlindo tem uma propensão para cuidar da sua ‘esposa’ de modo muito artesanal, isto é, na densidade de todos os artistas que, de forma simples, honesta e verdadeira, encheram a sua casa de ‘criações’, desde logo da ceramista Rosa Ramalho, cujo Cristo é muito mais acreditável do que tantos discursos vazios e Pseudocristos kitches. Só o cachecol do Vitória de Guimarães, colocado junto à porta de entrada, revela as suas origens vimaranenses. Mas o seu clube de coração é mesmo só o de Cristo, de cuja caridade pastoral participa, nos salmos existenciais da sua dedicação às pessoas que lhe foram confiadas de muitos modos, e não apenas na Serra do Pilar.

5. A vida do padre Arlindo daria uma longa-metragem! Não sou crítico de cinema, para avaliar a narrativa da sua vida como ator principal. Talvez ele não tenha a distância desejada para fazer uma nota dela para a Voz Portucalense. Mas, quem sabe, será suficiente contracenar com ele a vida de quem se descobre a caminho de Jerusalém.

Arlindo Magalhães, Comunidade Serra do Pilar

Arlindo Magalhães presidindo à eucaristia: “Além da arquitetura dos espaços da iniciação, o padre Arlindo preocupou-se sempre com a arquitetura e as artes para a liturgia. Disso dá testemunho, por exemplo, a disposição do espaço da igreja da Serra do Pilar.” Foto: Direitos reservados

 

6. De padre para padre, aquilo que mais desejo, na comemoração deste meio século de ministério ordenado, é que Deus lhe conceda a graça de perseverar até ao fim no cumprimento da sua vontade, ao serviço do altar e do povo fiel. E para ser mais explícito, louvo o Senhor, parafraseando, e em parte citando, palavras do prefácio da ordenação dos presbíteros: no exercício do seu ministério, saiba que Deus o escolheu «para renovar em seu nome o sacrifício da redenção humana, preparando para os seus filhos o banquete pascal, para orientar o seu povo com diligente caridade, e alimentá-lo com a palavra e fortalecê-lo com os sacramentos» (Missal Romano, 1088). Permaneça sempre aberto à bênção de Deus, que instituiu a Igreja e a governa; Ele o defenda continuamente com a sua graça, para poder realizar com fidelidade o serviço da alegria do evangelho. Ele o torne, no mundo, servo e testemunha da caridade e da verdade divina, e ministro fiel da reconciliação. Ele o faça verdadeiro pastor, para que distribuindo aos fiéis o pão da palavra e da vida, eles cresçam mais na unidade do Corpo de Cristo. (Pontifical Romano, Ordenação dos Presbíteros, 95).

7. Queria terminar com uma frase que pode soar a provocação, como imagino que o padre Arlindo tantas vezes poderá ter sido interpretado: «A ausência de risco é sinal seguro de mediocridade». A sentença é de Charles de Foucauld. O evangelho de Jesus é mais do que uma segurança, não é? Sem cuidar que seja perfeito, nem imperdoável, já viram a mediocridade no padre Arlindo? Para mim, o padre Arlindo continua a ser despertador da esperança cristã, e, como padre, a dar-me entusiasmo para perseverar na firme vontade de Deus no serviço do seu povo. Duas coisas me impressionam na igreja onde celebra, para além do Santíssimo: a disposição do Corpo de Cristo, quando se celebra em assembleia os seus santos mistérios e, à porta, a caixa da caridade. Mais ainda, os anjos devem ter perdido por lá um caderno de músicas. E não pense que isso aconteceu só quando por lá passou o Coro de Câmara de Gotemburgo, cujo acolhimento muito agradeço ter acontecido na forma que melhor prezo.

William V. Dych diz que «existe una conexão muito necessária e intrínseca entre a reflexão teológica sobre Deus e a vida de imaginação» [W.V. Dych, «Theology and Imagination», in Thought 57 (1982), 116]. A imaginação, segundo o Papa João Paulo II na carta que escreveu aos artistas, ajuda os poetas, os artistas e todos os buscadores da verdade a descobrir os abismos humanos, e a teologia ajuda a mostrar como Cristo os ilumina e atravessa a todos. Continue, padre Arlindo, a alargar o imaginário da Igreja através da luz de Cristo; na sua poesia, verdadeira como é, mostre-a à humanidade tal como é.

 

Joaquim Félix é padre católico, vice-reitor do Seminário Conciliar de Braga e professor da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa; autor de vários livros, entre os quais Triságia.

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This