Longa túnica muçulmana

França: “Não poderemos mais usar abaya na escola”

| 27 Ago 2023

Família muçulmana nas ruas de Berlim (Alemanha). A mulher veste uma abaya, uma longa túnica, e cobre a cabeça com um véu. Nas escolas francesas, o véu já está proibido desde 2004, agora a proibição vai estender-se ao vestido. Foto © hilmar h. werner, Copyrighted free use, via Wikimedia Commons.

Família muçulmana nas ruas de Berlim (Alemanha). A mulher veste uma abaya, uma longa túnica, e cobre a cabeça com um véu. Nas escolas francesas, o véu já está proibido desde 2004, agora a proibição vai estender-se ao vestido. Foto © hilmar h. werner, Copyrighted free use, via Wikimedia Commons.

 

O uso da abaya será proibido nas escolas francesas, depois de o ministro da Educação francês, Gabriel Attal, ter afirmado este domingo, dia 27, que não se poderá “mais usar abaya na escola” em França. Para isso vai transmitir “regras claras a nível nacional” aos dirigentes dos estabelecimentos escolares, a partir da próxima semana.

A abaya é um vestido longo tradicional ou túnica que cobre o corpo e, segundo o Conselho Francês para o Culto Muçulmano (CFCM), não se trata de um símbolo religioso muçulmano. Mas em novembro passado, o Ministério da Educação já tinha enviado uma circular às escolas, na qual as abayas são consideradas — assim como as bandanas e as saias longas, também referidas — como trajes que podem ser proibidos se forem “usados de forma a manifestar ostensivamente uma filiação religiosa”.

“Não poderemos mais usar abaya na escola” em França, afirmou Gabriel Attal, no canal de televisão TF1, questionado sobre este tema polémico após vários incidentes relacionados com o uso da túnica. “A laicidade é a liberdade de emancipar-se através da escola”, insistiu o ministro, citado pelas agências.

Após a sua nomeação para a tutela do Ministério da Educação e Juventude, no final de julho, o governante considerou que ir à escola vestindo uma abaya era “um gesto religioso destinado a testar a resistência da República sobre o santuário secular que deveria ser a escola”, prometendo ser “firme sobre o assunto”.

Gabriel Attal promete falar “a partir da próxima semana” com os responsáveis dos estabelecimentos escolares para ajudá-los a fazer cumprir esta proibição. “Entra numa sala de aula [e] não deve ser capaz de identificar a religião dos alunos olhando para eles”, definiu o ministro, na TF1.

A agência AFP obteve uma cópia de uma nota dos serviços do Estado, na qual se garante que os ataques ao secularismo foram muito mais numerosos desde o assassinato em 2020 do professor Samuel Paty, nas proximidades do seu colégio. Essa nota aponta para um aumento de incidentes de 120% entre o ano letivo 2022/2023 e 2021/2022.

Como recordam as agências, desde a lei de 15 de março de 2004, “nas escolas, faculdades e liceus públicos é proibido o uso de sinais ou trajes pelos quais os alunos demonstrem ostensivamente filiação religiosa”.

 

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo novidade

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This