Sondagem do "La Croix"

Franceses que vêm à JMJ são ricos, conservadores e muito praticantes

| 26 Mai 2023

Grupo de peregrinos franceses na JMJ Cracóvia 2016. Foto © WYD

Grupo de peregrinos franceses na JMJ Cracóvia 2016. Foto © WYD.

 

Nove em cada dez dos 30 mil jovens franceses que se inscreveram para participar na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 são filhos de lares de estatuto social e económico superior, politicamente conservadores (52% reconhecem-se de direita, ou de extrema-direita, enquanto apenas 8% se dizem de esquerda) e não sentem necessidade de grandes mudanças na sua Igreja.

Dois em cada três dos inquiridos pensa que as mulheres não devem ser ordenadas e apenas 12 por cento olham a celebração da missa de acordo com o ritmo tridentino como “um inútil regresso ao passado”, enquanto a maioria a frequenta ou a aprecia. Estes dados constam de uma sondagem dirigida ao universo dos inscritos na JMJ e publicada no jornal La Croix de 25 de maio.

Os resultados obtidos mostram, segundo o jornal, “uma juventude confiante na Igreja, conservadora e muito praticante, em contracorrente com a sociedade”. Exemplo dessa confiança na Igreja Católica é o facto de 59 por cento dos jovens a verem como “um farol que mostra o caminho no meio da escuridão”, em muito maior número do que os (22%) que a olham como “uma comunidade de convertidos que dão testemunho do seu encontro com Jesus”.

Esta confiança na Igreja parece inabalada pela revelação de crimes sexuais e outros abusos cometidos no interior da Igreja, pois mais de um terço (35%) pensa que tais situações “são consequência de personalidades perversas que traíram a Igreja e traíram a sua própria vocação”, refutando qualquer origem sistémica de tais abusos.

Estranhamente, ou não, é no campo da sexualidade e da homossexualidade que os jovens franceses que se deslocam a Lisboa na primeira semana de agosto, mais se afastam da doutrina da Igreja Católica. Um em cada cinco é taxativo: “não se pode ser católico e homossexual”. E se um em cada três reconhece que “os homossexuais têm lugar na Igreja desde que não promovam a igualdade entre homossexualidade e heterossexualidade” já 53% defendem que “os homossexuais devem estar de pleno direito na Igreja”, ou que “os católicos não devem ser julgados ou identificados em função da sua orientação sexual”.

A sondagem foi realizada entre 7 e 11 de maio, recolheu 4.028 respostas, das quais, depois de aplicação de quotas por sexo e região de origem, foram validadas 3.111.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This