França: 3.000 crianças vítimas de abusos sexuais na Igreja desde 1950

| 20 Jun 20

Abuso de menores.

Ilustração: Direitos reservados

 

Ao longo das últimas sete décadas, em França, pelo menos 3.000 crianças foram vítimas de abusos sexuais no seio da Igreja Católica: uma média de mais de 40 casos por ano. Os crimes terão sido perpetrados por cerca de 1.500 religiosos, conforme revelou nesta última semana o presidente da Comissão Independente sobre o Abuso Sexual na Igreja (CIASE, na sigla francesa), o jurista Jean-Marc Sauvé.

Ao todo, desde junho de 2019 (altura em que foi feito um apelo a todas as pessoas que tivessem sido vítimas de abuso sexual na Igreja para que o denunciassem), foram recebidas mais de 5.000 queixas por esta comissão independente instituída pelos bispos. Destas, cerca de 13% chegaram de pessoas que já eram adultas no momento em que os alegados abusos terão ocorrido, tratando-se sobretudo de seminaristas e religiosas no noviciado, e na sua maioria mulheres, noticiou o jornal La Croix.

Numa conferência de imprensa com o objetivo de fazer um balanço do trabalho desenvolvido até agora pela CIASE, Sauvé explicou que “é a primeira vez” que se faz um levantamento deste género em França e disse estar “intimamente convencido de que há muitas mais vítimas”.

“Na Igreja, como em qualquer sociedade humana, as posições de poder e responsabilidade podem ser distorcidas e tornar-se abusivas”, lamentou o presidente da comissão de inquérito, citado pelo jornal francês. “Daí a importância da escolha dos superiores, de limitar os poderes e de estabelecer mecanismos reguladores internos”, sublinhou.

Sauvé assumiu considerar “muito perturbador o ponto ao qual a [Bíblia] pode ter sido manipulada para satisfazer impulsos sexuais”, e deu o exemplo dos conteúdos do Cântico dos Cânticos, que terão servido de pretexto para justificar alguns dos abusos.

As “teologias dos escolhidos” ou de uma “elite espiritual” na Igreja, à qual a lei não se aplicaria, e ainda uma “desvirtuação grosseira do culto mariano”, têm sido também associadas à prática de alguns dos abusos.

A comissão, criada em 2018 na sequência de vários escândalos por abuso sexual na Igreja francesa, identificou inúmeros casos de abuso através de uma análise feita aos arquivos das dioceses e das congregações religiosas. Devido à pandemia de covid-19, o prazo para recolha de testemunhos foi prolongado até final de outubro deste ano. As conclusões e recomendações finais deverão ser apresentadas entre setembro e outubro de 2021.

 

Artigos relacionados

Abusos na Igreja e Vaticano: “Fazer o que ainda não foi feito”

Análise

Abusos na Igreja e Vaticano: “Fazer o que ainda não foi feito” novidade

Sobre as leituras e as consequências do estudo divulgado há precisamente uma semana relativamente aos abusos na Arquidiocese de Munique, umas das principais da Alemanha, o mundo católico encontra-se em suspenso. Já esta sexta-feira, 28, espera-se o pronunciamento da diocese visada e tanto o Vaticano como Bento XVI anunciaram ir estudar atentamente o documento, tendo o Papa Emérito prometido responder.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica 

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Investigação

Quem traiu Anne Frank?

Quem traiu Anne Frank, a autoria do conhecido Diário, e a sua família? Uma equipa que se entregou à tarefa de investigar acredita ter encontrado a chave do mistério. Mas trata-se de “um cenário provável”, sem certezas absolutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Thich Nhat Hanh: Buda e Jesus são irmãos novidade

Regressei ao cristianismo. Mas fui budista zen cerca de quinze anos, integrada na orientação budista zen do mestre japonês Taisen Deshimaru (Associação Zen Internacional); tendo como mestre um dos seus discípulos, Raphael Doko Triet. Gostaria de lhe prestar aqui a minha homenagem pois aprendi muito com ele, ligando-nos ainda – embora à distância – uma profunda amizade.

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos…

Inicio o meu quarto ano de uma escrita a que não estava habituada, a crónica jornalística. Nos primeiros três anos escrevi sobre a interculturalidade. Falei sobre o modo como podemos, por hipótese, colocar as culturas moçambicanas e portuguesa a dialogarem. Noutras vezes, inclui a cultura judaica, no diálogo com essas culturas. De um modo geral, tenho-me questionado sobre a cultura, nas suas diferentes manifestações: literatura, costumes, comportamentos sociais, práticas culturais, modos de ser, de estar e de fazer.

O Sínodo dos Bispos não é o sínodo da Igreja

Está a Igreja Católica Romana a caminhar para mais um Sínodo dos Bispos, a acontecer em 2023, e para isso toda uma máquina funciona no sentido da obtenção de mais diretivas ao serviço do Evangelho. Vamos lá lembrar o que está a acontecer: já não é a primeira vez que se realiza um Sínodo dos Bispos para refletir sobre algumas questões colocadas, sem que, no entanto, se sintam alterações substantivas ao funcionamento da Igreja, dando vitalidade ao seu caminhar.

Cultura e artes

Crónicas portuguesas dos anos 80

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Abusos na Igreja
Dar voz ao silêncio

Contactos da Comissão Independente

https://darvozaosilencio.org/

E-mail: geral@darvozaosilencio.org

Telefone: (+351) 91 711 00 00

You have Successfully Subscribed!

Pin It on Pinterest

Share This