Longa túnica muçulmana

França: “Não poderemos mais usar abaya na escola”

| 27 Ago 2023

Família muçulmana nas ruas de Berlim (Alemanha). A mulher veste uma abaya, uma longa túnica, e cobre a cabeça com um véu. Nas escolas francesas, o véu já está proibido desde 2004, agora a proibição vai estender-se ao vestido. Foto © hilmar h. werner, Copyrighted free use, via Wikimedia Commons.

Família muçulmana nas ruas de Berlim (Alemanha). A mulher veste uma abaya, uma longa túnica, e cobre a cabeça com um véu. Nas escolas francesas, o véu já está proibido desde 2004, agora a proibição vai estender-se ao vestido. Foto © hilmar h. werner, Copyrighted free use, via Wikimedia Commons.

 

O uso da abaya será proibido nas escolas francesas, depois de o ministro da Educação francês, Gabriel Attal, ter afirmado este domingo, dia 27, que não se poderá “mais usar abaya na escola” em França. Para isso vai transmitir “regras claras a nível nacional” aos dirigentes dos estabelecimentos escolares, a partir da próxima semana.

A abaya é um vestido longo tradicional ou túnica que cobre o corpo e, segundo o Conselho Francês para o Culto Muçulmano (CFCM), não se trata de um símbolo religioso muçulmano. Mas em novembro passado, o Ministério da Educação já tinha enviado uma circular às escolas, na qual as abayas são consideradas — assim como as bandanas e as saias longas, também referidas — como trajes que podem ser proibidos se forem “usados de forma a manifestar ostensivamente uma filiação religiosa”.

“Não poderemos mais usar abaya na escola” em França, afirmou Gabriel Attal, no canal de televisão TF1, questionado sobre este tema polémico após vários incidentes relacionados com o uso da túnica. “A laicidade é a liberdade de emancipar-se através da escola”, insistiu o ministro, citado pelas agências.

Após a sua nomeação para a tutela do Ministério da Educação e Juventude, no final de julho, o governante considerou que ir à escola vestindo uma abaya era “um gesto religioso destinado a testar a resistência da República sobre o santuário secular que deveria ser a escola”, prometendo ser “firme sobre o assunto”.

Gabriel Attal promete falar “a partir da próxima semana” com os responsáveis dos estabelecimentos escolares para ajudá-los a fazer cumprir esta proibição. “Entra numa sala de aula [e] não deve ser capaz de identificar a religião dos alunos olhando para eles”, definiu o ministro, na TF1.

A agência AFP obteve uma cópia de uma nota dos serviços do Estado, na qual se garante que os ataques ao secularismo foram muito mais numerosos desde o assassinato em 2020 do professor Samuel Paty, nas proximidades do seu colégio. Essa nota aponta para um aumento de incidentes de 120% entre o ano letivo 2022/2023 e 2021/2022.

Como recordam as agências, desde a lei de 15 de março de 2004, “nas escolas, faculdades e liceus públicos é proibido o uso de sinais ou trajes pelos quais os alunos demonstrem ostensivamente filiação religiosa”.

 

Judeus na Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo

Estudo revela

Judeus na Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo novidade

O mais recente relatório da Agência da União Europeia para os Direitos Fundamentais (FRA) não deixa margem para dúvidas: o antissemitismo cresceu nos últimos cinco anos e disparou para níveis sem precedentes desde o passado mês de outubro, o que faz com que os judeus a residir na Europa temam pela sua segurança e se sintam muitas vezes obrigados a esconder a sua identidade judaica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras

Contra a obrigação de repetir denúncias

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras novidade

Vários sobreviventes de abusos sexuais no seio da Igreja Católica expressaram, junto da presidência da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), o seu descontentamento quanto ao “método a utilizar para realizar as compensações financeiras”, dado que este obriga todas as vítimas que pretendam obtê-las a repetirem a denúncia que já haviam feito anteriormente.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This