Entrevista do Papa à AP

Francisco, a homossexualidade, o crime e o pecado

| 25 Jan 2023

entrevista papa francisco à associated press, janeiro 2023, foto do video da ap

Durante a entrevista à AP, o Papa afirmou que, caso renuncie, ficará apenas como bispo emérito de Roma e morará na residência para padres aposentados da diocese. Imagem extraída de vídeo da AP.

 

A polémica gerada pelas declarações do Papa Francisco sobre a homossexualidade, na entrevista que concedeu à agência Associated Press (AP), não nasceu do facto de ele ter dito que a Igreja e todos os bispos deviam denunciar como “injusta” qualquer lei que criminalize ou discrimine pessoas LGBT, mas sim daquilo que ele não disse: ser homossexual é um pecado. O Papa referiu-se também ao Caminho Sinodal Alemão como um processo ideológico, censurou o “hábito” de todo o cidadão ter uma arma, referiu as críticas de que tem sido alvo como sendo naturais e afirmou que se renunciasse acabaria os seus dias retirado como bispo emérito de Roma.

Na entrevista, divulgada pela AP nesta quarta-feira, 25 de janeiro, a agência americana atribuiu ao Papa a afirmação: “Ser homossexual não é crime. Não é um crime. Sim, é pecado. Bem, sim, mas façamos primeiro a distinção entre pecado e crime.” Transcrição que é fiel às palavras que Francisco usou, mas que não respeita totalmente o que ele disse. Basta ver com atenção o vídeo que a própria AP disponibiliza para perceber a nuance que a expressão corporal do Papa aqui introduz. No jeito coloquial de Francisco, o que está dito seria isto: “Ser homossexual não é crime. Não é um crime. ‘Sim, é pecado’ – dizem-me. Bem, sim, mas façamos primeiro a distinção entre pecado e crime.” Ou seja, mesmo que consideremos a homossexualidade como pecado, isso não é motivo para que aceitemos leis que a criminalizem, quereria dizer Francisco. A interpretação da AP sustenta-se no facto de que perante aquele “sim, é pecado” que outros dizem, o Papa não ter dito: “não, não é pecado, nem crime” – tendo apenas referido que qualquer católico que assim pense está, na mesma, obrigado a denunciar como injustiça toda a lei discriminando pessoas LGBT. Sobre o tema, Francisco repetiu o que vem dizendo há anos: “Somos todos filhos de Deus, e Deus ama-nos como somos e pelo ânimo com que cada um de nós luta pela sua dignidade.”

Quanto ao Caminho Sinodal Alemão, Francisco foi categórico ao afirmar que, embora o diálogo exista e seja um bem, “a experiência alemã não ajuda”, porque o processo é liderado pela “elite” e não envolve “todo o povo de Deus”. E rematou: “Aqui o perigo é que algo muito, muito ideológico se infiltre. Quando a ideologia se envolve nos processos da Igreja, o Espírito Santo vai para casa, porque a ideologia supera o Espírito Santo.”

Sobre as armas e a indústria do armamento (questões muito quentes nos EUA), Francisco regressou à sua condenação da corrida às armas, corrida que despreza “a arma do diálogo”, mas não deixou de exprimir opinião sobre a generalização do porte de arma por todos os cidadãos: “Quando alguém tem de se defender, precisa de ter os meios para se defender. Outra coisa é quando essa necessidade de se defender se prolonga, se estende, se alonga e se torna um hábito. Em vez de nos esforçarmos para nos ajudar a viver, esforçamo-nos para nos ajudar a matar.”

Perguntado sobre se não havia chegado o tempo de legislar sobre o quadro de futuras renúncias papais, o Papa disse que o Vaticano precisa de mais experiência e reflexão sobre a questão antes de a “regularizar ou regular”. Reconhecendo que Bento XVI “abriu a porta” para futuras renúncias, afirmou que ele também consideraria renunciar e, caso o faça, já decidiu que ficará apenas como bispo emérito de Roma e morará na residência para padres aposentados da diocese de Roma.

[Sobre as primeiras declarações do Papa acerca do caso do padre Rupnik, ver outra notícia no 7MARGENS]

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This